sexta-feira, 3 de junho de 2016

Dilma diz: “Reinaldo Azevedo está certo; nós, do PT, estamos manipulando o caso do estupro”

Em discurso no Rio, presidente afastada demonstra por que devemos pensar sempre o pior de um esquerdista

Reinaldo Azevedo

Dilma Rousseff chegou ao fundo do poço. E é engano achar que ela não pode descer um pouco mais. Sempre pode. Quando os deuses querem destruir alguém, começam por lhe roubar o juízo. E Dilma perdeu o seu faz muito tempo. Já escrevi alguns textos sobre a exploração mixuruca que as esquerdas vêm fazendo do possível estupro coletivo no Rio. Desde o começo, estava claro para mim que a garota que diz ter sido estuprada por 33 homens havia se tornado mero pretexto. Minha coluna na Folha desta sexta trata disso.

Pense sempre o pior de um esquerdista. Ele jamais vai decepcioná-lo. Na noite desta quinta, Dilma resolveu visitar no Rio o governador Luiz Fernando Pezão, que está tratando de um câncer. Viajou com o nosso dinheiro: avião, segurança, hospedagem etc. Seu trabalho, hoje, é torrar grana pública.

Participou depois de um ato promovido por feministas. E voltou à sua ladainha asquerosa. Afirmou que o governo Temer é formado por “homens velhos, ricos e brancos” que não representam “a diversidade do nosso país.”  E emendou: “Não é um capricho ser representado no primeiro escalão. É crucial para impedir retrocessos”.

Vimos o quanto a dita diversidade do governo Dilma foi útil para o país: 11 milhões de desempregados, depressão econômica, R$ 170,5 bilhões de déficit fiscal, inflação de dois dígitos, juros nos cornos da Lua. Dilma, de fato, sabe como cuidar de nós.

A petista nunca foi muito inteligente, vamos admitir. Não consegue decorar um período composto de uma oração principal e duas subordinadas. As esquerdas vinham, sorrateiramente, explorando o caso do possível estupro do Rio para emplacar uma outra agenda. Cumpria fazer a coisa escondidinho, já que a imprensa está colaborando enormemente. Não era para escancarar o jogo.

Mas ela não chega a ser exatamente um Schopenhauer de cabelos curtos e ideias longas. Mandou ver:

“Esse governo é uma fonte de maus exemplos. Nós, mulheres, temos que nos sentir menos seguras, menos garantidas quando o governo não é capaz de ter em seu primeiro escalão uma representação da maioria da população. Não digo só as mulheres, mas também os negros da população. A cultura do estupro e a cultura da exclusão social devem ser combatidas por todos os movimentos e também pelos governos”.

Pronto! Eis Dilma Rousseff pegando carona no sofrimento alheio, que é o que o PT sempre fez, vamos convir, e utilizando o que pode ser uma tragédia pessoal em proveito de sua política mesquinha.

É o fim da picada. Para todos os efeitos, ela ainda é presidente da República, mesmo afastada. Tem de ter compostura. Mas não tem nenhuma. Atacou também Fátima Pelaes, que pode ser nomeada secretária das Mulheres por Michel Temer.

Atenção! Em 2010 — há seis anos! —, Pelaes se disse pessoalmente contrária ao aborto mesmo em caso de estupro. Revelou que ela própria foi concebida num ato de força, quando sua mãe era presidiária.

Nesta quinta, Dilma fez de conta que o pronunciamento de Pelaes havia sido feito já depois do dito estupro coletivo do Rio e disparou: “É uma conquista ainda pequena das mulheres. Um agente público, principalmente uma mulher, não pode achar que convicções pessoais podem se sobrepor à lei. É grave que ela diga isso justamente quando aconteceu um estupro coletivo”.

Dilma não é só imprudente. É também irresponsável. O que aconteceu no Rio é muito grave. Ainda que não tenha se tratado de um estupro coletivo, a divulgação do vídeo já é uma coisa asquerosa. É para provocar a indignação de todos, sim.

Mas senti, desde o começo, o cheiro inequívoco do oportunismo. Estava claro que petistas e outros esquerdistas estavam usando a questão para vender seus peixes ideológicos podres.
A prova está aí.
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, VEJA, 3-6-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-