terça-feira, 30 de setembro de 2014

[AERUS] Obrigado, Judiciário!

A paulada foi desferida em 12 de abril de 2006. Há quase NOVE anos!
Desde então, muito se lutou e muitos lutaram, sós ou acompanhados.

Políticos, houve de todos os feitios e intenções. A maioria, se não a esmagadora, puros viajantes na onda da angústia alheia. Dentro dessa maioria, muitos tinham propósitos eleitorais. Eleição passada, luta abandonada. Outros tantos, têm ideologias políticas ultrapassadas, tipo “Yankees, go home!”. Uns e outros foram levados às manifestações de ex-trabalhadores da Varig, até à confraternização anual dos comissários aposentados da Varig – que era de comissários aposentados. Eu estive lá e vi-os.

(Agora, pelo que percebo, a organização optou, de vez, pelo “politicamente correto”, quer dizer, ‘todos’ podem participar dessa “confraternização” que, sempre e ainda hoje, avizinha o dia 31 de maio, Dia do Comissário de Voo.)  

Este que vos escreve sempre foi e é ferrenho defensor de manifestações de rua, com um, dez, trinta ou trezentos.

Acredito na conversa e no contato político. Desde que tenhamos, atrás, do lado, ou no hall do edifício onde estamos “contatando”, dezenas de representados. É a mesmíssima coisa que acontece por ocasião das negociações entre sindicatos, de empregados e patronais. Por isso as assembleias gerais que, quando lotadas, além de sublinhar a legitimidade dos negociadores, reforçam a segurança pessoal e estimulam os mesmos.

E também por isso a esquerdalha serve-se deste princípio em causa própria, não tem nada de ideal: fretam ônibus, ‘ocupam’ dependências, inventam narrativas, como confinados, coitados, espoliados, guerreiros, etc… tudo a serviço deles, não de um ideal, não de uma causa. Embora façam parecer, com competência, que sim, estão ali pela “causa”…

Israel proíbe cavalos em carroças: fim da crueldade

Foto: Alex Roskowsky/NRG 

Em plena guerra, Israel deu um exemplo para para por fim à crueldade com animais.
O país acaba de se tornar o primeiro do mundo a proibir carroças e carruagens puxadas por cavalos e burros.
A mudança veio depois de dez anos de campanha do grupo israelense de direitos dos animais israelense Hakol Chai, que ajudou a redigir a legislação.

O grupo documentou o abuso que sofriam cavalos e burros, obrigados a transportar cargas pesadas de lixo, restos de construção...

Os animais frequentemente passavam fome, eram espancados, privados de cuidados veterinários básicos, e forçados a trabalhar longas horas sob o sol quente, sem acesso à sombra ou água.

E quando não podiam mais trabalhar, muitos cavalos eram simplesmente abandonados.

Um ensaio sobre a zumbificação petista

Valdemar Habitzreuter
É normal termos sentimentos...
O coração do ser humano é um mar de emoções que afloram quais ondas ao sabor das situações reinantes, calmas ou tempestivas. Ora sente-se alegre, ora triste. Ora sente amor, ora ódio. Quando a situação lhe é favorável exulta de alegria. Quando lhe é desfavorável cai na desolação. A persistir a situação agradável, sente amor pela vida. A persistir opressora, sente frustração. Quando a situação opressora é causada por agentes humanos o coração é invadido pelo ódio a eles. Todos sentimentos legítimos.

Mas ocorre algo incomum em nossa sociedade brasileira, a zumbificação ou a transferência de sentimentos. Vemos pessoas de coração alienado, sem alegria nem tristeza próprias, sem amor nem ódio próprios.

Deixam-se levar pelo que outros sentem e assim anulam seus sentimentos pessoais para deixar pulsar em seus corações como que sentimentos alheios, sentimentos estes que os levam à morte da vontade de viver por si mesmo e serem autênticos. Podemos chamá-los de petistas. São zumbis que vagueiam com coração de outrem e, portanto, não têm sentimentos próprios. Guiam-se pelos ditames hipnóticos dos sentimentos de seus gurus: “vocês sentirão amor eterno ao Lula”; “vocês sentirão ódio aos seus opositores”; “vocês...” Enfim, não têm seus
próprios sentimentos, não têm liberdade de sentimentos. São excrescência política, pois são nulidades no aperfeiçoamento da democracia.

