terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

Fact Checkers: a “Inquisição” moderna


Cristina Miranda

Somos manipulados a toda a hora sem nos darmos conta. Se por um lado as novas tecnologias vieram revolucionar o nosso modo de vida, melhorando-o, por outro, trouxe um perigo omnipresente: a formatação da mente humana.

Comecemos pelos motores de busca. O mais conhecido de todos, o Google, é usado pela maioria das pessoas que procuram informação. Mas, o que antes era uma ferramenta eficiente, transformou-se, hoje, numa rede de dados para vigilância global e engenharia social. E como tudo se processa?

É simples. O Google seleciona por si o que quer que você veja. Organiza os temas por forma a que tudo o que é dito oficialmente sobre um tema, esteja em primeiro plano, e só pesquisando muito aprofundadamente, consegue artigos que o contradizem (isto se não estiverem já apagados pela plataforma). Mais: se, entretanto, algum artigo ou reportagem foi polémica – por contrariar as narrativas oficiais -, vai primeiro mostrar todos os artigos de fact checking que “provam” que se trata de uma teoria da conspiração ou conteúdo “falso. Assim, desviam o indivíduo de todo o contraditório existente à narrativa oficial para que fique com a ilusão de que aquele artigo, documentário, investigação ou estudo, não são fidedignos. Se olharmos, por exemplo, para os estudos do uso de máscara facial ou distanciamento social, constatamos que os estudos que costumavam estar na página 1, 2, 3 do índice de busca, não existem mais. O que aparece no início da pesquisa são estudos que apoiam a narrativa comum.

O Google já é mais poderoso, em termos de controlo na vida das pessoas, que qualquer Governo no Planeta. Tem mais poder de influenciar, por exemplo, umas eleições, do que qualquer nação estrangeira. Questionado no Senado, Dr. Robert Epstein afirmou: “Os métodos que estão a ser usados (pelo Google) são invisíveis, subliminares e com efeitos mais poderosos do que já tinha visto nas ciências comportamentais e estou nas ciências do comportamento há quase 40 anos”. Zach Vorhies, um delator do Google, declarou: ”Eu, como engenheiro, fiz uma pesquisa no motor de busca interno do Google e adivinhe? eu vi que tinha na “lista negra” termos de pesquisa como “curas para cancro”. Por que razão o Google decide o que as pessoas podem ou não podem pesquisar?”.

E quem são esses, donos da verdade absoluta (que o Google financia) que classificam os conteúdos, designados por Fact Checking? São “empresas” com ligações às Big Tech, Big Pharma, organizações de filantropia bilionárias com agendas várias e mass media, ou seja, gente em claro conflito de interesses. Analisemos de seguida, algumas das mais famosas e “prestigiadas”:

SNOPES:

·   Pertence ao casal David e Barbara Mikkelson que o fundaram em 1995 sem qualquer formação em jornalismo.

·  Construíram um império a partir da verificação de conteúdos usando como principal fonte o Google.

·  Declara ser o local na internet para ir “à fonte” sobre o que é verdadeiro ou falso, mas numa análise feita ao seu “fact checking”, verificamos que: quando a Dra. Mikovits afirmou que ela fora presa sem mandado de captura nem acusação, este “fact checker” classificou de falso esta declaração; se tivessem investigado os documentos de detenção teriam obtido a prova que não havia, de facto, mandado de captura nem assinaturas para oficializar uma acusação; facto confirmado com prova documental pela equipa jurídica da Dra. Mikovits. Ou seja, não havia mandado de captura, nem nunca fora acusada em inquérito por nenhum crime.

· Não falta informação quanto à “ética e idoneidade” do fundador (leia aqui, e aqui e também aqui).

POLITIFACT:

·   É o braço de verificação do Facebook.

· Recebe doações do Facebook, Tik Tok, Google, Democracy FundBill & Melinda Gates Foundation.

·  É propriedade do POYNTER INSTITUTE cujos financiadores são aliados do Big Pharma, Google e Fundação Bill e Melinda Gates.

·  Tem histórico a enganar o público: no final de janeiro de 2019 em conjunto com a SNOPES e FACTCHECK ORG., uniram-se para criar a ilusão de que o corona e os seus tratamentos não foram patenteados, revisando APENAS 3 das 4452 patentes disponíveis publicamente e que demonstravam que, na realidade, a detecção e tratamento do SARS Cov2 foram amplamente patenteados pelo sector público e privado (por demonstração das restantes 4452 patentes não consideradas pelo Fact Checker).

