terça-feira, 23 de junho de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Não fosse o avesso dos ponteiros...

Aparecido Raimundo de Souza

ATO UM

FERÍ MEUS OLHOS de tanto espiar a solidão áspera e hostil em minha volta, como também meus pés, que se cansaram de caminhar por sendas calejadas de estradas sem volta, enquanto um vazio imenso insistia em chocalhar guizos de pânico, me levando, contra a vontade, à um ponto distante de um obscuro incerto e tenebroso, de onde não tinha como regressar. Realmente, não me foi possível retroceder. Em razão disso, todas as tentativas restaram fracassadas. Percebo, entretanto, que um ponto  longínquo e perdido, insiste e sempre aparece diante de mim. Surge aleatoriamente do nada, como escassa chama de uma extrema fronteira, de um remotado da minha vida. Algo inóspito, além de meus confins. Engraçado: toda vez que isto ocorre, me deixa sem fôlego e sem ar, sem saber o que fazer, ou como agir...

ATO DOIS

De repente, meu tempo fendeu-se de novo e, desta vez, de uma maneira mais drástica. Expôs meus anos vividos à visitação de estranhos, e me deixou, à mostra, as desgraças do meu passado. Me pego e me vejo diante de um tédio pesado, denso enrodilhado aos farrapos de meus sonhos desfeitos e caídos por terra. Perdido, me sinto só. Carcaça de uma alma combalida, triste e abandonada. Sou assim, como um barco naufragado, olvidado num braço morto de rio. Envolvido por águas turvas e paradas, apodreço meus devaneios mais carentes no meio do tempo. E este tempo corre ligeiro, me puxa para um vazio de dimensões tétricas... Degringola contra tudo, voa harmonioso e inexorável... Dispara altanado, insubmisso, sem me dar uma chance de voltar atrás. De repente, num instante inesperado, me encurrala em ínvias vielas.

ATO TRÊS

E ele, o tempo, o meu tempo, desde que me entendo por gente, sempre foi assim. Se fez eloquentemente veloz e inexorável.  Sem interrupção, continua passando. E me levando. Me arrastando, rápido e veloz, ligeiro e sem amarras, sem que eu logre estancar o relógio, sem que consiga interromper, por algumas frações de segundos os ponteiros – ou, ao menos, fazer com que rodem ao avesso das intransigências das minhas horas. Por vezes, me sinto e me vejo... Pior, me pego entremeado a um cortejo de almas encardidas e sujas, como se meu fim estivesse próximo. Meu chão se abre em uma cadeia de buracos enormes... Por mais que  desvie de onde devo pisar, sinto como se caminhasse sobre ovos. Meu derradeiro momento, entretanto, se me afigura  logo ali, prestes a me cadafalsar o pescoço na autoridade fria de um patíbulo. 

ATO FINAL

Por esta razão, fantasmas iracundos cruzam por mim a todo instante. Eles trazem os rostos encobertos e seguem irmanados em fila indiana, como se partícipes de uma procissão de sudários mortalhados. Não contentes, estes espectros entrelaçam as suas presenças bestiais numa alienação maçante e insuportavelmente crochetada por milhões de fios de novelos que parecem, ou pelo menos me dão essa impressão, de não ter começo, nem meio e tampouco fim. Entremeado a esta demência paranóia, me ponho a chorar copiosamente. Enquanto as lágrimas caem, rosto abaixo, penso ser um peixe fora do cardume, soldado sem quartel, bússola sem norte. Tento levar em conta o minuto seguinte. Me agarro a ele, de unhas e dentes, como o náufrago à tabua da salvação. Por algum motivo volto a realidade. De nada me adianta. Uma incerteza ainda maior e medonha persiste se levantar do nada. Para o cúmulo dos meus infortúnios, continua se expandindo,  horrivelmente se triplicando, sobretudo,  sobre tudo e igualmente sobre todas as coisas.

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha, no Espírito Santo. 23-6-2020

Colunas anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-