quarta-feira, 29 de agosto de 2018

[O cão tabagista conversou com...] Mario Pimenta: “É uma mistura de farsa eleitoreira, com ambição financeira de quem nada tem a receber da massa falida, porém, milhões do AERUS.”

Nome completo: Mario Alexandre Fernandes Pimenta

Nome de Guerra: Mário Pimenta
Onde e quando nasceu? Niterói, 1º de dezembro de 1960.

Onde estudou? 1° grau - Colégio Oswaldo Cruz.
                            2° grau - Instituto Gay Lussac.
                            UFRJ – Meteorologia.

Ainda mora na cidade que o viu nascer?
Sim, apesar de ter morado onze anos no sul, sendo que quatro anos em Florianópolis, e sete em Curitiba. Me separei em 2012, e voltei pra Niterói.

É Mario ou Mário?
Mario.

Quando começou a trabalhar?
Em 1985, no Banco Bamerindus.
Na aviação, em 1987, seguindo os passos do meu pai, que voou na Panair como Navegador de Voo, entre 1946/7, até o fechamento dela.

Ao estudar Meteorologia você queria seguir a carreira do seu pai?
Não necessariamente. Eu havia feito o Curso de Piloto, em Maricá, Estado do RJ, em 1980, mas não pude dar continuidade por motivos de força maior. Retornei a fazer em 2011, incentivado por uma notícia na politica interna na Gol, onde voei como comissário, que a mesma aceitaria copilotos, independente da idade. Mas assim como ela criou, ela cortou, me decepcionando bastante.

Como você viu o fechamento da Panair?
Eu era muito pequeno, porém, foi um acontecimento que virou a vida da família de pernas para o ar. Meu pai foi vender enciclopédias Barsa, na rua, batendo de porta em porta, para dar sustento à família, pois não conseguiu voltar ao mercado por conta da idade, que na época era considerada avançada (43 anos). Conseguiu se aposentar, recebendo o salário de Engenheiro de Voo. Na década de 1970/80, trabalhou na TASA, no Galeão.

Você ingressou na Varig em 1987, confere?
Sim, afirmativo.


Ficou até o fechamento? Como foi receber o telegrama? 
Pra mim, foi bem peculiar. Eu me senti como se uma terrível história estivesse se repetindo. Acontecendo comigo, e guardadas as devidas proporções, o mesmo que ocorreu com o meu pai, na Panair do Brasil. Perdi o chão.


O que, na sua avaliação, causou a derrocada da RG?
Má administração, fogueira de vaidades, roubalheira interna, enfim, a nossa Varig, se tornou um mini Brasil.

Depois foi trabalhar em outra empresa de aviação?
Sim. Fui pedir emprego na Varig, em recuperação judicial, a FLEX Linhas Aéreas, que na verdade era a Nordeste. Coincidentemente, eles estavam  ampliando as operações, através de voos da Gol (não faço idéia de como foram os trâmites desta operação), começando toda a logística necessária para começar a voar, no mais breve momento possível. Depois vieram mais duas tripulações para começar os treinamentos também.

Voei durante um ano, e quando houve a necessidade de redução de força de trabalho, e seguindo as normas sindicais, fui demitido, e mais uma vez, sem receber os direitos trabalhistas.

Fiz seleção na Gol, em 2009, e comecei a voar lá em fevereiro de 2010. Em 2014, entrei em licença, por motivos de saúde. Quando tive alta, fui demitido.

Como foi trabalhar na Gol? Semelhanças com a Varig?
Conhece a diferença da água pro vinho?


Qual a ‘água’ e qual o ‘vinho’?
Vinho = Varig
Água = Gol
Não é a minha intenção desmerecer a companhia, ou funcionários, pois ela melhorou muito, segundo colegas que ainda voam lá.

Você nos disse que foi demitido da Gol em 2014. Atualmente exerce alguma atividade?
Fui demitido em abril de 2018.
Em 2014, saí de licença.
Estou esperando um recurso, no qual não posso entrar em detalhes agora. Meu currículo está em várias vias.

