sábado, 15 de outubro de 2016

Angola, Lula e Sócrates: o paraíso da corrupção

Rui Verde


À medida que avançam as investigações sobre o ex-presidente do Brasil Lula da Silva, no âmbito da Operação Lava-Jato, e sobre o ex-primeiro-ministro português José Sócrates no âmbito da Operação Marquês, destaca-se um elemento comum: boa parte dos actos de corrupção tem origem em Angola ou está ligado a este país, seja sob a forma de subornos, de transferências monetárias, de contratação de obras públicas ou de financiamentos bancários. Angola tornou-se o habitat natural dos corruptos e corruptores do mundo lusófono.

Recentemente, o Ministério Público Federal brasileiro denunciou o ex-presidente Lula da Silva e o empresário brasileiro Marcelo Odebrecht pelos crimes de corrupção activa e passiva, lavagem de dinheiro, tráfico de influências e organização criminosa. A procuradoria-federal indicia Lula por práticas criminosas que terão ocorrido entre, pelo menos, 2008 e 2015 e que incluem a sua actuação junto do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES) para financiar empreitadas da Odebrecht em Angola. Como contrapartida, Lula e os seus associados teriam recebido o equivalente e 12 milhões de dólares. Ao serem analisados os dez países a quem o BNDES emprestou dinheiro, verifica-se que, no período a que a investigação corresponde, Angola foi aquele com que o banco celebrou mais contratos, que recebeu o maior volume de dinheiro e que beneficiou das taxas de juro mais favoráveis.

Nas actividades ilegais surge um sobrinho (por afinidade) de Lula, de seu nome Taiguara Rodrigues dos Santos, que se terá estabelecido em Angola em 2007 para aí acompanhar os negócios do tio. Este sobrinho terá usado duas empresas para fazer circular o dinheiro: a Exergia Brasil e a Exergia Portugal.

Em Portugal, o Grupo Lena, suspeito de ter canalizado dinheiros para José Sócrates, terá pago comissões relativas a obras em Angola, no valor de 16 milhões de euros, à empresa do sobrinho de Lula da Silva, bem como ao amigo de infância de José Sócrates, Carlos Santos Silva, que foi preso preventivamente ao mesmo tempo que Sócrates, em Novembro de 2015.

Taiguara Rodrigues dos Santos e a sua empresa Exergia fazem a ponte completa entre Brasil, Portugal e Angola, em parceria com o amigo de infância de Sócrates.

Um caso concreto já sob investigação pelas autoridades é o da reabilitação da estrada entre Lucusse e Lumbala N’Guimbo, no Moxico, a segunda maior obra contratada pelo Grupo Lena, com um valor adjudicado de 230 milhões de euros.

Neste negócio, aparentemente, os intermediários brasileiros capitaneados por Lula terão lucrado 12 milhões de dólares, enquanto os intermediários portugueses capitaneados por Sócrates terão recebido quatro milhões de dólares

Resta agora saber quem terão sido as contrapartes em Angola e que quantias terão recebido.

O mais interessante de toda esta história é perceber que existiu uma óbvia triangulação de interesses corruptos entre Lula, Sócrates e Angola, a qual está finalmente a vir ao de cima. Trata-se de uma verdadeira organização criminosa internacional, em que dois elementos — o sobrinho de Lula, Taiguara Rodrigues dos Santos, e o amigo de infância de Sócrates, Carlos Santos Silva — funcionavam como testas-de-ferro. Naturalmente, a este triângulo falta adicionar os responsáveis angolanos. Um dia, quando as devidas investigações se realizarem em Angola, eles serão descobertos, responsabilizados e, espera-se, julgados em tribunal.
Título, Imagem e Texto: Rui Verde, Maka Angola, 14-10-2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-