É triste isto o que está acontecendo em nossa sociedade. O PT domina a mente de grande parcela ou da maioria de nossa gente. Esta gente é manipulada para sustentá-lo no poder. E isto já há doze anos. Estas pessoas perderam a faculdade da reflexão, não conseguem mais vislumbrar situação mais favorável que possa restituir-lhes sua personalidade autônoma. Preferem esta situação degradante de dependentes e viver qual cachorrinho lambendo seu dono na ânsia de ganhar algum petisco para comer. Triste! Uma lástima!

Aécio e Marina em empate técnico

Prezado Candidato Aécio Neves:

Alegra-me saber desde novo resultado, mas continuo temeroso que os aposentados, todos, independente de quanto tenha sido as suas contribuições no passado, estarão condenados a receber apenas UM salário-mínimo se o PT conseguir reeleger sua candidata. Não nos iludamos, porque a Dilma, através dos seus fiéis eleitores beneficiários de todas as espécies de bolsas benesses, certamente estará garantida para o segundo turno.

Não entendo porque vossa excelência reluta em declarar nas campanhas que olhará para os aposentados com outra ótica mais justa e humana. Existem milhões de aposentados que anularão os seus votos ante o seu silêncio. Vide a outra candidata Luciana Genro, que no desespero porque suas chances são nulas, tentou no último debate explorar com inteligência o crucial problema dos aposentados subindo mais alguns pontos perante os seus apoiadores. Estivesse ela lá em cima nas pesquisas, tenho a certeza que arrebataria facilmente esta eleição.

Vossa excelência está muito bem nas pesquisas, faltando apenas dar o cheque mate nos rivais, o que será conseguido se falar mais favoravelmente a esta categoria de velhos trabalhadores, que eles estão sim, nos seus planos de governo. Concordo que possa até ser um temeridade e um embaraço para a sua gestão, porque deixaram a discriminação contra aposentados chegar até ao perverso ponto que chegou! Tornou-se um "nó cego", que ninguém se encoraja a desatá-lo... 

Levy Fidelix e a suposta homofobia: na democracia, dizer besteira é diferente de praticar crime

Ou: Uma OAB covarde vai à Justiça contra Fidelix; uma OAB corajosa iria à Justiça contra Dilma Rousseff. Ou: De Gays e cabeças cortadas

Reinaldo Azevedo

Imaginem se, um dia, se votasse uma lei no Brasil ou em qualquer parte do mundo proibindo as pessoas de ser imbecis e de dizer imbecilidades. Quanto tempo vocês acham que demoraria para que se chegasse a uma tirania das mais odiosas? Levy Fidelix (PRTB), o eterno candidato do aerotrem, disse uma porção de sandices sobre homossexualidade no debate da Record? Disse. É a única tolice que afirmou nessa campanha? Não! Justiça se faça, ele nem chega a ser o campeão das asnices — Luciana Genro, do PSOL, vence essa disputa com todos os pés nas costas, num confronto acirrado com Eduardo Jorge, do PV. A maior de todas, ainda que dita em solo estrangeiro, é a de Dilma Rousseff: pregou a negociação com terroristas que cortam cabeças e praticam fuzilamentos e estupros em massa.

Muito bem. No debate da emissora, Luciana perguntou a Fidelix por que defensores da família se recusam a reconhecer como família um casal do mesmo sexo. O homem do PRTB afirmou o que segue no vídeo:


Trata-se de um apanhado de bobagens? Não resta a menor dúvida. Mas há crime? Ora, tenham a santa paciência! Tanto os demais debatedores não entenderam assim que ninguém reagiu — nem a própria Luciana. Na democracia, reitero, existe espaço para as opiniões idiotas. Leiam o que disse Fidelix Reproduzo aspas:

– “dois iguais não fazem filho”;.
– “aparelho excretor não reproduz”;
– “como é que pode um pai de família, um avô, ficar aqui, escorado (?), com medo de perder voto? Prefiro não ter esses votos, mas ser um pai, um avô, que tem vergonha na cara, que instrua seu filho, que instrua seu neto.”
– “eu vi agora o papa, o Santo Padre, expurgar, fez muito bem, do Vaticano um pedófilo”.
– “que façam um bom proveito se quiserem fazer de continuar como estão, mas eu, presidente da República, não vou estimular. Se está na lei, que fique como está, mas estimular, jamais!, a união homoafetiva”.
– “Luciana, o Brasil tem 200 milhões de habitantes. Se começarmos a estimular isso aí, daqui a pouco vai reduzir para 100 [milhões]. Vai para Paulista, anda lá e vê. É feio o negócio, né?”
– “esses que têm esses problemas, que sejam atendidos no plano afetivo, psicológico, mas bem longe da gente, porque aqui não dá”.