Sente saudades da RG?
Muita. Até hoje, eu sonho que estou voando lá. Sei de vários colegas que estão em quadros depressivos até hoje. Vários suicídios, dependência de drogas, etc.

É mesmo?! A ‘empresa’ merece todos esses lamentáveis quadros?
Não. Atente para o que escrevi. Ela melhorou muito. É um assunto muito complexo. Existem pessoas naquela chefia, que são ex-Varig, que não são necessariamente uma unanimidade em se tratando de imparcialidade...

Ops! Mario, me referia à sua resposta à pergunta se sentia saudades da RG... “vários suicídios, dependência de drogas, etc.” 
Entendi agora. Na minha opinião, o amor à empresa era muito grande, pois apesar de raras exceções, o ambiente era muito bom. Tínhamos vários benefícios, fato que praticamente não existe noutras companhias.

Você disse anteriormente que não recebeu os direitos trabalhistas relativos às suas demissões da RG e da FLEX... ainda não recebeu?
Estou recebendo o que os rateios dos leilões dos bens da massa falida nos concedem.

Da Gol, recebeu?
Sim, mas parece que existem pendências sobre a regulamentação profissional.

Sobre a CPI instalada na ALERJ, sob a presidência do deputado Estadual, Paulo Ramos, você acha que vai ajudar a desamarrar essa pendência que se arrasta há anos?
De jeito nenhum!!!
É uma mistura de farsa eleitoreira, com ambição financeira de quem nada tem a receber da massa falida, porém, milhões do AERUS.


Milhões do Aerus, que milhões??
Existem credores que foram demitidos antes da Varig fechar. Receberam as suas indenizações, e não têm nada a receber da massa falida, mas têm quantias vultosas a receberem do AERUS. Então, não é do interesse destes credores, que o dinheiro que o governo deve, vá para esta massa falida primeiro, para depois seguir para àquela instituição.

Quer dizer, o valor que a União deve à extinta Varig, resultado da sentença – a da Defasagem Tarifária – do STF, deve ir, se e quando for, para a massa falida?
Não é o que diz a lei?

Mas o Instituto Aerus não é o maior credor da falida RG, pois aceitou como garantia da dívida da empresa o hipotético resultado favorável dessa ação da Defasagem Tarifária?
Quanto à tal garantia que a Varig deu, aquilo era noutra circunstância jurídica, que não tenho a competência para especificar. Quem poderia fazê-lo é o Comandante Alexandre Freyesleben, que é um profundo conhecedor deste caso.

Você tem esperança de vir a receber os seus direitos trabalhistas? 
Acho que não temos outra saída, não é?!

O que é complicado é não se deixar levar pelo "canto da sereia" de pessoas sem escrúpulos que se aproveitam do desespero e ansiedade dos colegas, que não conseguiram se colocar de volta ao mercado de trabalho, com falsas promessas, chegando ao cúmulo de cometer a leviandade de dizer que vão trazer a Varig de volta.

Como assim?, trazer a Varig de volta? Ressuscitar a companhia? 
Bizarro, não é mesmo? É o que o tal candidato a deputado Federal, Paulo Ramos, do PDT/RJ, apregoa, num vídeo, junto com o seu fantoche, ex-tripulante. É só pesquisar nas comunidades da Varig, no Facebook, menos naquela que eu sou o administrador, a Amigos da Varig.


Então, estamos mal de representantes, é isso?
Estamos mal, em se tratando de um CANDIDATO, no meio político, a representante, que não tem o menor preparo técnico para sê-lo. Mas, se o assunto for um candidato a representante dos Credores, junto à massa falida, a coisa muda de figura. Eu e uma boa parcela do grupo de credores, temos um nome muito bem preparado para nos representar, e não é nenhum candidato a cargo político nas próximas eleições.

