segunda-feira, 25 de julho de 2022

Maria vai com as outras para o ostracismo

Nenhum eleitor pode ser assim — aliás, costumam surpreender a quem pensa que eles sejam

Deonísio da Silva

Eleições fazem despontar vencedores improváveis, mas também condenam políticos conhecidos ao ostracismo e ao anonimato.

Quem vota no vai da valsa é maria vai com as outras, expressão do português para designar a pessoa facilmente influenciável, sem vontade própria, seguidora de manadas. A Maria desta expressão é a rainha portuguesa Dona Maria I, mãe de Dom João VI, avó de Dom Pedro I. Quando morava no Rio, já abúlica, era conduzida por duas atendentes chamadas Maria, sem as quais nada podia fazer. Só saía com as duas Marias. Foi a primeira Maria vai com as outras da História.

Pintura de Dona Maria I, considerada 'A Rainha Louca', pelo pintor J. B. Gerard

Ironia da História: quando voltava para Portugal em 1821, levando os restos mortais da mãe, Dom João VI saboreava a derrota de Napoleão Bonaparte. O imperador que os colocara para correr em 1807 estava preso na Ilha de Santa Helena.

No ano do bicentenário de nossa independência política, proclamada pelo neto da Rainha Louca às margens plácidas do Ipiranga, como diz o Hino Nacional, nenhum deles foi para o ostracismo. As personalidades da monarquia luso-brasileira permaneceram no imaginário popular.

Tal como a expressão, a palavra ostracismo também tem berço curioso. Veio do grego “ostrakhismós”, de “ostreon”, ostra, e “ostrakon”, cerâmica neste formato. A explicação é a seguinte: na Grécia Antiga, a aplicação de penas como a desonra, o confisco de bens, o desterro e o banimento era feita mediante votação em praça pública. Os cidadãos escreviam sim ou não em pedaços de cascas de ostra, ou cascos de tartaruga untados com cera. Com algumas centenas de votos, o indivíduo era banido por dez anos.

Houve casos emblemáticos desta condenação.

Dois famosos generais gregos, Temístocles e Tucídides (depois anistiado), receberam a pena de ostracismo. O grande Péricles quase foi condenado, mas faltaram alguns votos para compor a maioria para desterrá-lo. Para evitar o ostracismo, o filósofo Sócrates suicidou-se tomando cicuta.

O escultor Fídias, acusado de roubar o ouro destinado às construções em Atenas, também sofreu ostracismo. Famoso pelas estátuas que fazia, está lembrado nestes versos de O Navio Negreiro, de Castro Alves: “homens que Fídias talhara / Vão cantando em noite clara / Versos que Homero  gemeu”.

Nenhum eleitor pode ser maria vai com as outras. Aliás, os eleitores costumam surpreender a quem pensa que eles sejam.

Título e Texto: Deonísio da Silva, Revista Oeste, 24-7-2022, 19h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-