terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

Censura a conservadores nas redes sociais #FalandoAbertamente

Terça Livre não é o único: cresce censura a perfis conservadores nas redes sociais

Cristina Graeml

Censura a perfis conservadores nas redes sociais é algo que vem ameaçando a liberdade de expressão há alguns anos, mas que ficou evidente em 2020 e cresce a olhos vistos neste início de 2021.

A vítima mais recente foi o canal Terça Livre, banido do YouTube de maneira sumária nesta quarta (3) sob a alegação genérica de que a empresa violou “diretrizes da comunidade”.

Segundo seus donos, a plataforma não deu qualquer explicação sobre qual diretriz foi violada, mas a punição pode ter sido resultado dos ataques constantes da milícia digital Sleeping Giants, conhecida por promover campanhas sobre anunciantes de veículos com os quais não concordam.

O perfil, conhecido por assediar anunciantes e ameaçar difamar as marcas que não se renderem à pressão e mantiverem contratos com as empresas das quais discorda, é um dos que espalham a cultura do cancelamento na internet.

Inspirados nessa milícia usuários das redes sociais fazem campanha contra perfis e canais conservadores e denunciam em massa os perfis de pessoas e empresas por suposta produção de conteúdo falso ou disseminação de ódio. Assim como anunciantes ameaçados de difamação, as redes sociais, aparentemente, cedem à pressão sem maiores checagens.

Censura a conservadores

Coincidentemente, no mesmo horário em que os jornalistas Allan dos Santos e Italo Lorenzon, fundadores e principais nomes do Terça Livre, anunciavam nas redes sociais a censura que sofreram no YouTube eu entrevistava a economista e empresária Renata Barreto, censurada na semana passada pelo Instagram.

No fim de janeiro Renata Barreto, dona de um perfil com quase 400 mil seguidores no Instagram, viveu uma experiência que beira o absurdo. A economista e empresária teve duas publicações apagadas pela plataforma sob alegação de que estava espalhando notícias falsas.

O que ela havia feito foi simplesmente compartilhar reportagens publicadas por toda a imprensa, com a notícia de que o ditador da Nicolás Maduro afirmou, em vídeo, que pesquisadores da Venezuela desenvolveram supostas "gotinhas milagrosas" contra a Covid-19.

Por acaso uma das matérias que Renata compartilhou foi publicada na Gazeta do Povo. A outra era da rede de televisão CNN Brasil. A notícia não era falsa. Maduro não só disse realmente isso, e em vídeo, como publicou em sua própria conta no Twitter.

Falta clareza às redes sociais

Estranhamente o tweet de Maduro não foi apagado e o ditador não sofreu qualquer ameaça de ter o perfil banido do Twitter, como ocorreu no início de janeiro com o então presidente dos EUA Donald Trump.

A conta de Trump, com 90 milhões de seguidores, foi apagada sob alegações vagas de que ele havia incitado à invasão do Capitólio, acusações estas jamais provadas por um único print de texto ou replicação de vídeo publicado por ele.

Maduro, sim, deveria ter sido questionado pela plataforma quanto à veracidade do que dizia. Quanto à notícia sobre o que ele disse, nenhuma rede social apagou as publicações da Gazeta do Povo e da CNN divulgando suas próprias matérias para suas centenas de milhares de seguidores. Também não houve questionamento, nem mesmo pelo Instagram, sobre o conteúdo divulgado.

Por que, então, a influenciadora digital que compartilhou as publicações sofreu punições? Por que outros perfis que compartilharam a mesma notícia não foram punidos?

 

O fato de Renata usar o Instagram para desmistificar o socialismo e divulgar dados estatísticos sobre os benefícios que o capitalismo trouxe ao mundo seria coincidência?

Punições e perdão, sem explicação

Além de ter duas publicações apagadas, Renata foi proibida de fazer lives por uma semana. Pediu explicações, mas não obteve resposta da plataforma. Dias depois constatou que os conteúdos apagados voltaram a aparecer em sua conta e percebeu que estava novamente autorizada a fazer transmissões ao vivo.

Isso tudo só ocorreu, porém, depois que ela anunciou que havia acionado um advogado para interpelar o Instagram judicialmente. Assista à entrevista em vídeo para conhecer mais detalhes dessa história.

Verá também uma análise profunda sobre censura a conservadores nas redes sociais, cultura de cancelamento, fake news (reais, não imaginárias). e agências de "checagem", a verdadeira personificação do "Ministério da Verdade" imaginado por George Orwell em seu perturbador livro 1984.

Título, Texto e Vídeo: Cristina Graeml, Gazeta do Povo, 4-2-2021, 17h03

Relacionados: 
Conheça a ONG dona da plataforma que criou um site usado pelo Sleeping Giants 
A milícia digital anônima contra a liberdade de expressão 
China formaliza prisão de jornalista australiana 
A imprensa está virando religião 
Mr. Bean em guerra contra a prática do “cancelamento” 
Youtube tira do ar canais do Terça Livre 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-