Esse candidato ‘muito bem preparado’ tem a ‘paciência’ e ‘empatia’ necessárias para conversar e interagir com os seus ‘representados’?

É uma prerrogativa bastante interessante. Porque, realmente, tem que ter "sangue de barata" para filtrar ataques pessoais, ou aturar fogueiras de vaidade. Na minha opinião, o principal é o preparo técnico e intelectual, coisa que não faz parte do currículo do candidato político. "Empatia", não resolve muita coisa perante a lei, na minha opinião.

Well, já que falamos sobre ‘representantes’ faltou ouvir a sua opinião sobre a representação de Graziella Baggio...
Sinceramente, eu tinha um olhar bem cético em relação a Graziela. Hoje, o meu ponto de vista está mudando, e não tenho o menor problema em admitir. O tempo se encarregará de provar se estamos certos ou errados.

Na sua vida você tem mais acúmulos de acertos ou erros?
Quantas vezes, erramos tentando acertar... O que importa é saber lidar com as consequências, positivas ou negativas, dos nossos erros e acertos. "A semeadura é opcional, mas a colheita é obrigatória". Errei em algumas coisas na vida, tenho os meus arrependimentos, e seria muita hipocrisia dizer que convivo bem com isso.

Meu pai, minha mãe... Tantas coisas que eu poderia ter feito ou falado, para demonstrar o amor que tenho por eles, e simplesmente não posso, porque já se foram...

Minha filha, que mal vi crescer, porque eu morava noutro estado... Enfim, tenho que me resignar, e colher esta incômoda semeadura que fiz.


Como vai o Estado do Rio de Janeiro?
Vai de mal a pior. Tiroteios constantes, inversão de valores, saúde falida, etc.

E o Brasil?
Caminhando a passos largos para a mesma direção do Rio de Janeiro. Mas, apesar de tudo, ainda se consegue viver com alguma qualidade de vida, não precisando ter uma condição financeira mais privilegiada, na região sul do país, notadamente em algumas localidades de Santa Catarina.

Nosso país precisa de um choque de ordem, o mais rápido possível.

Justamente daqui a pouco mais de um mês haverá eleições gerais. Uma oportunidade de, através do voto, contribuir para a mudança...
Meu voto, digo abertamente: B O L S O N A R O.

Aqui no Brasil, a maioria do povo vota sem coerência. Um monte de gente fazendo campanha para o Bolsonaro, e votando para deputados e senadores de esquerda, para agradar "amiguinhos" do meio profissional.  


Se o candidato Bolsonaro lhe pedisse um conselho qual seria?
Continue valorizando a família acima de tudo e não deixe o poder lhe corromper.

A pergunta que não foi feita...
A extinção da Varig poderia ser evitada?
Na minha opinião, sim, se roubalheira interna, através de contratos obscuros e outras falcatruas fossem descobertos a  tempo.

Conhecia o cão que fuma?
Superficialmente.
Quero agradecer a oportunidade de expressar a minha opinião no que diz respeito ao caso Varig. Não tenho a menor intenção de causar mal-estar a quem quer que seja, porém, tenho a absoluta certeza que muitos colegas da Varig, corroboram com as minhas colocações.

Não almejo nada, além de receber os meus créditos trabalhistas, e a minha poupança do AERUS, no qual fui COAGIDO a entrar, porque se não o fizesse, não deixariam assinar o meu contrato de trabalho.
Muito obrigado.

Uma derradeira mensagem...
"Os aduladores são a pior espécie de inimigos."
 Tácito.

Muito obrigado, Mario!

Conversas anteriores:

27 comentários:

  1. Parabéns ao Cão que Fuma pela abordagem, e ao colega Mário Pimenta pelas respostas francas e diretas. Concordo com sua visão, apoio a DT na massa falida, apesar de ter maiores créditos no Aerus. O credor trabalhista deve ser soberano, não há o que discutir. Apoio também integralmente a formação do Comitê de Credores, e a representatividade do Cmte Alexandre Freyesleben.
    Gostaria inclusive de aproveitar a oportunidade e sugerir uma matéria com ele. Pode ser bastante esclarecedor para a audiência. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brilhante idéia, Ada.