Em menos de quatro anos, Petrobras perdeu um Bradesco em valor

Implicante
Desde maio de 2008, a estatal já perdeu 68% de seu valor de mercado e atingiu o posto de empresa mais endividada do mundo.
Da Veja:



Após a queda de 11% de suas ações na Bolsa nesta segunda-feira (29), a Petrobras encerrou o dia valendo R$ 236 bilhões, e deixou de ser a maior empresa do Brasil em valor de mercado. Com a queda, as ações da estatal acumulam, apenas no governo Dilma, um recuo de R$ 144 bilhões em valor de mercado, como se tivesse perdido “um Bradesco” em menos de quatro anos (o banco é avaliado em R$ 149 bilhões). Desde maio de 2008, a Petrobras já perdeu 65% do seu valor de mercado, e atingiu o posto de empresa mais endividada do mundo (R$ 300 bilhões). 
Título e Texto: Implicante, 30-9-2014

Germany Fights on Two Fronts to Preserve the Eurozone

Adriano Bosoni and Mark Fleming-Williams

The European Court of Justice announced Sept. 22 that hearings in the case against the European Central Bank's (ECB) bond-buying scheme known as Outright Monetary Transactions (OMT) will begin Oct. 14. Though the process is likely to be lengthy, with a judgment not due until mid-2015, the ruling will have serious implications for Germany's relationship with the rest of the eurozone. The timing could hardly be worse, coming as an anti-euro party has recently been making strides in the German political scene, steadily undermining the government's room for maneuver.

The roots of the case go back to late 2011, when Italian and Spanish sovereign bond yields were following their Greek counterparts to sky-high levels as the markets showed that they had lost confidence in the eurozone's most troubled economies' ability to turn themselves around. By summer 2012 the situation in Europe was desperate. Bailouts had been undertaken in Greece, Ireland and Portugal, while Italy was getting dangerously close to needing one. But Italy's economy, and particularly its gargantuan levels of government debt, meant that it would be too big to receive similar treatment. In any event, the previous bailouts were not calming financial markets.


As Spain and Italy's bond yields lurched around the 7 percent mark, considered the point where default becomes inevitable, the new president of the European Central Bank, Mario Draghi, said that the ECB was willing to do whatever it took to save the euro. In concert with the heads of the European governments, the ECB developed a mechanism that enables it to buy unlimited numbers of sovereign bonds to stabilize a member country, a weapon large enough to cow bond traders.

ECB President Mario Draghi never actually had to step in because the promise of intervention in bond markets convinced investors that eurozone countries would not be allowed to default. But Draghi's solution was not to everyone's taste. Notable opponents included Jens Weidmann, president of the German Bundesbank. Along with many Germans, Weidmann felt the ECB was overstepping its jurisdictional boundaries, since EU treaties bar the bank from financing member states. Worse, were OMT ever actually used, it essentially would be spending German money to bail out what many Germans considered profligate Southern Europeans.

In early 2013, a group of economics and constitutional law professors from German universities collected some 35,000 signatures and brought OMT before the German Constitutional Court. During a hearing in June 2013, Weidmann testified for the prosecution. In February 2014, the court delivered an unexpected verdict, ruling 6-2 that the central bank had in fact overstepped its boundaries, though it also referred the matter to the European Court of Justice. Recognizing the profound importance of this issue, the court acknowledged that a more restrictive interpretation of OMT by the European Court of Justice could make it legal.

Segunda Guerra Mundial — um prognóstico

ABIM

A propósito dos 75 anos da eclosão da Segunda Guerra Mundial convém destacar um impressionante prognóstico.

Em Fátima, no dia 13 de julho de 1917, na terceira aparição da Santíssima Virgem aos três pastorinhos, Ela previu o fim da Primeira Grande Guerra: “A guerra vai acabar. Mas se [os homens] não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior”.

