terça-feira, 24 de janeiro de 2012

111 mil crianças "desaparecidas"

A fraude do truca-truca
Em Portugal desapareceram 111 mil crianças entre 2009 e 2010. Não é um caso de polícia. É um caso de fuga ao Fisco.
Fernanda Cachão
Para quem tenha andado a fazer contas à economia doméstica do cidadão Aníbal Cavaco Silva e por isso distraído das restantes notícias, passamos a explicar. Em 2011, as Finanças obrigaram a que, mesmo de fraldas, os novos portugueses passassem a ter número de identificação fiscal – décadas antes de se verem confrontados com a necessidade tão incerta de terem de trabucar – mas com isso resolveram um caso que, escrito, seria best-seller para competir num país nórdico com a saga ‘Millennium’. Houve quem declarasse filhos a mais para pagar impostos a menos.
Lembrámo-nos do tempo em que Natália Correia discordou à letra mas em verso com certo deputado do CDS, o que defendeu que o acto sexual servia unicamente à reprodução.
"Já que o coito – diz o Morgado –
tem como fim cristalino (...)
fazer menina ou menino;
e cada vez que o varão
sexual petisco manduca
temos na procriação
prova que houve truca-truca (...)".
Pois D. Natália e Sr. Morgado, o Fisco provou que neste Portugal contemporâneo a questão do truca-truca é inteiramente subjectiva.
Título e Texto: Fernanda Cachão, Editora de 'Correio Domingo', Correio da Manhã, 24-01-2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-