terça-feira, 4 de setembro de 2018

[O cão tabagista conversou com...] Paulo Jorge: “Espero que agora com esta nova eleição que se avizinha, o povo tenha mais noção na escolha dos seus representantes.”

Nome completo: Paulo Jorge Kaercher

Nome de Guerra: Paulo Jorge, Varig 49.447-2

Onde e quando nasceu?
Santa Cruz do Sul/RS, em 15 de agosto de 1957, no Hospital Santa Cruz.

Onde estudou?
No Colégio Marista São Luiz,  do primeiro ano do primário (cinco anos) e ginásio (quatro anos), totalizando nove anos no mesmo colégio.

O 2º Grau no Colégio Estadual Ernesto Alves de Oliveira.

Cursei quatro semestres na Faculdade de Ciências Contábeis na Apesc (Associação Pró Ensino de Santa Cruz), hoje UNISC ( Universidade de Santa Cruz).

Cursei também um ano de curso na EFOMM (Escola de Formação de Oficiais da Marinha Mercante) no Rio de Janeiro, em 1978.

Queria entrar na Marinha?
Após prestar o serviço militar no Exército Brasileiro em Santa Cruz do Sul - RS, fui para Porto Alegre para fazer curso pré-vestibular e trabalhei no Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul).

Mas, como ficar dentro de quatro paredes não era o meu objetivo, surgiu a oportunidade da Marinha Mercante, pois já tinha um amigo fazendo o curso no Rio de Janeiro. Fiz uma espécie de vestibular na Capitania dos Portos em POA, e aprovado, fui para o Rio de Janeiro.

Após um ano de curso na EFFOMM no Rio de Janeiro, sendo que meio ano na escola estudando, e no segundo semestre navegando [fomos para os Estados Unidos (Houston), com escalas no nordeste brasileiro, Ilhas Virgens] tanto na ida como na volta em navio da Petrobras, viagem esta que durou quatro meses. Mas como não havia me adaptado e gostado pedi desligamento.

Curiosidade: na verdade eu pedi para o Comandante do navio Quitaúna para ser desembarcado em Salvador, porque na realidade, como alunos, seríamos desembarcados em Belém, pois o navio iria novamente para os Estados Unidos. É que já estava chegando o final do ano e deveríamos voltar para a Escola e entrarmos em férias (dezembro 1979). Chegando no Rio, solicitei o meu desligamento e voltei para a minha cidade natal.

Quando começou a trabalhar?
Após retornar do Rio de Janeiro trabalhei em um Escritório de Contabilidade no turno da manhã, e à tarde como radialista e locutor na Rádio Gazeta AM, em Santa Cruz do Sul - RS. Rádio esta que ajudei a inaugurar como funcionário, e está até hoje em operação com trinta e oitos anos no ar. À noite fazia a Faculdade de Ciências Contábeis.

Até que surgiu a Varig, certo?
Sim. Depois de ter tido a experiência de conhecer outros lugares e culturas, ficou aquela vontade de viajar novamente. Qual seria o meio mais rápido?? Avião... Daí surgiu a VARIG.

Surgiu onde e como?
Estava eu em um sábado pela manhã caminhando pelo centro da cidade em Santa Cruz, quando encontro com o, na época comissário, Pedro Back, pois já o conhecia há tempos, e fazia tempo que não o via. Perguntei para ele onde estava, e respondeu que estava voando como comissário de bordo na VARIG em São Paulo. Na hora me interessei, e ele me passou o telefone e endereço da empresa em Porto Alegre. Na segunda-feira mesmo liguei para VARIG, e me avisaram que estavam fazendo uma seleção para admitir comissários. Entre este telefonema e entre provas, testes e exames médicos se passaram quatro meses. Realmente foi muito rápido. Era para ser.

Então ingressou na Varig quando?
Ingressei no dia 29 de julho de 1980, em Porto Alegre. Inclusive, a nossa turma (49.000) foi a única a fazer o curso de comissários e se formar em Porto Alegre.


Não entendi... quer dizer, só UMA turma se formou em Porto Alegre, durante toda a história?
Talvez no início da empresa não. Mas depois, o que se vê e que tenho conhecimento, são turmas formadas em São Paulo e no Rio de Janeiro.
Seria até uma questão de fazer uma pesquisa a respeito.

Qual foi a sua primeira base, Rio ou São Paulo?
A minha primeira base foi São Paulo.


Lembra-se do seu primeiro voo?
Meu primeiro voo foi na Ponte Aérea Rio-São Paulo no saudoso Electra. Fiquei quatro meses fixo nesta rota.

Até que foi promovido...
Após três anos voando como Auxiliar, fui promovido a Chefe de Equipe nos voos nacionais, nos quais fiquei voando num total de sete anos.

