quinta-feira, 25 de agosto de 2022

[Daqui e Dali] Um caso de telepatia


Humberto Pinho da Silva

A irmã de minha mãe vivia em Trás-os-Montes, numa pequena e modesta aldeia, entalada entre montes e aninhada em fresco e fértil vale paradisíaco.

Era casada recentemente, e tinha um menino, que era o seu enlevo.

O marido, homem dinâmico, labutava arduamente no campo; ela, cuidava com esmero do maneio da casa: dava de comer aos animais e tecia em tosco e desengonçado tear, garridas mantas de farrapos.

Eram felizes, na singela, mas desafogada vida campesina.

Um dia, o menino sentiu-se mal. O clínico – velho médico da Vila – auscultou-o atentamente, e deu-lhe a triste nova, que a criança tinha de ser operada, urgentemente, no Porto.

Aflita, embrulhou à pressa o garotinho em fresca e macia manta, e calcorreou farta légua, coleando escabrosos e sinuosos cerros, porque nesse recuado tempo não havia estrada.

Depois, desceu até ao Porto, no ronceiro e tardo comboio do Douro.

De coração contrito, bateu à porta da irmã, pedindo-lhe encarecidamente socorro, esbaforida e estonteada pelo rumor da cidade, e pelo ardor da tarde escaldante.

Condoída, minha mãe ajudou-a a internar o menino e acolheu-a carinhosamente em sua casa.

Dias depois, abalou, confiando o filho ao cuidado da irmã citadina.

Tempos depois, subitamente entra na nossa casa, asseverando que o filho acabara de ser operado, e que ouvira, dentro de si, sua dolorosa voz pedindo socorro.

Foram ao hospital, contestaram que realmente o menino fora operado com sucesso, essa manhã.

Muitos são os cientistas que duvidam da existência da telepatia, ou seja, a possibilidade de transmitir o pensamento, de cérebro a cérebro, desde que estejam em sintonia. Como se um fosse o emissor e o outro recetor.

Essa possibilidade tem sido demonstrada até em espetáculos, mas há cientistas que duvidam, já que em muito casos – ou todos – são meras mistificações.

Assisti, em Bragança, a cenas de telepatia, realizadas por indivíduo, que guiou, de olhos vendados, uma viatura pelas ruas da cidade.

Não julgo nem nego a possibilidade dos espíritos se comunicarem através de energia elétrica, emanada de cérebro a cérebro, apenas relato caso entre mãe amorosa e filho primogénito.

Título e Texto: Humberto Pinho da Silva, agosto de 2022

Anteriores: 
A crítica e os críticos 
Santiago e Fátima 
Quando se coloca " trancas" à porta... 
Vamos comparar preços 
Atribulada viagem: Aveiro - Porto 
Falemos de "cotas" 

Um comentário:

  1. O voto também deveria ser por telepatia. Vou dar um exemplo. Eu votaria no Lula Ladrão e o voto iria para o filho (filha) da Gretchem, o varredor, perdão, o vereador da cama Municipal de São Paulo, o ilustre lustre Thommy, perdão, Thammy Miranda.
    Aparecido Raimundo de Souza
    da lagoa Rio de Janeiro.

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-