sábado, 31 de maio de 2014

O líder

José Manuel

Usando como fonte de trabalho a Wikipédia, acessível a todos, encontramos um parágrafo que traduz tudo o que a palavra Líder significa em toda a sua grande gama de entendimento, a saber:

A condução de um grupo de pessoas, transformando-o numa equipe que gera resultados é chamada de liderança. É a habilidade de motivar e influenciar os liderados, de forma ética e positiva, para que contribuam voluntariamente e com entusiasmo para alcançarem os objetivos da equipe e da organização.
Nós, do AERUS, precisamos urgentemente de líderes em nossas comissões de frente, sendo que nós próprios somos essas comissões.
Precisamos que todos coloquem para fora o líder que existe em cada um de nós, para que geremos resultados, ou melhor, aqueles resultados que todos querem o mais rápido possível, porque ninguém em sã consciência aguenta mais que, tanto o Executivo como o Judiciário nos mantenha reféns do destino que nos impuseram.

É necessário que entendamos, de uma vez por todas, que não temos, nem tampouco queremos ter, um líder, pois ao fazê-lo estaríamos deliberadamente colocando nas suas mãos, a chave da nossa existência.
Temos que ter o discernimento de entender que essa chave nos pertence e somente nós a podemos usar como bem nos aprouver.

O voluntariado e o entusiasmo deverão sempre ser intrínseco ao nosso Ser, para que saibamos como e quando os usar para atingir o que nos propusermos a fazer. Mas, para isso, é necessário que uma reflexão seja feita sobre o modo como estamos conduzindo a nossa vida, as nossas atitudes e chegar a um denominador comum sobre o que queremos e quantificar a vontade para o executarmos.

Temos que ter em mente o quanto podemos ser líderes das nossas atitudes, bastando para isso que exercitemos a nossa vontade.

Cada vez que por razões várias elegemos um líder, ou estamos transferindo atitudes e não arcando com as responsabilidades inerentes ao ato, a possibilidade de êxito passa a ser infinitamente pequena, ou deixamos de exercitar a nossa cidadania, a nossa soberania como seres independentes conscientes das nossas forças, portanto também vulneráveis a possíveis fracassos.
Após OITO longos anos, depois de ter passado por tantos dissabores, de termos conhecido todas as facetas de um Governo e um Judiciário extremamente irresponsáveis para com seus cidadãos, a nossa postura e a nossa vontade têm que ser, acima de tudo, pró-ativa, participando de movimentos que primem pelo resgate urgente de nossos destinos.

Essa vontade deve ser exercitada diariamente, colocando para fora a liderança nata que existe em cada um de nós, para que os resultados dessa experiência ímpar se manifestem.
O momento é extremamente delicado e não necessitamos de líderes.

Precisamos de vontade para fazer aquilo que nos tirará do limbo, que nos devolva a dignidade, que nos conduza aos trilhos do nosso destino novamente. E não é um líder que vai nos trazer tudo isto de volta.
Somos nós e a nossa vontade de vencer.
Título e Texto: José Manuel, ex-tripulante Varig, 31-05-2014

2 comentários:

  1. Disse tudo, José Manuel. Lider é aquele que coloca para fora a força que se encontra em cada um de nós para melhorar o mundo em nosso redor. Todos podemos deixar transbordar essas forças. E o líder maior é aquele que reconhece isto e faz com que os outros também o reconheçam. Parabéns pelo texto!
    Valdemar Habitzreuter

    ResponderExcluir
  2. José Manoel, tens belas ideias, e gostaria de abastecer o tanque.
    Muitos líderes são escolhidos por aparências, ou abnegação às tarefas.
    Nós somos latinos, e por tradições herdamos muito da antiga Roma, onde os líderes eram escolhidos pelo critério "Primus Inter Pares." Traduzindo o primeiro entre os iguais, ou o melhor entre os iguais.
    Isso e dar tiros nos pés. Perde-se o melhor trabalhador e ganha-se um péssimo líder.
    Bem, isso não quer dizer que um péssimo trabalhador, como o retirante nordestino de Garanhuns, venha a ser um grande líder, isso já está mais do que provado.
    O melhor trabalhador é o grande portador das eficiências técnicas, ele é fator necessário ao novo líder, o líder deve se destacar na gestão e e relações, eis seu cabedal de competências.
    A Varig foi perfeita no relacionamento "primus inter pares", nepotismo, amizade em escolhas de seus líderes.
    Eu sou ateu, mas vamos a um exemplo religioso.
    Quando escolhe-se jesus como líder, não acho nada de errado, o problema é quem disse que os pastores e bispos, ou papas são os escolhidos de Jesus. Novamente a velha tradição romana de "primus inter pares".
    Vejamos a história de Zumbi dos palmares, líder que escravizava os negros que fossem diferentes de sua etnia.
    Agora uma história nunca contada, Toussaint louverture (1743 – 1803) líder da insurreição dos escravos de Santo Domingo. onde 30000 plantadores mantinham 50000 negros livres para escravizar cerca de outros 500000.
    Ele morreu numa prisão francesa no império de Napoleão.
    Podes não concordar comigo, mas vejo em napoleão um grande exemplo de liderança.
    Vejam o que diz Napoleão após sua derrota no Haiti:
    -O assunto de Santo Domingo foi uma estupidez minha.
    Foi o maior erro que cometi em administração. Deveria ter tratado os chefes Negros como as autoridades de uma província e deixado, como Vice-Rei, Toussaint Louverture”.
    O grande líder admite seus erros.
    Os grandes líderes não são aqueles que possuem halos, são os que sabem administras os que possuem os halos.
    Em uma união em prol de determinado grupo, todos têm que ter aptidões de serem líderes, desde que saibam serem liderados e escolher entre eles.
    Nós do AERUS estamos pagando o preço da escolha de maus líderes, desde muito anos atrás.
    E hoje pelas escolhas de um povo ignorante e subserviente.
    Bom dia,

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-