sábado, 15 de fevereiro de 2020

Crônicas Cariocas: verão de casaco

Felipe Lucena

Pode ser que quando esta trêmula crônica seja publicada, o Sol já tenha dado as caras, mas, por enquanto, esse verão está mesmo é com face de inverno. Desde que a estação mais quente do ano chegou, que não me lembro de uma semana inteira de calor. Os raios solares estão dando um gelo na população carioca.


Parte superior do formulário
Parte inferior do formulário
Essa última semana, então, foi de bater o queixo. Vi gente de casaco nas ruas. Quintino Gomes Freire, editor do DIÁRIO DO RIO, falou que viu um rapaz de sobretudo no Centro do Rio.

Fosse só o frio, com um solzinho de leve, estaríamos todos menos tensos, mais calorosos. Só que a chuva está afogando todos os nossos desejos quentes.

Não tenho nada contra o frio ou a chuva. Muito pelo contrário. Mas cada um na sua, no seu tempo. Agora é hora de sentir e reclamar do calor. Nossa eterna relação de amor e ódio com essa estação primeira e última em nossos vagos corações.

A preocupação que rola na avenida é que durante o carnaval o calor dê passagem para a chuva e para o frio. Sai do meu bloco. Nos dias de folia, o cordão tem que ser quente.

Eu torço para que, na semana do carnaval, o Sol venha curtir uns blocos. De leve. Não precisa rachar a cabeça de ninguém. O que não dá é ter um verão fantasiado de inverno no carnaval do Rio de Janeiro.

Vambôra sair, Sol. A gente paga o chopp gelado se ficar calor demais.
Título, Imagem e Texto: Felipe Lucena, Diário do Rio, 15-2-2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-