POYNTER INSTITUTE:

·  É uma rede internacional de fact-checkers que certifica o Poligrafo e o Observador.

· É financiada por: Facebook, Open Society Fundations de Soros, Silicon Valley Community Foundation, Tides Foundation (Google.org) e outras organizações bilionárias.

·  Intitula- se como independente e defensor da verdade na luta contra a desinformação.

WIKIPEDIA:

·  É apoiada pela Fundação Wikimédia (empresa mãe da Wikipedia), sem fins lucrativos e com um longo historial de financiadores com ligações políticas, outras instituições bilionárias de renome e anônimos.

·   Não se sabe o que recebe o doador em troca da sua “generosidade”, mas parece óbvio o conflito de interesses.

· O que começou com uma plataforma de código aberto, imparcial, é agora uma arma para minar o trabalho e reputação de qualquer pessoa considerada uma “ameaça” às partes interessadas, porque uma vez difamado, bloqueiam a vítima de fazer correções à sua própria biografia.

POLÍGRAFO:

·   O Diretor Fernando Esteves tem problemas de ética e deontologia jornalística. Num artigo do Sol é dito: “(…) recebeu do Santa Maria uma verba para fazer livros e pouco depois publicou naquele site uma notícia favorável ao hospital. Além disso, é acusado pelo MP de ter relações profissionais promíscuas com Lalanda e Castro, arguido no processo da Máfia do Sangue, omitindo também a responsabilidade do empresário no livro que escreveu sobre a Operação Marquês” (notícia do Sol)

· O Diretor Adjunto Gustavo Sampaio é expert em manipular a verificação de conteúdos (veja aqui e também aqui).

·  Pertence à  Emerald Group propriedade do advogado  N’gunu Tiny, sediada no Dubai, (30%); à  B. creative media (21%); e Fernando Esteves (49%).

· Tem uma parceria com a SIC (uma avençada do Governo de Costa que a financia em muitos milhões)

·  É campeão na manipulação da verificação de conteúdos (veja aqui e aqui e também aqui, só alguns exemplos).

A maioria dos “verificadores independentes” não são independentes nem factuais (ao contrário do que dizem), simplesmente, estão ao serviço de quem lhes paga. Decidem que há uma narrativa aprovada e oficial. Se estiver alinhado com os organismos que defendem essas narrativas (OMS, CDC, DGS, Governos), presumem que seja “correto”, mesmo que comprovadamente não o sejam. O que os Fact Checkers fazem é procurar artigos publicados pelos media do mainstream que afirmam o que se quer confirmar como verdadeiro. Acontece que todos os media do mainstream plantam agora evidências (a mando desses organismos) e fazem depois “copy paste, entre eles, dos artigos de outros órgãos de comunicação. Não investigam. Não fazem contraditório. Repetem a narrativa que convém ao sistema de que fazem parte e são bem pagos para isso. (só em Portugal, o financiamento aos media do mainstream, pelo Governo, já ultrapassou os 15 milhões).

No entanto, basta relembrar que Centro de Controlo de Doenças nos EUA, por exemplo, era aquele que dizia que se devia utilizar DDT no uso doméstico, que usado corretamente era inofensivo para humanos e animais. Mais tarde, alguns cientistas vieram confirmar que os pesticidas podiam representar uma grave ameaça para a Humanidade. Outro caso com o CDC foi em 1976, o ano em que o governo dos EUA disse que a gripe suína era fatal. Decidiu que todos deveriam ser vacinados para prevenir o surto. Foram vacinadas 46 milhões de pessoas. David Spencer, o Diretor do CDC em 66/77, quando questionado se sabia da possibilidade de danos neurológicos dessa imunização em massa e se alguém o tinha alertado sobre isso, respondeu que não. Porém, foi desmentido pelo Dr. Michael Hattwick, da sua equipa de vigilância da gripe suína, no CDC. Esta equipa tinha elaborado um relatório onde listaram complicações neurológicas como uma possibilidade. Mas ele escondeu isso do público. Este Diretor do CDC também ajudou a criar publicidade para levar o público a tomar a vacina. Agora, os americanos cobram ao Estado o valor de 3 biliões e meio de dólares por danos neurológicos e mortes. Este é o mesmo CDC em que numa notícia se dava conta que, pela 3 vez num mês, reconheceu que patogénicos mortais foram tratados incorretamente nos laboratórios do governo (veja aqui). Relembrar também, que a OMS e a nossa DGS, afirmaram que o vírus da moda não se transmitia a humanos, que as máscaras davam falsa sensação de segurança, e que podíamos visitar os nossos velhinhos. E são estas as organizações que “zelam pela nossa saúde”. Venha o diabo e escolha.