De fato, a profecia cumpriu-se. Terminou a Primeira Grande Guerra e 21 anos depois eclodiu a Segunda Guerra Mundial. Oficialmente ela começou em setembro de 1939, já no reinado de Pio XII, mas de fato ela se iniciara antes, no reinado de Pio XI, com a anexação da Áustria e a invasão da Tchecoslováquia pelos nazistas e com o Tratado de Munique.

Dez anos antes da deflagração desse conflito mundial, Plinio Corrêa de Oliveira o prognosticou em memorável carta que escrevera a um amigo em 1929. Eis um excerto da mesma:

“Meu caro
Cada vez mais se acentua em mim a impressão de que estamos no vestíbulo de uma época cheia de sofrimentos e lutas. Por toda a parte, o sofrimento da Igreja se torna mais intenso, e a luta se aproxima mais. Tenho a impressão de que as nuvens do horizonte político estão baixando. Não tarda a tempestade, que deverá ter uma guerra mundial como simples prefácio. Mas esta guerra espalhará pelo mundo inteiro uma tal confusão, que as revoluções surgirão em todos os cantos, e a putrefação do triste século XX atingirá seu auge. Aí, então, surgirão as forças do mal que, como os vermes, somente aparecem nos momentos em que a putrefação culmina. Todo o ‘bas-fond’ [a parte mais baixa] da sociedade subirá à tona, e a Igreja será perseguida por toda a parte. Mas… ‘et ego dico tibi quia tu es Petrus, et super hanc petram aedificabo Ecclesiam meam, et portae inferi non praevalebunt adversus Eam’.(1) Como consequência, ou teremos ‘un nouveau Moyen Age’[uma nova Idade Média] ou teremos o fim do mundo. Eis a nossa principal tarefa: prepararmo-nos para a luta, e preparar a Igreja, como o marinheiro que prepara o navio antes da tempestade”.(2)

(1)“Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16, 18).
(2) Roberto de Mattei, “O Cruzado do Século XX – Plínio Corrêa de Oliveira”, Livraria Civilização Editora, Porto, 1997, p. 110.

Título, Imagem e Texto: Agência Boa Imprensa, 30-9-2014

Thomaz Raposo em resposta à malta petista: "trabalho com respeito e dedicação a todos"

A APRUS é uma associação que sempre poderá vir a errar em algum trabalho, pois só se expõe ao erro quem se apresenta em trabalho, mas peço a reflexão para o escrito abaixo que transmite os erros de interpretação comentados.

Este foi o questionamento, o qual lamento, de Graziella e seu advogado. Veja abaixo a íntegra do comentário feito e o despacho final do Desembargador Daniel Paes.

"Hoje pela manhã recebemos um e-mail com uma mensagem do Presidente da APRUS. Verificamos junto ao site da Aprus e a mensagem também está disponível no site da Associação.
Nessa mensagem há uma informação absurda em relação à decisão da antecipação de tutela. Afirma a mensagem que a decisão somente beneficia os aposentados e pensionistas da Varig e Transbrasil, o que é um verdadeiro absurdo.
Mensagem postada no Blog Castagna Maia

“Ante o exposto, com amparo no § 7º do art. 273, combinado com o art. 461, § 3º, do Código de Processo Civil, defiro o pedido de antecipação dos efeitos da tutela recursal, nos termos em que formulado anteriormente (fl. 1.144 – 5º vol.), vale dizer, para que a União e o Instituto Aerus de Seguridade Social “mantenham os pagamentos de complementação de aposentadorias, pensões e auxílios-doença na exata forma como ocorriam às vésperas da liquidação dos denominados Planos Varig e Transbrasil, a partir de aportes mensais da União ao Aerus nos valores necessários”. Estabeleço o prazo de 30 (trinta) dias, a contar da data da intimação, para o cumprimento desta decisão, findo o qual, sem cumprimento, incidirá multa diária, que fixo em R$ 100.000,00 (cem mil reais).”
Fecho da sentença do Desembargador Daniel Paes 

Pergunto: qual a diferença?
Informo que a diferença entre o que escrevo e o que a senhora Graziella fala é que ela se engana que os participantes estarão contemplados, isto é, os ativos estarão neste contexto, quando o desembargador não descreve isto como um fato. 