      Excluir
    2. O Comte. Alexandre Freyesleben foi convidado a conversar conosco, não aceitou.

      Excluir
    3. Não aceitou porque "O Cão Que Fuma" é muito pra ele, brother! rss

      Excluir
    4. Jim, falei com o Alexandre e eis a resposta dele:

      "Na verdade não foi que não aceitei. Foi que não tive tempo mesmo! Fiquei de retornar e acabei não retornando.
      Mas se quiserem uma entrevista, só mandar as perguntas e garantir que sejam publicadas na íntegra. "

      Excluir
    5. Olá, Alda!
      Agradeço o seu interesse e participação.

      Excluir
  2. Me chamou a tenção especial a pergunta e resposta;"Mas o Instituto Aerus não é o maior credor da falida RG, pois aceitou como garantia da dívida da empresa o hipotético resultado favorável dessa ação da Defasagem Tarifária?
    Quanto à tal garantia que a Varig deu, aquilo era noutra circunstância jurídica, que não tenho a competência para especificar. Quem poderia fazê-lo é o Comandante Alexandre Freyesleben, que é um profundo conhecedor deste caso."

    Apenas gostaria de lembrar que a outra "circustância juridica" foi reconhecida pelo STF , no julgamento d tarifária STF, declarada como garantidora na tutela concedida na ação civil,tudo registrado nas sentenças,e foi fator preponderante para o acordão produzido , e mais , com total validade pois jamais contestada juridicamente !
    Qualquer outra interpretação que modifique a prioridade do Aerus é indevida e extemporânea!
    Paizote

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O sr.se esquece que quando é decretada a falência, todas as garantias caem e esse crédito vira crédito de garantia real, mas tem que obedecer a ordem de pagamento prevista na lei. A decisão do STF foi o reconhecimento da culpa da União nos prejuízos acusados a empresa aérea. Ler a EMENTA. A questão da garantia foi uma colocação de voto feita durante o julgamento. Não houve qq julgamento de que o dinheiro tinha que ir para o Aerus. Nem poderia, pois não foi o mérito da ação!

      Excluir
    2. Observe que após a postagem que fiz, e antes que vc se manifestasse eu registrei –
      Anônimo30 de agosto de 2018 02h18min, que e para bom entendedor bastaria!() a seguinte observação, direito substituindo prioridade!
      Não esqueci, apenas não citei... cito agora!
      E isto ocorre porque, nos termos dos artigos 41, II, e 83, II, da Lei 11.101/2005, o credor com garantia real é sujeito aos procedimentos de insolvência do devedor.
      Quem me lê, sabe que me manifesto –contrariado- desde sempre esta, a meu ver falha na lei!
      Acredito que o Aerus devia receber com prioridade –(apesar de que como assistido, não tenha nenhum beneficio adicional nisto!).
      E Por ter sido registrado este direito no relatório, mesmo não sendo no mérito, equivale a um reconhecimento, que teria influenciado a decisão.
      E não esquecendo que quando o Aerus foi aceito como
      parte na ação, o foi em virtude da representação dos seus associados, e o julgador entendeu que deviam ser representados na defesa de seus interesses.
      Assim constou no relatório;
      Não é juridicamente aceitável sujeitar-se determinado grupo de pessoas – funcionários, aposentados, pensionistas e a própria concessionários – às específicas condições com ônus insuportáveis e desigualados dos demais, decorrentes das políticas adotadas, sem contrapartida indenizatória objetiva, para minimizar os prejuízos sofridos, segundo determina a Constituição. Precedente: RE 422.941, Relator o Ministro Carlos Velloso, Segunda Turma, DJ 24.3.2006.

      Excluir

    3. Jim !
      Estranho .. não consigo postar reposta. enviarei via email para o editor da revista e contarteis com a gentileza deste para publicação. Grato!

