sexta-feira, 30 de outubro de 2020

[Aparecido rasga o verbo] Pedágios

Aparecido Raimundo de Souza 

MINHA MÃE (QUE DEUS A TENHA), dizia sempre: “Filho, não deixe de colocar seus joelhos no chão e rezar pedindo proteção ao seu Anjo da Guarda. Não se esqueça, jamais, de agradecer por estar vivo, por ter a chance contínua e durável de acordar todas as manhãs e enxergar o mundo que Deus preparou para você. Clame por segurança, brade em alto e bom som agradecendo, ponha as mãos para cima e ore. Dê graças. Suplique ao Criador para que novos caminhos apareçam trazendo horizontes benfazejos, e portas se abram à sua frente, com perspectivas infindáveis de sucessos e brilhanturas”.

Eu seguia seus conselhos à risca. Rezava antes de sair do meu quarto, orava compenetrado, implorando ao céu que me desse um dia venturoso e afortunado, um dia de realizações flóreas e plenas, e que ao sair depois do breakfast, voltasse inteiro e ileso, sem um arranhão no final da tarde e pudesse pegar no colo meus filhos, um por um, e beijar, e abraçar a minha mulher e a minha mãe, que ficavam acenando da janela da sala. 

A nossa casa, apesar de se posicionar numa rua sem saída, morria, por conta disso, em nosso portão. A alvenaria do tempo do ronca, não tinha os privilégios dos ricos, nem ostentava as riquezas soberbas das outras construções próximas. A sua estrutura se fazia de edificação modesta e simples. 

Havia um alpendre enorme que circundava todo o seu entorno e lembro que as paredes dessa varanda envelheciam a cada dia, desprovidas de reparos, sem reboco, os tijolos expostos às intempéries e aos bochornos duros do tempo inexorável. A cobertura também se sustentava nas asas do precário. Existia um monte de telhas quebradas carecentes de serem trocadas. 

Quando chovia, ainda que por pouco tempo, precisávamos correr contra os relâmpagos e as trovoadas. Tamponar ligeiro os móveis, e eletrodomésticos, vedando com plásticos enormes para que não fossem atingidos pelos pingos que pareciam brotar de todos os lugares como minúsculos olhinhos de nascentes, gotejando das cantoneiras e dos caibros velhos e cheios de teias de aranha. 

As minhas implorações, acreditem, por incrível que pareçam, davam certo. Na verdade, confesso, deu no ponto exato por todos esses anos. Graças a minha Fé no Anjo da guarda e, claro, atento aos ensinamentos sábios de mamãe, grudado em suas leis e preceitos internos advindos de uma alma boa e sem máculas, consegui atravessar por esse mundo de loucos e birutas e chegar íntegro e perfeito até onde estou agora. Uma glória digna de ser contada e comemorada. 

Do alto da fortaleza que me sustenta, ao olhar longamente para trás, consigo contemplar, vitorioso, mais de meio século de existência. E faço consciente do dever cumprido, sem ter deixado mágoas e dissabores pelas mais diversas sendas que cruzei. Está certo que nem tudo se fez um mar de flores. Paguei taxas e contribuições caras às autarquias e concessionárias por pecados cometidos ao longo dessas décadas. Urrei pelas transgressões que, de certa forma, chegaram a pesar nos meus costados, açoitando, como fardos enormes em lombos de burros envelhecidos. 

Muitos desses deslizes, pasmem, eu confesso, cometi por vontade própria! Outros tantos, por pura bobeira ou ignorância e desconhecimentos da vida. Os aprendizados do cotidiano, nós todos, só conseguimos com o decorrer do tempo que nos é concedido. O mundo é a melhor escola para nos tornarmos melhores e mais humanos. O fato é que, apesar dos pesares e equívocos, aceitei a tudo numa boa. Não tenho, pois, do que reclamar. 

Meu trilhar sempre se mostrou pontilhado por trancos e barrancos, altos e baixos. Atravessei anos ruins e desastrosos, cruzei noites claras e escuras, me vi frenteado às esquinas mais diversas, com fantasmas iracundos assustando meus medos e covardias, desbrios e horrores, sem me darem trégua e um minuto, sequer de paz. 

Foi, entretanto (tirando fora as absurdidades e alogias), um tempo bom. Um tempo excelente, sem dores maiores, sem machucados que se negassem a cicatrizar. Todas as minhas feridas restaram curadas, saradas, sem deixarem indícios ou abalos morais. Por sorte do Pai Maior, colhi igualmente tempos de calmarias e bonanças, sem doenças letais ou irremediáveis. 

Hoje, fazendo uma introspecção de todo meu tempo percorrido, percebo que essas primaveras vividas, dia após dia, em nenhum momento se mostraram cruéis e desumanas, celeradas ou bárbaras demais. Apagar um amontoado de velinhas não é coisa para qualquer um. Se tornou um dote, para mim, particularmente, um apanágio, uma regalia, um dom. 

Quero crer, e creio e acredito piamente, somente chegam a este número de janeiros acumulados, pessoas com a patente carimbada no DNA, com as peculariedades dos que nasceram privilegiados, criaturas que, de alguma forma, se tornaram escolhidas a dedo, pelo Criador. 

Eu estou feliz, realizado, satisfeito, jubiloso e exultante. Todavia, quieto no meu cantinho. Contente com meu destino, em festividade constante com a minha vida, mais ainda com o meu passado. Enfim, com a minha sorte, com a minha auriflama empunhada, com meu estandarte às vistas de todos, porque na verdade, na verdade, eu fui, de fato, eu fui não —, eu sou —, por tudo o que passei, eu sou um escolhido e, como tal, me sinto, de certa forma, um álacre literalmente ILUMINADO. Reparem todos: aqui estou, firme e forte, forte e firme, a viver e gozar os meus trebelhos. 

Título e Texto: Aparecido Raimundo de Souza, de Sertãozinho, Ribeirão Preto, São Paulo, 30-11-2020 


Colunas anteriores:

Antonella, treze anos depois
Imprevisto inesperado
E a lavagem cerebral está de volta e a todo vapor
O morto no caixão
Quando a desculpa da muleta é o aleijado

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-