sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

Twitter censura página pró-tratamento precoce

Médicos pela Liberdade criticava o isolamento social e defendia medicamentos, como a hidroxicloroquina e a ivermectina

Cristyan Costa

Na quinta-feira 11, a Médicos pela Liberdade, página em defesa do tratamento precoce contra a covid-19, foi censurada pelo Twitter. Entre outras publicações, o perfil que somava 61 mil seguidores punha em xeque os supostos efeitos positivos das medidas de isolamento social. Além disso, apoiava medicamentos, como a hidroxicloroquina, a cloroquina e a ivermectina no enfrentamento ao vírus chinês.

Reportagem publicada na edição 3 da Revista Oeste trouxe depoimentos de pessoas que usaram os remédios e venceram o coronavírus. Especialistas ouvidos pela reportagem chancelaram a eficácia dessas drogas.

Os administradores da Médicos pela Liberdade informaram, pelo Instagram, que farão uma segunda conta para divulgar o trabalho taxado de fake news. O grupo se autodenomina em prol “das liberdades individuais e contra o totalitarismo disfarçado de ciência”.

O ocorrido é mais um episódio das investidas das big techs contra páginas de orientação conservadora. 

Oeste noticiou que o YouTube tirou da plataforma o canal do site Terça Livre, e até um vídeo utilizado por este veículo de comunicação em uma matéria informando sobre outdoors pró-Doria em Campo Grande, na capital do Mato Grosso do Sul.

Título e Texto: Cristyan Costa, revista Oeste, 12-2-2021, 13h30 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-