Em minha mensagem agradeço até a ação civil pública que possibilita o acordo proposto. Não entendo a raiva transmitida quanto aos meus trabalhos, que são feitos com respeito e dedicação a todos, inclusive àqueles que, por motivos desconhecidos por mim, não compactuam com o objetivo da APRUS, que é de todos. 
Texto: Thomaz Raposo, APRUS, 30-9-2014

Relacionados:

A mega quadrilha

Estou lhe enviando este vídeo que apesar de escrito há mais de dois anos continua atual. Se concordarem com o conteúdo do texto, por favor, peço que divulguem.
Precisamos abrir os braços para não sermos engolidos pela mega quadrilha que tomou conta e está destruindo o nosso país.
EM TEMPO: não tenho nenhuma pretensão política, apenas exerço minha cidadania.
Humberto de Luna Freire Filho, 30-9-2014

A República Federativa do Brasil, constitucionalmente, deveria ter os três poderes independentes. O Poder Executivo, o Poder Legislativo e o Poder Judiciário. Todos responsáveis pelo desempenho, manutenção e defesa de uma democracia representativa.

Porém, o que hoje temos nessa republiqueta bananal é nada mais, nada menos, que um poder Executivo extremamente corrupto, inconstitucionalmente tocado por um presidente de fato que faz da presidente de direito sua porta voz e pau mandado.

O Palácio do Planalto tornou submissos os outros dois poderes, resultando uma democracia sem nenhuma representatividade e extremamente cara ao cidadão brasileiro, uma vez que o governo, em benefício do partido e dos seus corruptos dirigentes, usa o dinheiro público para comprar corações e mentes na execução de um projeto de perpetuação no poder.

Aparelha o Estado, loteando vinte e três mil cargos públicos de confiança entre incompetentes e corruptos, porém, obedientes militantes de esquerda, que, além de repassarem parte de seus salários para o partido, têm carta branca para roubar em nome de uma ideologia que despreza os princípios éticos e morais e defende que todos os meios são válidos para atingir um fim.
Humberto de Luna Freire Filho, 28-11-2011 

Experiência e sabedoria

Nelson Teixeira
Em todos os momentos e situações pelas quais passamos na vida, estamos sempre aprendendo.
No estágio evolutivo em que nos encontramos cometemos mais erros do que acertos, porém não devemos nos desanimar ou nos desencorajar por isso.

Não nos esqueçamos de que os erros, os enganos, as dificuldades pelas quais passamos são nossos verdadeiros mestres.

São esses os caminhos que nos levarão ao acerto, à verdade e à vitória final, com certeza.
As diversas tentativas que fazemos até que possamos encontrar, o caminho certo nos trazem muitas experiências.

A experiência por sua vez nos torna mais sábios.

Assim, não nos sintamos, jamais, derrotados, mas sim pessoas que diante das várias batalhas da vida tornam-se mais fortes, experientes, mais confiantes e com a fé renovada.

Tornamo-nos pessoas mais ricas espiritualmente e intelectualmente.
Não é outra a razão de estarmos aqui, nesta escola da vida!

Título e Texto: Nelson Teixeira, Gotas de Paz, 30-9-2014

segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Cristiano chega a 30 milhões de seguidores no Twitter, o dobro de Neymar e LeBron

Três brasileiros aparecem entre os dez atletas mais populares da rede social
 
Foto: Jonathan Nackstrand/AFP/VEJA
Eleito o melhor jogador do mundo em 2013, o atacante português Cristiano Ronaldo, do Real Madrid, comprovou seu sucesso também fora de campo ao chegar aos 30 milhões de seguidores em sua conta oficial no Twitter. "Wow! Alcancei os 30 milhões de seguidores no Twitter, isso é incrível. Obrigado a todos", disse o craque do Real Madrid em um tweet publicado nesta quarta-feira, em inglês. O craque português lidera a lista dos atletas mais populares da rede social com sobras – tem duas vezes mais seguidores que o brasileiro Neymar. O Brasil, no entanto, está bem representado: assim como a Espanha, o país tem três atletas entre os "top 10". Além de jogadores de futebol, a lista conta com dois astros da NBA, a liga americana de basquete.  
Fonte: VEJA

