quarta-feira, 28 de outubro de 2020

Argentina não quer esquerda nem com pretexto do coronavírus

A paralisia econômica decorrente da pandemia aflige as empresas privadas argentinas. Uma delas foi a Vicentín, o quarto maior exportador agropecuário. A empresa pediu concordata, e o presidente filo-socialista Alberto Fernández a expropriou, reavivando assim a lembrança dos confiscos venezuelanos. 

Os argentinos sabem que depois de um ataque contra a propriedade privada de uma grande empresa seguem-se outros ataques a pequenas e médias propriedades, aos comércios e patrimônios familiares ou pessoais. 

Diante dos protestos populares em 70 cidades, o presidente fez repetidos pedidos de perdão: “Não sou um doido solto. Pensei que iam sair para festejar. Errei. Começaram a me acusar de coisas horríveis. Dizem que sou um chavista, e que só quero expropriar”. 

Cresce cada vez mais a impressão de que a pandemia está sendo manipulada com objetivos ideológicos de esquerda.

 

Título, Imagem e Texto: ABIM, 28-10-2020

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-