terça-feira, 4 de agosto de 2015

Ciclo petista

Valdemar Habitzreuter

Foto: Wilton Junior/Estadão
O PT chegou ao fim de um ciclo” (Tarso Genro [foto])

Com a segunda prisão de José Dirceu é possível que o PT realmente tenha chegado ao fim de um ciclo, um ciclo que se fecha como desastroso política e economicamente. Não há como negar, o petismo fracassou como proposta renovadora de melhorias sociais. Houve muita enganação perpetrada pelos arautos petistas de um país socialmente igualitário em que os pobres seriam inseridos no desfrute da riqueza do país. 

Sem dúvida, no início do governo petista, com Lula, a maioria do povo brasileiro sentiu mudanças que sinalizavam novos rumos para o Brasil e a confiança popular era patente, de que melhorias sociais aconteceriam. De fato, algo de positivo se verificou na camada mais pobre da sociedade: grande parte teve seu quinhão de benesses com a política ‘socialista’ petista.

Mas era notório que o PT não asseguraria uma continuação distributiva duradoura com tanta tramoia e camuflagem políticas que agora estão sendo desnudadas: seu projeto ‘socialista’ era um projeto de poder e não propriamente um projeto para erradicar a pobreza deste país.

Para seu projeto de poder, o PT precisava de dinheiro. E onde buscar o dinheiro? É claro, o caminho mais fácil era assaltar as estatais. Pessoas chaves eram nomeadas para os altos cargos das estatais para facilitar o assalto, e assim a roubalheira e a corrupção correram soltas. Bilhões de reais caindo na conta do PT e aliados para financiar suas campanhas políticas. ‘Nunca antes na História desse país’ houve um governo tão audacioso como o do PT em formalizar a prática sistemática da corrupção para se sustentar no poder.

E agora a casa caiu, o ciclo se encerrou. Quanta frustração provocada ao povo brasileiro! Toda a sociedade desesperada pela grave crise política e econômica gerada com tantos desmandos de um governo falso provocando estagnação econômica, quebrando empresas e enfraquecendo outras; o desemprego às soltas castigando justamente a camada mais pobre que nutria esperanças de dias melhores.

O petista Tarso Genro tem razão: “O PT chegou ao fim de um ciclo”. Que nunca mais comece outro com a sigla PT...
Título e Texto: Valdemar Habitzreuter, 4-8-2015



Relacionados:

4 comentários:

  1. Oi Habitz, belo texto como sempre, profundo e literato como você.
    Mas desta vez vou pedir licença para não concordar com você quando diz que no princípio do governo petista, os pobres tiveram o seu quinhão de benesses. Discordo, sabendo que tiveram !
    Porém, essa figuras já eram sobejamente conhecidas tanto das páginas policiais, quanto dos sindicatos sujos em que atuavam em proveito próprio.
    Simplesmente no poder aproveitaram a tsunami do plano Real, e começaram a praticar assistencialismo descarado tirando dos que trabalham , para dar aos que não trabalham e vide as bolsas por exemplo. Foi assim um Peronismo caricato, em que os descamisados, usados pela sua "líder espiritual " Evita, os levava ao delírio. E deu no que deu.
    Nem nisso eles foram originais e são apenas um bando de marginais se aproveitando da miséria de um povo.
    Sei o que você quis dizer e também gostaria que tivesse sido.
    Mas não foi.
    José manuel

    ResponderExcluir
  2. Pitaco!
    Discordando dos dois e concordando com os dois.
    O assistencialismo só cumpre sua meta quando o projeto assistencial se destina a retirar o assistencialismo dos beneficiários. A frase pode ter ambiguidades, mas essa deve ser a meta do assistencial, retirar a necessidade do beneficiário de recebê-lo.
    Tenho uma frase de minha autoria.
    Não importa o modelo político de governo quando este é honesto.
    Infelizmente a filosofia comprova que respeito só é adquirido através do medo.
    Não falo de respeito intelectual e científico, falo do respeito ético e moral.
    Comunistas e socialistas são filosofias criminosas.
    Eu ajudaria as classes mais necessitadas dando-lhes empregos, tais como o serviço militar obrigatório, empreitadas de infra estruturas nos municípios carentes, a volta do projeto Rondon, levando os recém formados gratuitamente em faculdades públicas aos recantos mais necessitados Brasil.
    Nossos alunos não estudam porque sabem que não repetem anos.
    Nossa economia é primária, a secundária está nas mãos das multinacionais, e a terciária nos importamos nas áreas de tecnologias.
    Reformas políticas e econômicas levam no mínimo 8 anos de adaptação.
    Vejam o Plano Real, quem colheu os louros foi a mula retirante de Garanhum.
    A revolução francesa e a abertura brasileira de 1985 é comum.
    Ambas foram feitas pela burguesia corrupta.
    Acontece que na França Napoleão, liquidou a burguesia, e aqui um monstro retirante criou uma burguesia seleta em prosa e verso.
    Nunca houve uma declaração de direitos dos brasileiros, copiamos e não cumprimos.
    Com posso ter meu bem inviolável se não posso protegê-lo?
    Pior é quando esse bem é invadido, tenho que provar a minha propriedade, como se o estado não soubesse, mas se atraso meus impostos o estado sabe.
    Os pobres não tiveram benesses, em muitos casos alimentaram o consumo de álcool e tabaco, além da leniência e preguiça.
    Menor tem que ter o direito ao emprego.
    Fui, vou tomar meu omeprazol,

    ResponderExcluir
  3. Pois é, no final tudo não passa de uma sopa de letrinhas, porque nós três temos razão.
    Mas a constatação é só uma
    São todos uns vagabundos
    José Manuel

    ResponderExcluir
  4. Só posso dizer aos dois que seus ótimos comentários complementam o assunto acima exposto. No fundo há uma concordância básica: o socialismo petista é uma distorção da verdadeira política em questões sociais. Sua política assistencialista tem como objetivo a permanência no poder e agora assistimos que tanto a pobreza está aumentando como o poder ao qual o PT se agarra com unhas e dentes (leia-se: através da corrupção) está lhe fugindo. Não há mais como suportar um (des)governo desses. Os próprios assistidos já começam a perceber isso, iludiram-se com este neo-socialismo sem pé nem cabeça...
    Valdemar

    ResponderExcluir

Não publicamos comentários de anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-