Franklin Martins procura economista que torture os números da desigualdade

Foto: André Dusek/Agência Estado/VEJA

O ex-ministro da Secretaria de Comunicação do governo Lula Franklin Martins [foto] está irado. Desde que foi revelado pelo site de VEJA o estudo O Topo da Distribuição de Renda no Brasil, que mostra que a concentração de riqueza aumentou entre 2006 e 2012, o petista que comanda o site Muda Mais — o disparador oficial de mentiras do partido — tem buscado, sem cessar, um economista que rebata os números que constam do estudo. Martins já recorreu ao Ipea e à Unicamp, sem sucesso. Economistas do próprio PT foram chamados para desconstruir o levantamento, mas não aceitaram.
Título e Texto: Ana Clara Costa, VEJA

Terra de Marlboro

José Manuel

"Os brasileiros têm algo de paradoxal. Eles não têm dúvida de que os políticos e os partidos são corruptos e, ao mesmo tempo, querem lhes dar mais poder para influenciar a vida de todos os cidadãos.”
João Pereira Coutinho, em entrevista à VEJA, edição de 1º de outubro de 2014

Até algum tempo atrás, a  "Terra de Marlboro" era apenas fruto da imaginação. Apenas a ficção e diretores como John Ford ou Fred Zinemann conseguiam retratá-las nos filmes de western.
Entretanto, a passividade e a docilidade dos cidadãos, associadas à falta de compromisso da classe política fez com que o Estado brasileiro, com raríssimas exceções tenha passado a ser a verdadeira, "Terra de Marlboro".
Na nossa muito peculiar  "Terra", os aposentados são tratados da forma que estão sendo, quando os seus salários compram cada vez menos, os reajustes (5%) são menores em detrimento de bolsas assistencialistas que consomem maior percentual (10%), sem nenhuma explicação plausível a todos os seus anos de trabalho.

Na "Terra de Marlboro", a corrupção consegue se infiltrar nos fundos de pensão públicos, devastando-os.
Nos fundos de pensão privados como o  AERUS, por exemplo, a falta de fiscalização técnica, profissional e ética, levou à ruína as famílias de 1.050 participantes aposentados que já morreram ao longo de quase nove anos.

Em  nossa "Terra" os aposentados desse fundo com idade já avançada e  que sobreviveram a esse holocausto vivem a duras penas após terem sido considerados vencedores em instâncias máximas de justiça já por três vezes, mas o lema lá, é e sempre foi "ganha mas não leva".

Na  "Terra de Marlboro", por exemplo, um micro empresário que deve um pequeno empréstimo por sistemas econômicos perniciosos a ele imputados e está tentando escalonar a sua dívida com um banco, é colocado  sumariamente em cadastro de pessoas inadimplentes, enquanto a dívida em impostos atrasados, do próprio banco segundo pesquisa google que qualquer um pode acessar, com a Receita Federal é nada mais, nada menos, do que R$ 18,7 bilhões.

O micro empresário não tem dívidas com a Receita Federal, mas é inadimplente segundo o referido banco. O mesmo banco não se considera inadimplente, pois está acima do bem e do mal. Coisas típicas da  "Terra".

Onde está a elite psicopática de Marina Silva?


Luciano Ayan
Ontem eu acompanhava o debate da Record quando recebi o seguinte SMS: “Note que a Marina não critica o decreto 8243, portanto é igual”. Este é o eterno erro de avaliação unicamente por intenção, que tem nublado boa parte de nossa capacidade para tomar decisões nesta eleição.

A avaliação unicamente por intenção significa igualar as pessoas apenas por suas intenções. Ou seja, se alguém diz que tem intenção de implementar o futebol de José Mourinho, automaticamente já se permite ser contratada por um grande time europeu, pois a intenção similar igualaria os seres humanos. Neste universo, bastaria alguém declarar ter a mesma intenção do CEO de sua empresa para poder ganhar um cargo similar. Em suma, este é o erro bizarro da avaliação unicamente por intenção.

Na verdade, a avaliação de intenção deveria ser apenas um dos fatores no processo de tomada de decisão, mas não o único. E sempre que a direita iguala Marina e Dilma como escolhas para a eleição apenas por algumas intenções similares de Marina em comparação ao PT comete o erro assustador visto na avaliação unicamente por intenção.

