quinta-feira, 7 de julho de 2022

[Daqui e Dali] Atribulada viagem: Aveiro - Porto

Humberto Pinho da Silva


Numa ventosa e fria manhã de abril estava no amplo e airoso cais ferroviário de Aveiro. Acabara de estacionar o comboio originário da cidade do Porto. Escancararam-se as portas. Em roldão, saíram, a largos passos, passageiros.

Iniciou-se o a assalto...Todos querem ser os primeiros, na busca de melhor lugar. Em alarido a multidão fermente acotovela-se na ânsia de abrir caminho.

Ouço vozes de protestos, apartes lamentosos em surdina, e crianças procuram furar entre a floresta de pernas.

Na confusão endiabrada fui arrastado para junto de chapa de aço esburacada...

Oprimido e espremido, olho em redor: bicicletas emaranhadas (7), trotinetas, sacos... e entre eles, no carrinho de rodas altas, nené choraminga, de olhos esgazeados.

Em cada estação entram e saem passageiros, aos pulos, aos saltos, costeando malas, empurrando trotinetas, afastando bicicletas.

Ouço zunzuns de conversas cruzadas, guinchos de mancebos, gritinhos estilhaçados de mocinhas acéfalas, como se viajasse em barca poveira.

Cachorrinho, entalado entre pernas, chora baixinho sua desdita.

Frequentemente realizo a viagem e nunca me vi em tais apuros.

Que se leve malas e animais - que são, quase sempre, ótimos companheiros - aceita-se. Agora, colossais malões, trotinetas e sacos... parece-me demais!

Por que não limitar o número de velocípedes e outros objetos nos transportes públicos?

Outrora despachava-se para não incomodar os viajantes. E agora?

Em época em que as carruagens são confortáveis, proporcionando agradáveis viagens, em segurança, era bom evitar excesso de bagagem, para não pensarmos que se viaja no vagão de mercadoria ou em transporte de gado.

Título e Texto: Humberto Pinho da Silva, julho de 2022

Anteriores: 
Falemos de "cotas" 
Os malefícios da novela 
[Daqui e Dali] A velhice de um padre 
A internet e os idosos 
O complexo de inferioridade do português

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-