      Excluir
    4. Sr anônimo ;
      Observe que após a postagem que fiz, e antes que vc se manifestasse eu registrei –
      Anônimo30 de agosto de 2018 02h18min, que e para bom entendedor bastaria!() a seguinte observação, direito substituindo prioridade!
      Não esqueci, apenas não citei... cito agora!
      E isto ocorre porque, nos termos dos artigos 41, II, e 83, II, da Lei 11.101/2005, o credor com garantia real é sujeito aos procedimentos de insolvência do devedor.
      Quem me lê, sabe que me manifesto –contrariado- desde sempre esta, a meu ver falha na lei!
      Acredito que o Aerus devia receber com prioridade –(apesar de que como assistido, não tenha nenhum beneficio adicional nisto!).
      E Por ter sido registrado este direito no relatório, mesmo não sendo no mérito, equivale a um reconhecimento, que teria influenciado a decisão.
      E não esquecendo que quando o Aerus foi aceito como
      parte na ação, o foi em virtude da representação dos seus associados, e o julgador entendeu que deviam ser representados na defesa de seus interesses.
      Assim constou no relatório;
      Não é juridicamente aceitável sujeitar-se determinado grupo de pessoas – funcionários, aposentados, pensionistas e a própria concessionários – às específicas condições com ônus insuportáveis e desigualados dos demais, decorrentes das políticas adotadas, sem contrapartida indenizatória objetiva, para minimizar os prejuízos sofridos, segundo determina a Constituição. Precedente: RE 422.941, Relator o Ministro Carlos Velloso, Segunda Turma, DJ 24.3.2006.
      Mais adiante diz a ministra relatora;
      Afirmo isso porque há uma demora óbvia, e, neste caso, nós temos, principalmente, os funcionários, os pensionistas, os aposentados da AERUS, que sofreram barbaramente...
      . E não gostaria que o jurisdicionado brasileiro imaginasse que um juiz do Supremo, tendo em suas mãos, ainda que com a carga de trabalho que temos processo de tamanhas consequências, desconheça algo desta natureza.. E, por isso, estou fazendo esse esclarecimento, porque priorizei o processo...

      Excluir
    5. E indiscutível que o julgador, preocupava-se com o destino dos valores e reconhecia a precedência do Aerus na execução.
      Mesma preocupação foi manifestada no STJ, pelo Relator, Ministro Castro Meira:
      “Há dois instrumentos contratuais celebrados entre a Varig e o Instituto Aerus por meio dos quais a primeira deu em garantia de suas dívidas ao segundo os créditos oriundos desta ação. O julgamento desfavorável à autora, ora embargada, torna sem efeito a garantia obtida pelo Instituto, o que revela indiscutível interesse jurídico no resultado do feito. Em outras palavras, o eventual insucesso da autora desta ação representará para o Instituto requerente o desaparecimento de sua garantia, interferindo diretamente na órbita de sua relação jurídica com a Varig, já que passará de credor preferencial com garantia real a simples credor quirografário. Ademais, não prejudica a qualquer das partes o ingresso do Instituto na demanda, já que receberá o processo na fase em que se encontra (art. 50, parágrafo único, CPC). E nem se diga que o ingresso nesta fase postergaria o término do processo, já que a Varig, a maior interessada na conclusão do feito, anuiu com a assistência” (fl. 3.831).
      Ficando evidente a preocupação desde o STJ, com esta manifestação que a proteção dos direitos do Aerus, - com a concordância da empresa Varig -(e seus associados), pesava na decisão e nos despachos estando esta preocupação na mente dos julgadores.
      Quanto à ação civil e a garantia oferecida fator decisivo na decisão sobre antecipação de tutela foi à apresentação das garantias baseadas na ação tarifaria.
      E assim se manifestaram os defensores ao peticionar pela antecipação de tutela.
      . ocorre que a referida ação foi dada em garantia ao Aerus, com aval da União em face de dividas, conforme documentos as fls. 424/425 dos autos... caso haja antecipação da tutela seja revogada os valores pagos a titulo9 de antecipação poderão ser descontados dos valores devidos pela união à Varig;...
      E com base nestas afirmações feitas pelos apelantes e confiantes na veracidade e legalidade da mesma que decidiu pela antecipação de tutela.
      Caso isto seja invalidada, restariam sem garantias e correria o risco de risco a verossimilhança das alegações.
      Lembro ainda decisão do juiz da vara de falências reconhecendo o acordo entre Varig e Aerus sobre as dividas,
      Estou ciente da prioridade prevista nos arts. 83 e 84 na ordem de credores e creio que deverá ser seguida a risca, mas sem por em dúvida os direitos do Aerus e seus participantes.
      Tudo isto me leva a ter confiança de que ,apesar de opiniões contrarias , serão preservados os direitos do Aerus, na ordem prevista na lei 11,101/05, independente de serem partes citadas no mérito das citadas ações.