Por qual motivo devemos tirar o PT do poder? Principalmente por que o partido se tornou uma ameaça à democracia, e, com isso, uma ameaça a todos nós adeptos da liberdade. Mas as intenções do PT não seriam nada se eles não tivessem uma militância preparada, um aparelho montado e, principalmente, uma elite psicopática.

Um vermelho-e-azul com Bebel, a professora petista que é chefona da APEOESP e espanca a língua portuguesa, o bom senso e a boa educação! Ou: analfabetismo cruzado

Reinaldo Azevedo

Bebel, em 2010, posa para o fotógrafo
Caio Guatelli (Folhapress)
Na quinta-feira passada, escrevi aqui um post sobre uma manifestação promovida por Izabel Noronha, conhecida como “Bebel”, presidente da Apeoesp, o sindicato de professores da rede oficial de ensino de São Paulo. Por quê? O dissídio da categoria é em março. Bebel houve por bem convocar uma manifestação de docentes com seis meses de antecedência para, supostamente, tratar do reajuste. Conversa mole. Era apenas campanha eleitoral em favor do PT, como evidencia reportagem da Folha. Esta senhora e seu sindicato são conhecidos esbirros do partido.

O link do que escrevi está ali. Como vocês poderão constatar, não desferi uma única ofensa pessoal contra esta senhora. Fiz crítica política apenas. Ah, ela ficou muito zangada e resolveu responder — uma resposta, em tese, pessoal. Mas quê… Os impropérios de Bebel, procurei no Google, já se espalharam por todos os sites e blogs que trabalham para o PT — alguns por convicção, outros (a maioria!) por dinheiro.

Muito bem! Abaixo, em vermelho, segue o ataque que ela desferiu contra mim. Respondo, ponto a ponto, em azul. Vamos ao divertimento (eu adoro isso!!!).
*
Senhor Reinaldo Azevedo,
Vergonha deveria ter a imprensa brasileira por dar abrigo a um pseudo-jornalista como o senhor.
Não por isso, dona Bebel! Na condição de professora de português, envergonhe-se de sua gramática e de sua ortografia. Mas compreendo: a senhora está longe da sala de aula faz tempo, né? Há muito não sabe o que é acordar cedo para encarar os estudantes. Fez carreira como burocrata sindical e, estou certo, não pretende voltar à lida tão cedo. Em tempo: o certo é “pseudojornalista”. Ou “pseudoprofessora”.

Não me surpreende que a Revista Veja o mantenha como um de seus colunistas, porque o senhor e essa revista se merecem, tal o baixíssimo nível de vossos textos.
Tenho três empregos, dona Bebel. Os três em empresas jornalísticas privadas. Não mamo nas tetas do dinheiro público. Sei que a senhora e seu partido adorariam decidir quais jornalistas poderiam e quais não poderiam trabalhar. Vocês lutam por isso. Por enquanto ao menos, a senhora vai ter de me engolir. Sobre o “vossos” do seu texto, leia no fim do post.

Sou líder, sim, reconhecida e reconduzida pelos professores e professoras à Presidência da minha entidade, o maior sindicato da América Latina, pela quarta vez.
Noto que ela sente orgulho daquilo de que deveria se envergonhar: presidente pela quarta vez do sindicato!!! Então esta é agora a sua profissão: presidente de sindicato! Professora de português provavelmente sofrível, esta senhora não deve ser melhor com a matemática. Vamos ver.

Romário e Cesar Maia disputam vaga ao Senado pelo Rio

Sofia Cerqueira e Ernesto Neves

No campo da política, os dois candidatos mais bem colocados na corrida ao Senado pelo Rio adotaram táticas semelhantes na reta final de campanha.

A estratégia é ir com tudo para cima do eleitor. Com o vigor de um ex-atacante, Romário (PSB), que tem 44% das intenções de voto segundo o Ibope, mantém uma rotina diária de pelo menos cinco compromissos, entre caminhadas, carreatas e reuniões com simpatizantes. O ex-prefeito Cesar Maia (DEM), com 21% das intenções de voto, mesmo limitado por um problema crônico de coluna, cumpre ao menos três agendas de corpo a corpo por dia, apertando a mão de todo mundo — uma quantidade de cumprimentos que pode ultrapassar, segundo ele, 80 000 fluminenses.

