quarta-feira, 17 de agosto de 2022

Liberdade de ofender

Telmo Azevedo Fernandes

Em 1989 o sinistro Ayatollah Khomeini do Irão anunciou ao mundo a sentença de morte para Salman Rushdie por este ter escrito um livro considerado ofensivo do Islão. O líder religioso supremo da altura mandatou qualquer fiel para a execução da pena em qualquer altura e em qualquer lugar. Assim, há dias, trinta e três anos depois, Salman Rushdie escapou por pouco à morte em consequência de um infame ataque perpetrado por um zelota islâmico.

Mas o mundo e o nosso país está hoje cheio, cheiinho de ayatollahs. Os actuais Khomeini têm Silva, Santos, Ferreira, Costa ou outro qualquer apelido. Os fundamentalistas dos nossos dias chamam-se Afonso, Benedita, Martim, Guilherme ou Carolina.

Hoje, o livro de Rushdie “Versículos Satânicos” nem sequer teria qualquer hipótese de ser publicado. Os editores têm agora por prática a auto-censura e não publicam livros que considerem ter certas palavras indizíveis nem obras que temam possam ferir sentimentos de algum sector mais sensível da sociedade.

Os órgãos de comunicação social têm medo de usar termos que não sejam politicamente-correctos. Nas universidades os professores são coagidos a adoptar um discurso que os maluquinhos activistas raciais, do feminismo, da igualdade de género ou das emergências climáticas considerem próprio.  As redes sociais estão pejadas de trupes e gangs sempre à espreita de denunciar aqueles que têm ideias desalinhadas ou que não se submetem à ideologia progressista. Apela-se à censura e tudo se classifica como discurso de ódio. Na nossa Assembleia da República os deputados aprovam leis e regulamentos travestidos de virtude, mas que na prática pretendem limitar a liberdade de expressão.

Nas relações sociais, hordas de sabujos têm a distinta lata de afirmar à boca pequena que quem usa da sua palavra livremente “provoca” ou “se põe jeito” para reacções intimidatórias ou mesmo fisicamente violentas. Os cobardes e os moluscoides aconselham em vez disso um discurso redondo e o uso de banalidades para não incomodar ou tornar desconfortável o ambiente social instalado.

Parece, portanto, que em Portugal interiorizamos de modo voluntário a lei islâmica. A fatwa, a condenação à morte por blasfémia, é apenas a última etapa e o último grau dos tabús e do «respeitinho» a que nos habituamos. Mas não estamos tão longe disso quanto se possa imaginar. Os «ayatollah khomeini» portugueses estão no caminho para terem as mãos sujas de sangue.

Mas só existe verdadeira liberdade de expressão se houver liberdade de ofender.

A minha crónica-vídeo de hoje, aqui:

Título, Texto e Vídeo: Telmo Azevedo Fernandes, Blasfémias, 17-8-2022

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-