quarta-feira, 10 de agosto de 2022

Seis «Pedrógãos Grandes» por semana

Telmo Azevedo Fernandes

Desde o início do ano, em média, todas as semanas (sublinho, todas as semanas) acontece uma tragédia de dimensão equivalente a seis vezes a de Pedrógão Grande.

No incêndio de Pedrógão Grande morreram 66 pessoas. E desde 1 de Janeiro deste ano morrem cerca de 400 pessoas por semana em Portugal a mais em relação à respectiva média mensal correspondente dos últimos 10 anos.

A tragédia de Pedrógão é comparável com a do actual caos no serviço nacional de saúde porque num e noutro caso são acontecimentos excepcionais; porque resultam da incúria e falhas graves do Estado; porque o primeiro-ministro cobardemente se desresponsabiliza politicamente do sucedido; porque a ministra da pasta inventa narrativas capciosas e fantasiosas para justificar o injustificável; porque o governo e os seus assessores de imprensa tentam calar e evitar as investigações jornalísticas e as perguntas difíceis; porque o inenarrável ocupante da Presidência da República serve vergonhosamente de escudo às críticas a António Costa; porque a generalidade dos partidos políticos e a espécie de avençados do comentariado nacional fala baixinho e mansamente sobre o assunto e, finalmente, porque a generalidade dos Portugueses está-se verdadeiramente a marimbar para quem faleceu e para as suas respectivas famílias.

Aliás, a agenda partidária e mediática no nosso país aborda com muito mais frequência e entusiasmo de processos legislativos gizados à má fila para facilitar a eutanásia ou aborto do que para assegurar as condições de acréscimo de natalidade ou qualidade de vida aos idosos.

Como escreveu a minha amiga Ana Caraballo no Facebook, os nossos responsáveis políticos e dirigentes da DGS, perante os altíssimos números do excesso de mortalidade deste ano afiançam com certeza que “as pessoas morreram de calor. Os que morreram antes de estar calor, morreram de frio. Outros não aguentaram sequer temperaturas amenas. Caiem que nem tordos e se chatearem muito o governo com perguntas, regressam os confinamentos e volta tudo a morrer oficialmente de covid. Já os jornalistas têm centenas de médicos especialistas prontos a atestar o que for preciso para que não passe pela cabeça de ninguém que o governo deu cabo do SNS.”

Já João Miguel Tavares lembrou esta semana no Público e muito justamente uma louvável excepção de trabalho de investigação do jornalista Pedro Almeida Vieira da publicação online Página UM e tem sido na prática sabotado por diligentes funcionários públicos que retiraram o acesso a dados estatísticos sobre morbilidade e mortalidade hospitalar que dantes estavam total e completamente disponíveis online.

Assim se fazem as coisas em Portugal…

E, já agora, lembro que os tempos não estão para facilitismos e por isso, por amor de Deus não comam ‘bacalhau à brás’ pelo menos até haver uma vacina contra esta iguaria.

A minha crónica-vídeo de hoje, aqui:

Título, Texto e Vídeo: Telmo Azevedo Fernandes, Blasfémias, 10-8-2022

Relacionado: 
Desastre ambiental

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-