domingo, 28 de junho de 2020

Por semiárido, deputado governista articula com EUA, Espanha, Israel e China

Deputado federal General Girão (PSL-RN) é o presidente da Frente Parlamentar em Prol do Semiárido. Ele é o responsável por articular um fórum com a presença de países que têm experiência com o bioma

Deputado federal General Girão (PSL-RN). Foto: Claudio Andrade/Câmara dos Deputados
Rodolfo Costa

As conversas para desenvolver o semiárido vão além do Brasil. A Frente Parlamentar Mista em Prol do Semiárido conseguiu levar sua articulação aos Estados Unidos, à Espanha e Israel. A China tomou conhecimento dos contatos e também engatou conversas. Os governos desses quatro países estarão, de alguma forma, presentes no Fórum do Desenvolvimento do Semiárido, que será celebrado em dezembro.

O presidente da bancada do semiárido no Congresso, deputado federal General Girão (PSL-RN), mantém conversas próximas com esses quatro países. Cada um deles têm experiências semelhantes em áreas semiáridas. O objetivo, portanto, é absorver suas expertises e estreitar laços com potenciais investidores para o sertão nordestino.

Os EUA são um exemplo. Girão ressalta que a cidade de Los Angeles, na Califórnia, a maior produtora de alimentos dos EUA, quase não tinha água potável entre o fim do século XIX e o início do século XX. Por obras de transposição, passou a ter. A experiência da Espanha é semelhante com a região de Andaluzia.

Já Israel é uma potência na tecnologia de dessalinização e agricultura em território semiárido. A China também vem desenvolvendo tecnologias e uma gestão adaptável para esse tipo de bioma. “Comecei em contato com os governos dos Estados Unidos, da Espanha e de Israel, e o governo chinês demonstrou interesse em participar também”, explica Girão.

Expectativa
Os quatro governos estão convidados para comparecer ao Fórum do Desenvolvimento do Semiárido. O evento estava previsto para ocorrer em maio, mas, em decorrência do coronavírus, as datas foram suspensas. Como as eleições podem ser em novembro, caso realmente haja o adiamento, dezembro surge como o período mais viável.
A expectativa é que o presidente Jair Bolsonaro faça a abertura do evento e, o vice-presidente Hamilton Mourão, o encerramento. É o que articula Girão, que mantém contato com ambos. O evento deve durar três dias e contar com seminário, oficinas e palestras.
Título e Texto: Rodolfo Costa, revista Oeste, 28-6-2020, 9h

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-