quarta-feira, 25 de maio de 2022

Inveja dos super-ricos

Telmo Azevedo Fernandes

A Oxfam é uma organização, supostamente não-governamental, mas que tem um orçamento superior a mil milhões de dólares com origem sobretudo em subsídios de diversos governos. Tornou-se uma agremiação de ativistas da esquerda radical com discurso neomarxista.

O Fórum Econômico Mundial foi fundado por um sinistro economista alemão e a instituição tem-se dedicado a promover algumas das ideias mais perigosas e nefastas para uma sociedade livre. No encontro anual do Fórum Econômico Mundial em Davos, a Oxfam apresentou pela enésima vez um alerta dramático sobre a crescente desigualdade no mundo. E há dias fez títulos de jornais a sua estimativa de que durante a pandemia surgiram no mundo mais 573 multimilionários e que a cada 33 horas mais um milhão de pessoas entra na pobreza.

Há décadas que Oxfam tenta provar que a riqueza do mundo está concentrada nas mãos de uma conspiração maligna de indivíduos super-ricos e que os ricos só ficam mais ricos à custa dos pobres.

Para estes fanáticos esquerdistas, a riqueza é essencialmente má e imoral. A sua solução milagrosa para acabar com a pobreza e a desigualdade é sempre a mesma: um ataque fiscal, impostos sobre a riqueza, impostos extraordinários e a expropriação de fortunas. Este ano querem um imposto único sobre os chamados “lucros pandémicos inesperados” e um imposto de 90% sobre todas as grandes empresas que tenham tido lucros durante a crise da covid e da Ucrânia.

Entre muitas outras parvoíces e asneiras, a Oxfam não percebe por que é que a pobreza no mundo diminuiu drasticamente nas últimas décadas, assim como ignora capciosamente o facto de a riqueza não existir naturalmente. A riqueza não cai do céu, nem brota do chão. A riqueza é fruto do engenho, iniciativa e esforço humanos. Toda riqueza teve primeiro de ser criada antes que alguém a possa roubar ou dela beneficiar honestamente. A riqueza tem de ser criada e produzida e a principal maneira de ficar rico é produzir algo que as pessoas valorizem. Ao contrário do que diz a Oxfam, a riqueza é uma das principais recompensas do trabalho produtivo. Impostos sobre a riqueza reduzem o incentivo à produção.

Por outro lado, um bilionário não pode simplesmente levantar toda a fortuna ao balcão de um banco. Tipicamente apenas 1% da riqueza do bilionário é mantida em dinheiro. O grosso dessa riqueza está em ações das suas próprias empresas, juntamente com aplicações financeiras, metais preciosos, imobiliário e outros ativos. Portanto, a ideia adolescente da Oxfam de ir caçar a fortuna dos super-ricos exigiria uma gigantesca venda de ativos, e incluiria por exemplo mandar para o desemprego milhares de trabalhadores das empresas desses bilionários e esvaziar fundos de pensões de milhões de pessoas da classe média. Além de que a expropriação de riqueza dos super-ricos só aconteceria uma vez e não daria para distribuir nada nos anos seguintes.

Não se melhora as condições de vida dos pobres tirando riqueza ou rendimento aos ricos. Precisamos é de economias mais produtivas, menos estado e mais trocas comerciais livres como queria a Oxfam aquando da sua criação no tempo da segunda grande guerra.

A inveja é um sentimento muito feio!

A minha crônica-vídeo de hoje, aqui:


Título, Texto e Vídeo: Telmo Azevedo Fernandes, Blasfémias, 25-5-2022
Marcação de Texto: JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-