sexta-feira, 23 de outubro de 2020

[Aparecido rasga o verbo] O morto no caixão

Aparecido Raimundo de Souza 

DE VEZ EM QUANDO A GENTE
precisa colocar em evidência a parte social da vida, ou seja, aquele eventual em que literalmente nos propomos a fazer um programa de índio, e por ser exatamente de índio, este nativo deverá literalmente surgir em cena paramentado, com tudo o que tem direito, como aldeia, arco, flecha, lança, tacape, a borduna, o chuço e etc, etc. 

Com este pensamento, bem cotidiano à flor da pele, fomos acompanhar o amigo Varíola Pegajoso que havia perdido um parente e os funerais do falecido se daria logo cedo, numa bela manhã de um sábado radiante e apetitosamente convidativo à um banho de mar. 

— Carretão — observou ele —, só vamos mesmo porque o cara era meu tio e acredito, minha tia ficaria deveras chateada se não me visse na hora do derradeiro adeus. 
— Fique tranquilo, Varíola. Os amigos são para os momentos bons e ruíns. Saiba, desde sempre, estamos junto nesta para o que der e vier. 
— Tenho certeza que apesar do convite meio que esquisito —, observou ele, a certa altura —, você irá gostar e quem sabe até se apaixonar ao ver uma prima minha, a Chiquinha do Catatau. Cara, um pedaço de mau caminho! 

Chegamos no ato fúnebre à hora exata em que o padre Bentão celebrava a missa de corpo presente. 

A capela estava lotada, com gente saindo pelo ladrão — ladrão não, esta expressão é, sem dúvida alguma, uma modalidade vulgar e chula de falar, claro. O certo, seria, como de fato soa melhor, ‘com gente saindo à francesa’. Pois bem! O povo dava uma escapulida básica usando uma porta discretamente estratégica que desembocava para uma lanchonete com as iguarias mais apetitosas para um cemitério tido como o eterno Jardim da Paz. 

Dona Canindé Formigão, esposa do ‘de cujus’, tia de Varíola Pegajoso, o rosto cerrado em transe, as vistas derramadas à bom chorar, mostrava em meio às lágrimas, um par de olhos vermelhos como dois tomates recém colhidos. Apesar da imoderada dor ingente que a consumia, eles não deixavam de revelar o fulgor da sua juventude. 

A triste senhora se fazia acompanhar de familiares próximos, entre os quais, Jericó, seu filho mais novo e, ao lado dele, um pedacinho engalanado de um aconchegante futuro promissor vestido numa saia azul celeste, com todos os tropeços que a vida ofereceria a quem tivesse a sorte e o prazer de cair nas graças daquela beldade. 

De fato, neste ponto, o Varíola Pegajoso não medira esforços para descrever a belíssima prima Chiquinha do Catatau. A exuberante fazia jus à fama que o meu amigo houvera feito de seu conjunto dos caracteres exteriores, figura extraordinariamente admirável e pecaminosamente infernal. Nos aproximamos a ponto de (à certa altura) nos juntarmos aos aparentados, quase a tropeçarmos nos regozijos que emanavam da bela Chiquinha Catatau. 

O sacerdote, tecia comentários elogiosos sobre o extinto e, exatamente naquele momento da nossa chegada, ele apregoava, à alta voz, o seguinte: 

— Estamos diante de um grande homem, dono de um coração magnífico, excelente pai de família, bom marido, católico incondicional, amigo de todas as horas, vizinho exemplar e colaborador assíduo da nossa humilde paróquia. A isto, acrescentaríamos um primoroso trabalhador ‘pau pra toda obra’ e sindioso cumpridor de seus deveres... 

Foi nesta sequência da esparramação dos elogios, que a viúva cutucou Jericó num cochicho vapt vupt. Toda a igreja, ainda que não quisesse, captou e fez escancarar as bocas cheias de dentes (e as banguelas também) irmanadas num Oh! retumbante e espantado, doido e único, ao tempo em a cônjuge varoa soltou o que parecia estar engasgado em sua garganta:
— Jericozinho, meu filho se aproxime ali do caixão de seu pai, discretamente... 

E completou, sem mais delongas: 
— Veja, estou pra lá de aperreada. Perceba, minha agonia. Confesso a você, com todo este rol de mesuras e rasgação de sedas que o padre Bentão está trazendo à baila... 
— Mas por que isto agora, mamãe? 
— Filho meu, com toda certeza, quero crer estamos todos aqui velando o defunto errado. 

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Vila Velha no Espírito Santo, 223-10-2020 

Colunas anteriores:
Quando a desculpa da muleta é o aleijado
Entre biscoitos e pirâmides
Enfim, uma notícia que interessa a todos os jornalistas
As Crianças da Minha Vida
Atitudes intempestivas

2 comentários:

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-