sábado, 6 de fevereiro de 2021

Os velhos pides da nova DGS

Sinto-me mais unido a uma zebra ou a um busca-pólos do que aos meus compatriotas que se deleitam na arte da bufaria. É mau ser nazi, comunista, ladrão, violador ou fã dos Trovante. É pior ser bufo

Alberto Gonçalves

Aconteceu há dias um daqueles escândalos que duram duas horas e se esquecem em dois minutos. Um sujeito que acabara de assinar um artigo a condenar a participação em festas e ajuntamentos, particularmente na passagem de ano, foi apanhado a participar numa festa ou ajuntamento, precisamente na passagem de ano. Ao que li algures, o sujeito é “humorista” e “ativista” LGBT, um manifesto pleonasmo. Mas a identidade dele não me interessa. Interessa a rapidez com que o denunciante se viu denunciado, quase uma inevitabilidade para quem se dedica a tão reles exercício.

Uma das manias repugnantes alimentadas pela Covid é a conversa de que sairemos “mais unidos” desta provação. Primeiro, não há garantia de que alguma vez possamos sair da opressão e da arbitrariedade que o governo aproveitou para impor a pretexto do vírus. Depois, há garantia de que, ainda que passe, toda a história deixará um rasto de desconfiança. E de nojo. E, se tivermos sorte, de vergonha. Por mim, sinto-me mais unido a uma zebra ou a um busca-pólos do que aos meus compatriotas que se deleitam na velha arte da bufaria. É mau ser nazi, comunista, ladrão, violador ou fã dos Trovante. É pior ser bufo.

Infelizmente, a Covid mostra-nos que há bufos em toda a parte. E em toda a parte há medo dos bufos. É o senhor do café que não serve café com pavor de que alguém vá “abrir a boca”. É a senhora da loja que vende a tremer um par de peúgas “por causa das queixas”. É o casal que, à cautela, não recebe os amigos em casa nem é recebido por eles. É o dono do restaurante que é multado por servir três moços numa sala vazia. É o homem que passeia sozinho na praia deserta e num ápice se vê rodeado por uma brigada policial. E são todos os que delatam os desgraçados acima. E todos os que, quando não conseguem delatar, seguem para as “caixas” de comentários a reclamar punições exemplares – e até sangue – dos bandalhos recalcitrantes que não “cumprem” a “lei”.

A “lei”. Enquanto secam a espuma no canto da boca, os bufos fingem que a “lei” em questão possui origem divina. Não possui. A “lei” a que se referem é apenas o rol de delírios produzidos a cada manhã pela peculiar cabeça do dr. Costa, embalado pelo indivíduo que ocupa Belém e “legitimado” pelos matraquilhos com que reúne no Infarmed. Não há aqui vestígio de racionalidade (a não ser, por exemplo, que a abolição da venda de água em “take away” ou a manutenção dos transportes públicos sejam atos racionais): há prepotência, e é a prepotência que os bufos se esforçam por ajudar a aplicar.

É, aliás, um esforço a que se dedicam com evidente prazer. O bufo não é movido por dinheiro, já que, embora as “autoridades”, da DGS à PSP, instiguem a denúncia, que eu saiba ainda não a remuneram. O bufo não é movido por receio do vírus, já que óbvia e coerentemente cumpre a lei e a infalibilidade desta retira-lhe qualquer risco de se expor à doença. O bufo não é movido pela devoção à saúde pública, já que não lamenta o brutal excesso de mortos à conta de doenças um pouquinho mais graves que a Covid. O bufo não é movido pelo amor ao bem-comum, já que não se oferece para partilhar o salário, que julga garantido, com aqueles que empurra para a falência certa. O bufo denuncia pelo simples gozo de acusar o próximo, a oportunidade dos pelintras para exercer poder e achincalhar. O bufo e o regime em que o bufo prospera têm objetivos comuns.

Não vale a pena decidir se as ditaduras propiciam o surgimento de bufos ou se a abundância de cidadãos desprovidos de carácter é indispensável ao advento de tiranetes. O provável é ambas as chagas se estimularem mutuamente. O facto é que o dr. Costa não existiria sem uma vasta quantidade de pessoas que, após a gestão criminosa da epidemia, a gestão ruinosa da economia e a gestão mentirosa da política, continuam dispostas a servi-lo, através do voto e da delação. E essas pessoas não espraiariam os seus baixíssimos instintos sem um “ambiente” propenso à velhacaria. As “autoridades” e os bufos estão bem uns para os outros.

Mal estamos nós. É claro que, um belo dia, os denunciantes acabarão denunciados e, idealmente, enxovalhados e pobres e doentes como aqueles que perseguiram. É, porém, um consolo fraquito. Entretanto, a tragédia de que foram cúmplices terá causado uma miséria sem regresso nem remédio. Não falo só da miséria sanitária ou material: mesmo que, por milagre, as coisas voltem ao velho “normal”, sobrará sempre um desconforto, uma repulsa por partilharmos o país e o tempo com criaturas profundamente deploráveis. Afinal, amanhã vamos cruzar-nos na rua com os bufos de hoje. A menos que os bufos sigam o próprio conselho e fiquem em casa até à eternidade.

Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 6-2-2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-