Fui durante um período de dois anos Instrutor para colegas recém-formados nos equipamentos Electra, B-737 e B-727.

Em 1987 fui promovido para os voos internacionais, sendo que o primeiro deles foi para Nova Iorque.

Qual era o equipamento?
Para mim o melhor de todos, B-747.


Quais foram os seus pernoites preferidos?
Eram tantas cidades maravilhosas que íamos, com tanta diversidade de opções de passeio, de comidas, de culturas distintas, mas sempre admirei Paris, Zurique, Mainz, Roma e uma, em especial, que se chama Los Angeles. Talvez devido aos baseamentos que fazíamos para seguir depois para o Japão.

Como passava o tempo nos pernoites?
Ao chegar aos hotéis primeiro descansava, para depois ir para a rua.

Geralmente ia às compras, pois cada lugar tinha as suas peculiaridades e seus produtos originais.

Muitas vezes, se o pernoite era com dias inativos, fazia passeios e íamos descobrindo os pontos turísticos e mais famosos desses lugares.

Gostava muito de ir aos supermercados também, e trazia produtos típicos da localidade. À noite, geralmente saíamos para jantar com os colegas do voo.


Fazia muita muamba?
Talvez este não seria o termo correto....kkkk, mas sempre que possível trazia algum produto que pudesse agregar na renda no final do mês.

Estava na empresa quando ela feneceu?
Sim, estava em casa quando, infelizmente, recebi o famigerado telegrama, no dia 2 de agosto de 2006, informando o meu desligamento da empresa, como dizia o mesmo, apesar dos bons serviços prestados...


Como reagiu?
Realmente, isto foi um verdadeiro golpe. Com 49 anos recém feitos e com 26 anos dedicados à aviação, sendo que os aviões da VARIG eram literalmente os nossos escritórios, não foi fácil me tornar um cidadão "de terra".

Foram momentos de grande apreensão pessoal e familiar. Ficava aquela pergunta no ar: o que fazer agora?, para que lado correr?

Mas, com muita determinação e consciência de que não teria outro caminho a seguir, se não tentasse outra função, e assim conseguir o sustento de outra forma, fiz um curso de Corretor de Imóveis e trabalhei alguns anos no setor.

Depois fui convidado para trabalhar em uma agência de turismo, onde acompanhava grupos de clientes em shows e alguns cruzeiros dentro do Brasil.


E atualmente?
Atualmente após conseguir a minha aposentadoria especial, estou aposentado e administrando o meu próprio tempo.
Pratico esportes como padel com meus amigos, e faço minhas caminhadas.


É bom também não fazer nada.

Como decidi há dois meses esta parada, vamos ver se me adapto a este novo estilo de vida. Mas, por enquanto estou muito feliz.

Em que cidade está morando?
Moro em Santa Cruz do Sul - RS, minha cidade natal. Uma cidade bem cuidada, cercada por morros verdejantes. É uma cidade polo da região com Universidade e Hospitais de referência. Fica na região central do Estado do Rio Grande do Sul.


Quem sabe?, um dia visitá-la-ei!
Para mim será um prazer recebê-lo, e tenho certeza que irás gostar. Está feito o convite.

E o seu Estado, está tão bem cuidado quanto a sua cidade? 😉
Os governos se esforçam em deixar tudo em ordem e dar o mínimo necessário para a população.
Apesar desta crise moral, política e financeira dos governos em geral, tanto federal e estadual, creio que estejam se esforçando para dar o melhor deles.

Muita coisa tem que mudar em termo de valores, mas creio que o Estado também está sendo cuidado dentro do possível.

E o Brasil?
Este meu país maravilhoso e tão grande pela própria natureza e tão malcuidado.
O problema é que as pessoas que se adonam do poder não pensam no Brasil, mas somente no próprio umbigo. Espero que agora com esta nova eleição que se avizinha, o povo tenha mais noção na escolha dos seus representantes.

Falta muita coisa, e acho também que ainda vai demorar muito para este nosso país entrar nos eixos.  Mas hoje em dia as pessoas têm mais informação, e aos poucos vão se esclarecendo, e saberão escolher entre o certo e o errado, aquele que será bom para o país.

Um país com esta potencialidade toda não merece estar na situação em que se encontra.

Tem saudades da RG?
Sim, aquela saudade boa, dos lugares, das pessoas. A nossa profissão era muito boa, amava o que fazia.
A empresa também era muito boa, justa. Sabes que até hoje agradeço por ter vivido todas estas experiências. Uma fase muito bonita da minha vida, e creio que também de todos (as) que compartilharam estes momentos.

Narita, Japão, foto: arquivo pessoal

Já leu ou ouviu falar nos Encontrões que têm acontecido em Sintra, Portugal?
Sim, já li um post no Facebook. Mas não me inteirei totalmente, deve ser interessante reencontrar os nossos amigos e parceiros de outrora.
Quem sabe, um dia consiga me deslocar até Portugal, que é uma terra que sempre gostei de ir, e participar desse Encontro.

