terça-feira, 16 de maio de 2017

Um filme que não deveria existir

Carlos Andreazza

A Esquerda acostumou-se à hegemonia político-cultural de tal forma que é hoje incapaz de tolerar, ainda que apenas taticamente, a mais mínima ‘cota outro lado’

A intelectualidade que — desde as universidades, redações, palcos e estúdios — promoveu e alicerçou o projeto criminoso de poder ora desmascarado não cai necessariamente com a estrela. E nem por um segundo para de se mover. Governos esquerdistas tombam podres, a farsa de seus líderes exposta como fratura; mas isso normalmente sem que a hegemonia político-cultural que os sustentou seja sequer tisnada.

À tomada — político-econômica — de um país precede a cooptação do intelectual: a frouxidão da independência, o aluguel do pensamento, a ridicularização da sensibilidade moral, a desarticulação do contraditório, a ascensão de patrulhas em detrimento da consciência individual.

Não se chega às condições privilegiadas para assaltar o Estado sem que à sociedade seja impingida longa preparação anestésica de ordem moral-cultural, por meio do que, ministrada a apatia, cultiva-se, por exemplo, a mentira de que há campo aberto para o debate entre divergentes. A estratégia dissimulada é a própria armadilha: intimida-se o diverso (até anulá-lo) pelo controle — pelo monopólio artificial — da diversidade.

Foto: Adalba Oliveira
A cineasta Gabi Saegesser [foto] é vítima e agente dessa perversão com método. Desde o alto do pedestal de superioridade onde seus curtas-metragens bancados pelo Estado a colocaram, declarou: “O filme vai contra qualquer possibilidade de diálogo, fala sobre o filósofo Olavo de Carvalho, um dos maiores representantes do conservadorismo de direita.” Ela, que se definirá como alguém livre, refere-se ao documentário “O jardim das aflições”, de Josias Teófilo (que o realizou sem um tostão de origem pública), e reage ao que compreende ser impossibilidade de diálogo, claro, interditando qualquer possibilidade de diálogo.

Decerto julgando-se corajosa, Saegesser compõe o grupo de cineastas que decidiu boicotar um festival, o Cine PE (afinal cancelado), porque a organização da mostra ousou incluir no programa duas obras que, de acordo com a patrulha, representam “um desrespeito à visão política e social de outros filmes”. A compreensão dessa galera sobre o que seja “desrespeito” é como uma revelação no parquinho: “Somos mimados!” Não é necessário escrever que a turma empastela o que não viu, nem que não são os filmes os que têm “visão política e social”. Tampouco é preciso apontar o vergonhoso de que, considerando-se artistas, não se constranjam em investir na censura. (Imagino em que andar do inferno estaria Teófilo se fizesse uma ressalvazinha ao festival pela inclusão de “Vênus: Filó, a fadinha lésbica” na programação.)

A esquerda brasileira, especialmente aquela que sequestrou o cinema, acostumou-se à hegemonia político-cultural de tal forma que é hoje incapaz de tolerar, ainda que apenas taticamente, a mais mínima “cota outro lado” — no caso, dois filmes entre 26 selecionados: além de “O jardim das aflições”, “Real”, sobre o plano econômico que nomeia a moeda nacional, baseado no livro “3000 mil dias no bunker”, de Guilherme Fiuza.

A obra sobre Olavo de Carvalho, ao longo dos últimos meses, vinha sendo rejeitada por todos os festivais em que seus produtores tentaram inscrevê-la. Já ali, na recusa formal, era possível ler a matriz ideológica do veto — cuja escritura velada ainda assim Teófilo não deixou de denunciar. Em vão. Tudo ia bem — de acordo com a cartilha silenciosa de interdição cumprida, há décadas, pela patota que se crê defensora da liberdade, muito à vontade para chamar os outros de golpistas — até o Cine PE furar o bloqueio. Então, como só raramente, as máscaras caíram.

Há novidade, pois, na blitz dos conspiradores que dominam a produção cultural no Brasil; porque, ao reagirem, acabaram por desnudar suas ferramentas. De hábito, sabe-se, a mordaça se aplica nos bastidores, tacitamente, sem necessidade de manifestação pública, e aos que discordam dessa simonalização — para escapar da máquina de assassinar reputações — convêm se omitir. (Qual cineasta brasileiro, mesmo entre os graúdos, protestou, até agora, contra a barbárie em curso?) Esse conjunto castrador prospera à sombra, protegido por códigos que blindam os grupos de pressão — a militância que se travestiu em arte — de terem a truculência descoberta.

O alarme de que a Coreia do Norte em que suas ideias se elogiam tivesse de conviver, dentro de um festival, com a “direita conservadora" resultou, porém, em que as aparências cedessem à natureza e a violência — o ímpeto de apagar o outro — precisasse emergir do bueiro, situação em que os senhores do discurso da diversidade, os monopolistas do pluralismo, não pestanejaram antes de revelar o Guilherme Boulos (os que vivem de boquinha) ou mesmo o Marcola (os que vivem da boca) interior.

O terrorismo cultural, vê-se, não é bonito, exibe os artifícios da educação totalitária; mas — atenção — há ciência também na brutalidade. Não é, portanto, uma esquerda perdida, ultrapassada, excepcional, a que boicota e censura — mas a própria esquerda, a que temos, sob a luz do sol. Não é belo, mas não deixa de ser liberdade de expressão.
Título e Texto: Carlos Andreazza, editor de livros, O Globo, 16-5-2017

Relacionados:

Um comentário:

  1. Aqui na barra lateral direita, tem o link para assinar a petição em apoio ao filme 'Jardim das aflições'.

    ResponderExcluir

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-