sábado, 16 de maio de 2020

Um vírus português

O português médio padece da exata irresponsabilidade das “elites” (desculpem) que o pastoreiam. O português médio não se recomenda, donde os portugueses que nele mandam serem tão pouco recomendáveis.

Alberto Gonçalves

O BE [Bloco de Esquerda] esquece-se de ter votado o orçamento que financiava o Novo Banco e questiona o primeiro-ministro. O primeiro-ministro finge que não sabe do financiamento ao Novo Banco, mente ao parlamento e entala o ministro das Finanças. O ministro das Finanças estrebucha e com escassa subtileza chama mentiroso ao primeiro-ministro. O primeiro-ministro conspira um acordo e apoia a recandidatura do Presidente da República. O Presidente da República, por troca direta, exalta o primeiro-ministro e enxovalha o ministro das Finanças. O ministro das Finanças recebe um pedido de desculpas telefónico do Presidente da República. O líder da oposição (estou a brincar) obedece ao líder do governo e pede a demissão do ministro das Finanças. O ministro das Finanças, com o ar apalermado que Deus lhe deu, aceita tudo na condição de o projetarem para um posto inútil e bem remunerado. O povo aceita tudo sem condições e legitima em sondagens esta cáfila.

Não vou exceder-me nos comentários de semelhante indecência. O episódio do Novo Banco é apenas a enésima demonstração da falta de escrúpulos das “personalidades” em causa. Isto é gente sem vestígio de dignidade ou valor. Isto não é a sujidade intrínseca à política: é imundície pura, da que se encontra nas franjas baixas da humanidade. Isto aproxima-se do pior da humanidade, em matéria de descaramento e cinismo. E a verdadeira tragédia é não nos podermos queixar.

“Que fizeram os portugueses para merecer elites tão lastimáveis?” é uma pergunta que devia ser interdita – porque a resposta define uma natureza. E dói. Os portugueses limitam-se a existir, o resto vem por acréscimo: é, como se diz em língua de trapos, uma decorrência inevitável. Ao contrário dos portugueses, as elites não existem. Os Costas, os Centenos, os Marcelos, as Catarinas, os Rios e os Ferros que rebolam por aí, anafados e boçais, não seriam elitistas nem sequer no pátio de Alcatraz. São habilidosos com pouca habilidade e nenhuma virtude. São demagogos primários, capazes do que calha para safarem o próprio lombo. São, e eis a desgraça, iguaizinhos à maioria dos portugueses, dos quais se distinguem apenas pelos privilégios. E a maioria não lamenta os privilégios: inveja-os. O português médio não sente vergonha dos Costas, dos Centenos, dos Marcelos e tal. O português médio gostaria de ocupar o lugar deles. O português médio sonha “subir” até ao ponto em que pudesse viver despreocupadamente a explorar, a humilhar e a gozar os portugueses que ficariam para trás. O português médio padece da exata irresponsabilidade das “elites” (desculpem) que o pastoreiam. O português médio não é levado a sério na medida em que não se leva a sério. O português médio não se recomenda, donde os portugueses que nele mandam serem tão pouco recomendáveis.

Se necessário fosse, e não era, a história da Covid exibiu a essência deste povo. Há qualquer coisa doentia em criaturas paralisadas pelo medo e pela propaganda. E que desejam impedir os outros de sair e trabalhar, exceto se os outros lhes asseguram a disponibilidade de supermercados, restaurantes, farmácias etc. E que aspiram a permanecer enclausurados, na ilusão de que o emprego e o salário dependem de arranjo divino e não da reles economia. E que acatam sem uma dúvida as “recomendações” e os açaimos dessa trupe circense intitulada DGS. Há qualquer coisa doentia nessas criaturas, por acaso minhas conterrâneas. A infantilidade é o vírus português.

Em países civilizados, há protestos na rua contra a continuação da quarentena ou contra as regras posteriores a uma quarentena que já se percebeu excessiva e desastrosa. Na selva lusitana, boa parte dos nativos protesta na sala de estar contra o “desconfinamento” dito “prematuro”. Se os deixassem, e talvez deixem, ficariam por lá durante meses ou anos, a carregar no “pause” da Netflix para vir à janela condenar o vizinho que passeia, para cúmulo sem calções, cão ou máscara “social”. A máscara é “social”. O distanciamento (significa “distância”) é “social”. O isolamento é “social”. A novilíngua insiste no “social” para criar um simulacro de sociedade. O que temos aqui não é uma sociedade, mas uma rede de trapaças de que alguns beneficiam e a que quase todos querem pertencer. Uma multidão de zelotas em obediência cega a bandos de trapaceiros é uma farsa, não uma sociedade.

A farsa teria piada se não tivesse consequências. Tem. Aliás, já começaram e com uma violência proporcional à fragilidade das nações pelintras. As filas da fome são longas e crescerão bastante mais, infelizmente não à custa da população ativa hoje inativa por causa de um vírus a que é praticamente imune. Os que sofrem, e se candidatam à sopa dos pobres, não são os que ignoram o nexo entre a histeria e a submissão: são principalmente os que conhecem a relação entre a inércia e a penúria. Muitos desses não mereciam as “elites”, a cobiça das “elites”, as grotescas rábulas das “elites”, o “confinamento” infundado, a destruição dos negócios, o incremento das negociatas, as “etiquetas respiratórias” e humilhantes, a negação da austeridade, os anúncios da “retoma”, a “retoma” movida a “investimento” público, as mentiras, os roubos, a prepotência, o desprezo e a miséria. Os restantes, os que no sofá se abraçam à “hashtag” #fiquememcasa, merecem tudo. E aplaudem tudo.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 16-5-2020, 0h06

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-