3º Encontro Europeu de ex-Trabalhadores da Varig, Familiares e Amigos, Sintra, Portugal, 19 de maio de 2018

Conhecia o cão que fuma?
Sim, Jim. Inclusive quando o vi pela primeira vez, me despertou a atenção o nome do blog. kkk
Bem descolado e informativo com suas opiniões, parabéns pela iniciativa.

O seu sobrenome é de origem...
Alemã.

A pergunta que não foi feita...
Faria tudo novamente? Com certeza, sim. Pois é neste mix de opções que a vida nos oferece que nós vamos formando o nosso estilo e o nosso caráter.

Uma derradeira mensagem...
Às vezes me pego pensando nas saudades que dá das pessoas que convivemos no nosso trabalho dos tempos da aviação. Tivemos a felicidade de conviver com centenas, milhares delas, e ficam aqueles momentos do bom convívio na lembrança. A nossa profissão foi e é maravilhosa, nos proporcionando experimentar as diferenças de todos os tipos (cores, raças, religiões, gastronomias e costumes), e tudo isto nos faz crescer como seres humanos. Desejo a todos os meus amigos e ex-colegas muita saúde, alegrias e felicidades, e que valeu tudo o que passamos juntos.

Muito obrigado, Paulo Jorge!

Relacionados:

8 comentários:

  1. Bela Entrevista, Parabéns aos dois, Jim e Paulo Jorge ! Paulo , deixo aqui um Abração Saudoso, de todos momentos que convivemos, nos pernoites nos voos e em nossa vida! Fico Feliz em saber que estas bem, Vc merece, mais uma vez um Abração. Heitor R. VOLKART .

    ResponderExcluir
  2. Realmente fomos privilegiados por trabalhar na Mãe VARIG! Quanta gente boa!

    ResponderExcluir
  3. Excelente entrevista com uma pessoa do Bem!
    Aproveito para alertar que a Previdência Social do Governo não está sem dinheiro por culpa da longevidade das pessoas, mas sim pela quantidade absurda de fraudes e roubos de vagabundos (não trabalhadores) que a esvaziaram.
    São incalculáveis e incontáveis as fraudes de quadrilhas de criminosos organizados que secaram o INSS, em uma das quais está descrita na matéria a seguir:
    "Apontada como integrante de uma organização que fraudava benefícios da Previdência Social desde 2013, uma falsa advogada foi presa pela Polícia Federal, na última terça-feira (4), em um apartamento de luxo em frente à praia, no bairro Boqueirão, em Praia Grande. A mulher teria ameaçado servidores que descobriram e denunciaram o esquema, cujo prejuízo supera R$ 30 milhões.

    Leia mais em: http://www.atribuna.com.br/noticias/noticias-detalhe/policia/falsa-advogada-e-presa-em-pg-apos-fraudar-inss-em-mais-de-r-30-milhoes/?cHash=2b42ca19ff1679091e91b1e77afea897"

    ResponderExcluir
  4. Olá, Jim Pereira
    Deixarei aqui minha sugestão para entrevista:
    Comissária Monica Fabiani é Gente boa, uma super profissional e amiga de todos. Também como nós uma verdadeira guerreira na vida pós-Varig. abç

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Basta a Comissária Monica Fabiani mandar um "oi" para o nosso e-mail.
      Obrigado.
      caoquefuma@gmail.com

      Excluir
  5. Aliás esta disposição se aplica a qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo, que queira conversar conosco. Será um grande prazer!
    Basta mandar um "oi".
    Obrigado.
    Abraços e beijos de carinho./-

    ResponderExcluir
  6. Adorei a entrevista do Paulo,um colega querido.

    ResponderExcluir
  7. Interessante, a entrevista com o Paulo Jorge . No meu subconsciente há uma vaga lembrança do rosto do entrevistado; podemos dizer " foi do meu tempo" , uma vez que ingressei na Pioneira 10 anos antes . Paulo fez uma brilhante carreira na aviação comercial, melhor ainda por ter sido na maior empresa aérea da América do sul!
    Destaco o ponto crucial na vida profissional daqueles que permaneceram ativos até o derradeiro ano de 2006. Ser desligado da empresa onde trabalhou por longos anos através de um gélido telegrama , é mais do que indigno ; é aviltante.
    Não obstante, o universo se encarrega de orquestrar tudo e encaixar a vida rumo a algo melhor e saudável. O Grande Criador Arquiteto do Universo jamais abandona alguém.
    Parabéns , Paulo Jorge ; uma grande abraço.

    Sidnei Oliveira
    Assistido AERUS - Rio de janeiro

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-