      Paizote

      Excluir
  3. No meu comentário acima , substituo as palavras ,"a prioridade" por "o direito"
    . Dando o real sentido pretendido.
    Paizote

    ResponderExcluir
  4. Bolsonaro? O Exterminador do Futuro? Primeiro ele detonara com chumbo grosso os bandidos. Em seguida liquidará com os velhinhos (aposentados) porque é contra a Reforma da Previdência. Acabará com as mulheres que ele não gosta, afinal elas concorrem tirando o mercado de trabalho dos homens e só sabem procriar, ficam pedindo creches e mais creches e pedindo a ressuscitação do SUS. Depois dará um fim nos Negros e LGBTs dos quais já declarou que não gosta. Daí venderá o patrimônio que sobrar, estatizará tudo e mentirá que este dinheiro servirá para pagar parte da dívida do país. Tudo isto terminado, Bolsonaro entregará o território aos Bancos delegando este serviço ao Paulo Guedes (Pactual, BR Participações etc). Pôxa, acho que ele esqueceu-se dos Pets. Sim, o partido precisa urgente um plano de extermínio para os Pets!!! Pensando melhor acho que ele tem razão. Muita gente no mundo não dá certo. É que nem família grande, quanto mais gente mais confusão e por isso é melhor acabar com tudo mesmo. kkkk...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. DETONAR BANDIDOS , QUERO UMA ARMA DE PREFERÊNCIA UM MAGNUM .44.
      ELE FARÁ A REFORMA DA PREVIDÊNCIA, SENÃO FALIMOS.
      TRABALHO BEM REMUNERADO É MÉRITO.
      ESTATAIS NO BRASIL NÃO É PATRIMÔNIO SÃO DÉBITOS.
      PAULO GUEDES É ECONOMISTA NÃO FUNCIONÁRIO DO ITAÚ COMO JOÃO AMOEDO.
      CRECHES DEVERIAM SER PAGAS POR QUEM TRABALHA OU POR EMPREGADORES.
      NUNCA VI TANTOS NEGROS E GAYS APOIAREM UM CANDIDATO COMO ELE.

      Meu comentário final, quando os pais morrem, os filhos mostram as garras, brigando pelo espólio, isso acontece nas grandes e pequenas famílias. Quem acha que bandido não deve ser erradicado de uma florzinha para eles, de preferência aquelas fedorentas de cemitérios.
      fui,,,

      Excluir
    2. Resposta 1: Vou imprimir teu comentário para postar num futuro não tão longe.
      Resposta 2: Só não irá para o cemitério aquele que for cremado.
      Resposta 3: Defunto não sente cheiro, portanto deixe as florzinhas...
      Resposta 4: De quem é o espólio citado?
      Resposta 5: Relaxa e aceita que dói menos.
      Resposta 6: Foi pra onde, prezado ?

      Excluir
    3. Vanderlei, muito bem! Combatendo esse mimimi desesperado com fatos!!! Bolsonaro 2018! Não tem pra mais ninguém!

