segunda-feira, 3 de fevereiro de 2020

Mila continua à espera da solidariedade dos ativistas e dos artigos dos jornalistas

Helena Matos

Para Ségolène Royal, Mila é « une adolescente qui manque de respect» e que como tal não deve ser tratada como alguém que luta pela liberdade de expressão.

Mila, foto: Instagram
Ségolène Royal foi levada ao colo pela imprensa portuguesa quando foi candidata à presidência francesa. Ela era segundo o PÚBLICO “Uma GUERREIRA POLÍTICA que não tem medo e uma FEMINISTA SEM VERGONHA DE SER MULHER”. Pois a guerreira é isto: uma vergonha.


À atitude vergonhosa das feministas junta-se o silêncio das muito frenéticas associações dita de defesa das lésbicas. Mila diz-se lésbica e até agora é muito escasso o apoio desses ativismos.
Título e Texto: Helena Matos, Blasfémias, 3-2-2020

Um comentário:

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-