Desde a invenção do jornal impresso que há uma batalha para controlar a informação. No início do século XIX, o magnata do petróleo, John D. Rockfeller, assumiu o controlo de cada jornal e editor de notícias da sua época. Ele tornou-se o 1º bilionário dos EUA que trilhou o caminho para quem tem a fome de poder abrindo a corrida ao recurso mais precioso do mundo moderno: a narrativa.

Durante uma investigação do Comité do Senado, foi revelado que a CIA estava a conduzir uma operação secreta para se infiltrar e controlar os media: operação “Mockinbird”. Mais de 3000 operacionais da CIA foram colocados em posições chave dentro dos media, atuando como jornalistas e editores. Neste trecho de vídeo (veja aqui), pergunta um jornalista ao ex-agente, John Stockwell: “Com que frequência a CIA manipula os media desta forma?” Resposta: “Isso vai além da sua imaginação mais selvagem”. Questionado o presidente da CBS News (1951-1961), com a pergunta: “Você diria que isso continua a acontecer hoje?” Este respondeu: ”Sim, como repórter, eu diria que provavelmente continua por causa de todas essas revelações. Acho que você tem de ter muito mais cuidado com isso”.

Hoje, um punhado de impérios corporativos controlam a maioria de tudo o que se lê, escuta ou assiste: estúdios de cinema, televisão, rádio, jornais, revistas, além do vasto universo de notícias na internet e sites de entretenimento. É uma indústria que é paga para perseguir, desacreditar, arruinar, destruir, ou difamar quem ousa questionar, alterando a nossa percepção da realidade com imagens e narrativas alinhadas com o sistema.

As personalidades mediáticas não são os únicos intervenientes bem pagos para servir a máquina de propaganda. A maioria dos programas de “talk show” são propriedade dos mesmos senhores corporativos, e que usam o humor para fazer chacota, começando com comentários absurdos que não estão relacionados, como por exemplo, os defensores do “terraplanismo”, “negacionistas do clima” etc. (uma técnica padrão usada por propagandistas) para que tudo o que seja dito, a seguir, sobre essas pessoas, pareça absurdo por comparação.

Estamos na era do jornalismo de “copy paste” que multiplica artigos/notícias dando a ideia de que são todas de fontes diferentes. Mas, na realidade, não o são. Os “Fact Checkers” estão todos intimamente ligados à comunicação social do mainstream, exatamente aquela que planta evidências, encomenda estudos, faz “copy paste” de outros media para validar narrativas. É um grande processo de lavagem cerebral para mudar a percepção da realidade de forma tão intensa para que ninguém seja apto a tirar conclusões por si próprio. É uma tática.

À conta deste “Fact Checking, cientistas, médicos, políticos, jornalistas, escritores, cronistas, investigadores e até cidadãos comuns, são perseguidos, banidos, ridicularizados, ameaçados, presos, e perdem empregos. São acusados de tudo sem direito a defenderem-se (não existe nas suas plataformas um espaço público para contestação dos autores, à avaliação por eles feita, como é seu dever, de acordo com a deontologia jornalística).

Em suma, as vítimas ficam com as suas vidas totalmente destruídas por esta “Inquisição” da era moderna. Só não os queimam na praça. Por enquanto.

Título, Imagem e Texto: Cristina Miranda, Blasfémias, 21-2-2021

Relacionados: 
[#internetlivre] Censores da Internet querem checar, mas não querem ser checados: por que será? 
Cristina Miranda: “A esquerda que maioritariamente governou desde 1974 este país, soube sempre alimentar grupos por forma a garantir a permanência no poder.”

A geringonça gosta da censura 
A censura, a javardice e o politicamente correto 
Twitter censura página pró-tratamento precoce 
Censura a conservadores nas redes sociais #FalandoAbertamente 
Os novos senhores do mundo 
O duplo padrão 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-