      Excluir
    4. Pois é Ada... Concordo contigo.

      Excluir
  5. PRECATÓRIOS, compadre!

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde a todos .

    Excelente e bem conduzida, a entrevista com o Mario Pimenta ; não há o que comentar ou interferir naquilo que ele expôs como relato da vida pessoal.
    Parabéns !

    Não obstante, permita-nos comentar a posição do Sr. "anônimo" , mais acima , onde inicia " Bolsonaro? o exterminador do futuro? "

    Bolsonaro é , desde o início da campanha à presidência da república brasileira, o candidato mais bem quisto pela maioria esmagadora da população , o mais coerente e assertivo, e aquele realmente com senso patriótico de causar orgulho a Luiz Alves de Lima e Silva .
    Trata-se de um indivíduo longe de ser um "salvador da pátria", tampouco conhecedor a fundo de economia como Henrique Meirelles, mas plenamente disposto a transformar o Brasil em uma nação mais digna e com grande credibilidade , inclusive internamente. Não sou cabo eleitoral dele ou de outro qualquer, mas todos sentimos nele um enorme comprometimento com os valores morais , éticos e globais com a Pátria Brasileira . Terá sim, nosso irrestrito apoio e credibilidade. Não desapontará . Os comentários do Seu anônimo perecem carecer de leitura e pesquisa mais aprofundada sobre o tema em questão, mas percebe-se também no texto escrito ares de caçoada, brincadeira, e por essa razão não deve ser considerado do ponto de vista da seriedade. Queremos deixar claro que não há qualquer intenção de ofensa pessoal ao Sr. anônimo nas "entrelinhas" e sim, apenas um comentário democrático contrário àquilo que ele escreveu; apenas isso e nada mais.

    Forte abraço.

    Sidnei Oliveira
    Assistido Aerus
    Aposentado Varig- Rio de janeiro

    ResponderExcluir
  7. Obrigado,sr.Sidnei.

    ResponderExcluir
  8. Nota: Declarado o culpado pelo assassinato da Comissária Melania. Não foi suicídio! Ela foi assassinada com um tiro na cabeça enquanto dormia.

    Por votação unânime, rejeitaram as preliminares e negaram provimento ao recurso,
    determinando-se a expedição de mandado de prisão. Declara voto convergente o E. Revisor, Des. Euvaldo Chaib. -
    - - 3º Andar INTIMAÇÃO DE ACÓRDÃO Nº 0018907-96.2018.8.26.0000
    Retirado da página 2253 do Diario de Justiça do Estado de São Paulo - Segunda Instancia

    ResponderExcluir
  9. Melania Estelina de Athayde Pinho, ex comissária da Rio Sul e Varig, foi assassinada quando tinha 40 anos de idade com um tiro na cabeça enquanto dormia, pelo então marido piloto, Sergio Ivan Souza Pinho, (ex-Vasp e executiva. Na ocasião o marido forjou o suicídio de Melania e neste mês de agosto, 11 anos após o ocorrido, o Ministério Público por votação unânime baseado em laudos periciais, negou todos os recursos e considerou-o verdadeiramente culpado pelo ato. Detalhe: Sergio foi excluído do espólio do qual se apresentava como inventariante. Os autos são públicos e estão disponíveis para consulta na internet apesar do advogado tentar abafar o caso. Uma observação: Quem conhecia a Melania e sua LUZ irradiante sempre soube que ela jamais cometeria o suicídio. Infelizmente passaram-se 11 anos para a conclusão do crime numa justiça que é escancaradamente feita para os Réus !!!

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pela Entrevista , ao Mário e au Editor ! Estas Entrevistas são realmente muito boas, pois nos dão,com generosidade, muitas informações gerando muitos Comentários que abrilhantam as informações mais polêmicas. “Somos todos Aerus” ! Quanto ao Brasil vou de Bolsonaro! Abs.

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-