domingo, 26 de agosto de 2018

[Pernoitar, visitar, comer e beber fora] O McDonald’s mais bonito do mundo fica… no Porto? Jornalista americano diz que sim

Candelabros de cristal, vitrais, uma águia gigante de bronze e a possibilidade de pedir pastéis de nata. Para a norte-americana Business Insider fica em Portugal o melhor McDonald's do mundo


Observador

“Comi no McDonald’s mais bonito do mundo, com candelabros de cristal, janelas com vitrais e uma pastelaria deliciosa”. Assim é o título de um artigo da Business Insider, da autoria de Harrison Jacobs, publicado este domingo. O jornalista, que se identifica no Twitter como correspondente internacional e repórter de questões globais, da tecnologia às viagens, começa o artigo com uma pergunta aos leitores que provavelmente já comeram Big Macs e McNuggets em dezenas de McDonald’s espalhados pelo mundo: “Alguma vez pararam para pensar qual dos 36.899 restaurantes McDonald’s era o mais bonito?”

Foi na busca por essa resposta que foi ao Porto atrás daquele que muitos viajantes identificam como o mais bonito McDonald’s do mundo: aquele que está no antigo Café Imperial. E não podia ter ficado mais surpreendido. Dos vitrais aos candelabros, passando pela “pastelaria deliciosa”, que inclui pastéis de nata, o jornalista norte-americano saiu da cidade do Porto com a certeza de ter encontrado o mais belo restaurante daquela cadeia de fast food importada dos EUA.


Inaugurado em 1995, o restaurante fica no lugar daquele que, nos anos 30 e 40, foi o famoso Café Imperial — um dos primeiros exemplos do estilo arquitetônico Art Decô, muito presente na cidade do Porto, que décadas mais tarde foi aproveitado pela cadeia internacional de restauração. De acordo com o jornalista, que admite gostar de perceber as diferenças culturais presentes nas principais cadeias de restauração fast food em todo o mundo, o que encontrou no McDonald’s Imperial justifica o título.

“A primeira coisa que salta à vista é uma escultura gigante de uma águia, em bronze, da autoria do escultor português Henrique Moreira. Quando o Café Imperial abriu, em 1936, a entrada tinha uma porta giratória, que, entretanto, já não está lá”, ao contrário da águia, nota o jornalista.

Mas as surpresas não ficam à porta. “Quando se entra, repara-se logo nos vários elementos do estilo Art Decô (pensem por exemplo no estilo do Empire State Building): os frisos ornamentados ao longo do teto, os lustres de cristal e, sobretudo, o enorme vitral atrás do balcão”, descreve. A obra-prima, contudo, são os enormes candelabros de cristal que “fazem um contraste gritante com o que geralmente se encontra no McDonald’s”.


Ponto negativo para este apreciador dos interiores das cadeias de fast food: o chão. “Não é nada de especial”, comenta, acrescentando que a comida, em si, também não soma pontos por aí além. Mas é de arquitetura que estamos a falar. Ponto positivo: pode-se pedir cerveja Sagres e, apesar de a sopa de legumes deixar a desejar, a pastelaria compensa, entre bolas de berlim recheadas com chocolate e pastéis de nata “aceitáveis”, segundo aquele jornalista (que confessa não ser especialista em natas).

Em todo o caso, conclui que aquele pode muito bem ser o McDonald’s mais bonito do mundo. A comida, é “tipicamente McDonald’s”, por isso, o conselho que Harrison Jacobs dá a quem queira espreitar o estabelecimento é “fazer como os portugueses fazem: “entre e peça um café e um pastel de nata”.
Título e Texto: Observador, 26-8-2018

Anteriores:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-