domingo, 7 de abril de 2019

Movimento Dividir Portugal

Helena Matos

Portugal arrisca ser esfrangalhado por esta gente que trocou a luta de classes pela compra dos votos e que vê na fragmentação do país e na tribalização dos cidadãos uma fonte inesgotável de poder


Regra nº 1:
Os problemas reais não existem.

Numa escola do Porto, um miúdo de 12 anos atirou uma bola para dentro da sala de aula e partiu uma lâmpada. Todos nós ou muitos de nós quando andámos na escola vimos partir lâmpadas com bolas ou partimo-las nós mesmos. Mas nunca vimos uma sucessão de factos como os registados há dias nesta escola do Porto: partida a lâmpada o professor pediu a uma funcionária para varrer os pedaços de vidro. A aula prosseguiu e o rapaz de 12 anos não só ligou ao pai como voltou a brincar com a bola. O professor retirou-lha. Saltando por cima das mesas, o aluno “tentou chegar à bola” Como não conseguiu, empurrou o professor. Em seguida dá-lhe murros e pontapés. Levado à direção de turma o dito aluno, quando a oportunidade lhe permite, “desferiu um forte pontapé” nos testículos do mesmo professor, que caiu no chão. Mas a coisa ainda não acabara: terminada a aula ainda deu um murro na testa do professor. Ao passar por um funcionário disse: “Já lhe parti o focinho”.

Resumindo, temos o professor a pedir “a uma funcionária para varrer os pedaços de vidros” pois é óbvio que já não tinha autoridade para mandar o menino varrer ele mesmo. Em seguida a criancinha com um sentimento de absoluta impunidade ora usa o telemóvel ora salta por cima das mesas. Depois agride o professor em três momentos diferentes, três, e acaba a declarar a um funcionário que, claro, também não se deve ter afoitado a chamar-lhe a atenção, “Já lhe parti o focinho”. Do pai não há notícias.

O que agora aconteceu na Escola Francisco Torrinha é apenas um caso que pela sua gravidade conseguiu quebrar o manto de silêncio que atualmente impera sobre as escolas. Estas voltaram aos bons velhos tempos em que tudo nelas se reduz à questão da carreira dos professores e dos auxiliares. Do resto, ou seja, dos alunos, dos conteúdos, da disciplina, do ser professor, só se fala quando de todo em todo uma situação chocante quebra o manto de silêncio. Foi assim com a constatação de que a disciplina de Educação para a Cidadania se transformou num franchising letivo para ativistas das mais desvairadas causas agora transformada em doutrina incontestada.

Foi assim também há algumas semanas com a agressão a uma professora da Escola Básica da Torrinha por parte de uma mãe e foi agora novamente nesta  escola do Porto, aqui com um aluno de 12 a espancar um professor de 63 em três momentos diferentes. Ou, se quisermos observar os factos doutra perspectiva, com um professor de 63 anos a deixar-se agredir em três momentos diferentes por um aluno de 12 anos.

O ministro da Educação o que disse? E aquela irmã Mortágua de discurso mais ou menos ininteligível que, ironia das ironias, trata das questões do ensino já se pronunciou? E Mário Nogueira, essa caricatura da luta, por onde anda? O PR não vai a esta escola? Vamos ficar pela conversa de “o caso está entregue ao Ministério Público”, sim porque agora, com os professores e funcionários devidamente desautorizados, a indisciplina nas escolas tornou-se um caso de polícias e tribunais? Como é isto possível? É possível porque a realidade não só não interessa como abordá-la leva a que se corra o risco de se ser acusado de um ismo qualquer. O acontecido nesta escola só interessaria caso se integrasse na perspectiva do ressentimento que está a levar Portugal de Estado-Nação a um território habitado por uma população tribalizada em brancos, negros, afrodescendentes, asiáticos, ciganos, de origem europeia…

Regra nº 2:
Dividir para melhor controlar.

Com a regularidade de um pêndulo ecoam no nosso quotidiano os sinais desta transformação dos cidadãos em membros de grupúsculos tribais. A promover essa mudança estão, por exemplo, conselhos como os do grupo de trabalho nomeado pelo Governo,  defendendo que os Censos incluam dados étnico-raciais dos cidadãos. Para quê?

Sim para que esta tônica nos dados étnico-raciais? Ou como entender que ao mesmo tempo que o sexo com que nascemos é tratado como uma  irrelevância biológica (de tal forma irrelevante que os novos cartões de cidadão em alguns países já não o vão incluir), o facto de se ter tido uma tetravó negra faz de nós afrodescendentes e  liga-nos irremediavelmente ao continente africano, mesmo que nem nós nem a nossa trisavó alguma vez lá tenhamos estado?

A recolha de dados étnico-raciais revelou-se uma armadilha: se os dados não favorecem a imagem dos grupos apadrinhados pelos militantes das causas ditas progressistas então não devem ser referidos sob pena de acusação de racismo. Esta espécie de nova ormetá leva a que, por exemplo, se subestimem quando não omitam os ataques com facas em Inglaterra (só nos comboios eles mais que triplicaram entre 2015 e 2018) e que simultaneamente os controlos policiais tenham diminuído pois as autoridades não queriam ser acusadas de discriminação racial. Ou que se procure não divulgar o nome de agressores sexuais ou até mesmo as agressões caso os autores dessas violências não correspondam ao criminoso de que se pode falar a saber homem, branco e cristão. E assim pode acontecer que num mesmo país, a Espanha, os abusos sexuais/violações praticados por grupos de rapazes ora sejam motivo de forte indignação (caso de La Manada de Pamplona) ora silenciadas (caso de La Manada de Azuqueca)  consoante a identidade/nacionalidade dos rapazes em questão.

Como invariavelmente acontece quando o governo é de esquerda os mecanismos de controlo desaparecem e a inconstitucionalidade esfuma-se: a Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) já terá mostrado disponibilidade para autorizar a recolha de dados étnico-raciais nos próximos censos.

Esta racialização da sociedade portuguesa acrescentará o poder e os meios dos gestores do ressentimento e das verbas do que pomposamente se designam como políticas públicas de apoio à inclusão e que não passam de criadoras de ghettos. À exceção dessas nefastas criaturas acabaremos todos mais pobres e divididos. Como a eles lhes convém.

Regra nº 3:
Fragmentar para ganhar poder.

Os tempos em que se apresentavam projetos para o país e para os portugueses já lá vai. Agora trabalha-se para a facção e sobretudo no cultivar do ressentimento entre essas facções. Vale tudo. Rui Moreira até nos propõe uma espécie de regresso ao tempos das taifas, esses minúsculos territórios, capitaneados cada um deles pelo seu chefe, que noutras eras pulularam na Península Ibérica: afinal o que é senão o regresso às taifas a proposta de Rui Moreira para que  se num futuro referendo “a regionalização vencesse numa das regiões propostas, avançasse aí mesmo que nas restantes ganhasse o ‘não’”?  Tudo somado traduz-se mais ou menos em transformar Portugal num puzzle impossível e os portugueses em “Branco, membro da Região do Porto, integrante de um dos subgrupos da comunidade LGBTB+” ou “Afrodescendente, da não região de Braga, com identidade de género masculina”…
Dividir para mandar é a estratégia. Uns querem mandar na sua taifa. Outros controlar as pessoas. Uns e outros são do pior que já nos aconteceu.
Título e Texto: Helena Matos, Observador, 7-4-2019

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-