domingo, 21 de agosto de 2022

[As danações de Carina] Assunto mais sério que guri cagado

Carina Bratt

NO PROGRAMA do Fábio Porchat, quando ele ainda estava na Record, e não fazia questão de ser um tremendo e maçante ‘porchato’ de galochas, simplesmente se travestia na pele do cômico Fábio, às vezes, quero deixar esclarecido, às vezes, repito, saía alguma coisa digna de ser vista e comentada. Por exemplo: a entrevista com a comediante Dani Calabresa [foto], quando, a certa altura, veio à baila, o assunto da ‘fantasia feminina de certas mulheres’.

Amei a fala da atriz. Elegantemente expansiva, extrovertida e bem-humorada, como sempre, Dani respondeu com os pés nas costas: ‘aos quinze anos, a mulher quer um gato (gato?!) de olhos verdes e bonito. Aos vinte e cinco, um saradão bem apessoado de olhos verdes, bonito e rico. Aos quarenta (a idade dela hoje, Dani nasceu em 12 de novembro de 1981), um cabra macho, olhos verdes, rico e inteligente. Aos cinquenta ou mais, um homem literalmente com cabelos’. Confesso não entendi a inclusão do ‘gato’’. Seria um jovem gato ou um bichano mamífero e carnívoro da família dos felídeos?

Dani usou, na verdade, um dito popular antigo, tipo essas frases soltas que, na maioria das vezes presas em páginas de livros, de quando em quando aparecem bailando nas bocas escancaradas de alguns engraçadinhos. Valeu a intenção, levando em conta que a filha famosa de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, se saiu maravilhosamente de uma saia curta e justa que lhe foi ‘vestidamente’ imposta pelo apresentador. O legal de certas pessoas, é exatamente o raciocínio rápido.

Se fosse eu, a entrevistada do Porchat, diria que aos ‘cinquenta anos’, eu caminharia um pouco mais além e acrescentaria às palavras de Dani, com relação a tal da ‘fantasia feminina’, o seguinte: ‘nada melhor que um homem careca. De preferência, um careca com cabelos’’. Brincadeirinha, amigas. Só para descontrair. Minha preferência nacional, se eu tivesse   cinquenta, seria um careca, sem dúvida alguma. Se olharmos com acuidade para um sujeito sem um fio de cabelo para contar história, lembraremos imediatamente de um motel de beira de rodovia.

E concluiria observando com toda ênfase: por que motel de beira de rodovia? Simples, minhas leitoras. ‘Tais estabelecimentos beirando as rodovias, têm sempre uma entrada auspiciosa e chamativa, melhor ainda, uma saída estratégica para mulher nenhum botar defeito (principalmente se ela, estiver no papel de acompanhante, ou for a outra, ou a amante) e, para ponto finalizar o panorama, acrescentaria o fato inusitado de uma cama redonda, enorme e lindamente apetitosa e chamativa no meio’’. Já que toquei no assunto da alopecia, nunca sacaneie um calvo com frase do tipo ‘você já está careca de saber’ ou ‘moço, compre uma peruca cor de rosa choque para melhorar a sua fuça sem graça de Alexandre de Moraes’’.

O saudoso escritor paranaense de Ponta Grossa, no Paraná, Eno Teodoro Wanke, com muita propriedade, a propósito dos ‘sem cabelos’ observou o seguinte: ‘para interromper a queda dos cabelos, nada melhor do que o chão’. Tal pensamento, por sinal bastante profundo, me leva a concluir uma frase dita pelo também saudoso palhaço ‘Carequinha’: ‘cabelo ruim é que nem assaltante: ou tá preso, ou tá armado’’.

Pelo meu tamanho, acho que já falei demais e escrevi o que não devia. Porchat agora está na Globo. Programinha chato, sem sal, vazio, completamente sem eira nem beira. De vez em quando, não é sempre, se salva alguma entrevista ou outra que vale a pena ser lembrada ou mesmo revisitada. De resto, as minhas ‘Danações’ de hoje se encerram por aqui. ‘Escrever demais, muitas vezes atrapalha os ouvidos de quem lê e os olhos de quem não enxerga um palmo adiante da sua estupidez’. Aos treze anos, aprendi por intermédio de uma tia chata que aos domingos aparecia lá em casa e fazia questão de me fazer ficar de boca fechada. Mal eu pintava na sala ela berrava: ‘CALE-SE, CARINA”. Cheguei a pensar, por muitos anos à frente, fosse esse meu segundo nome.

Título e Texto: Carina Bratt. Da Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. 21-8-2022

Anteriores: 
Tudo é questão de não deixar passar os bons momentos 
Escarcéu de uma louca quase à deriva de si mesma 
Às vezes, quando não existo no meu mundo... 
‘Maracuteta’ 
Um homem e o seu olhar apaixonado pelo belo 
Da ‘curtivação’ doente à falência séria da pobre ‘curtura’ 
Coração é bicho besta 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-