Mas as similaridades entre os dois adversários terminam aí. Romário, bad boy transformado em deputado federal, enfrenta sua segunda eleição.

De lançador de factoides a ermitão, após três gestões na prefeitura (1993-1996, 2001-2004 e 2005-2008), Cesar Maia experimenta seu nono teste nas urnas. “Nenhum candidato é tão bem preparado para o Senado como eu. Não são cinco anos de vida pública, são 48”, ressalta. “Apesar de não ter a bagagem de outros candidatos, tenho os atributos de bom político. Cobro, fiscalizo, denuncio”, dribla o ex-craque.

Com apenas uma vaga no Senado em jogo, a disputa promete ser acirrada até o apito final. O atacante, campeão mundial em 1994, sempre teve uma trajetória polêmica fora dos campos. Além dos gols que o transformaram no terceiro maior artilheiro da seleção brasileira, Romário, hoje com 48 anos, traz no currículo um histórico de confusões. Casado três vezes e pai de seis filhos, chegou a ser preso por não pagar pensão alimentícia e é réu, ou foi pelo menos citado, em meia centena de processos. Os imbróglios vão de problemas com a Receita a confusões em condomínios. Após o nascimento da filha, Ivy, que está com 9 anos e tem síndrome de Down, tornou-se defensor ferrenho dos direitos dos portadores de necessidades especiais. “Minha inspiração para entrar na política foi ela”, diz o jogador aposentado.

Avaliação do debate dos presidenciáveis na Record, em 28 de setembro

Luciano Ayan

O debate dos presidenciáveis na TV Record foi muito melhor do que o vergonhoso debate na CNBB. A grande vantagem do evento ocorrido ontem, 28/09, é que ele foi quase todo baseado em confrontos entre candidatos. A exceção foi uma rodada de perguntas de jornalistas aos candidatos. No restante, o couro comeu. 
Em uma avaliação geral, Aécio foi o vitorioso, enquanto Dilma e Marina praticamente empataram. Mas vamos a mais detalhes.

Logo no começo, Dilma questionou Marina sobre suas “mudanças de posição”, e cravou na testa desta última o rótulo de mentirosa, pelo fato de ter votado contra a CPMF mas ter afirmado em campanha que votou a favor. Ponto para Dilma neste momento. Foi um dos raros instantes onde a candidata se deu bem.

Em seguida, o revide de Marina veio quando ela falou do fracasso da política do governo para o etanol, mencionando a perda de 60.000 empregos. Dilma saiu-se com respostas vagas, que não neutralizaram o ataque.

De resto, Dilma acabou sofrendo ataques de todos os lados. O que não foi bom para a imagem do governo. Alias, ela pediu quatro direitos de resposta e só conseguiu um.

Já Aécio Neves simplesmente esmagou Dilma Rousseff em dois momentos: ao citar a corrupção na Petrobrás (em dobradinha com o Pastor Everaldo) e, especialmente, quando citou a aberração da semana passada, a proposta feita por Dilma na ONU por negociação com terroristas que decepam cabeças (termo utilizado por Aécio). Chego a dizer que esta foi a melhor atuação de Aécio nos debates para presidente.

Mas existem pontos a serem corrigidos, como uma mania horrível que ele precisa perder, que é a de deixar acusações sem contra-ataques a todos os pontos. Veja o que Dilma afirmou:

Tem gente que combate para usar as denúncias de corrupção para enfraquecer a Petrobras. Eu registro que os senhores foram sempre favoráveis a uma relação com a Petrobras de privatização. É eleitoreiro falar o que senhor vai reestatizar. Aliás, o senhor vendeu uma parte das ações a preço de banana e tentaram tirar o “bras” do nome Petrobras, de Brasil, por quê? Para vender mais fácil no exterior.

Nesses momentos, ele geralmente se esquece das acusações e foca apenas no tema principal em discussão. Mas veja como ele poderia responder: “Dilma não sabe do que fala. Estudos sobre Petrobrax nunca tiveram nada a ver com privatização. Isso é uma mentira calhorda. Sempre que ela acusar a gente dizendo que nós queríamos privatizar a Petrobrás, podemos dizer na cara dela, de cabeça erguida, que ela mente de forma cretina. Quem mente desse jeito não é confiável. Quem denuncia a corrupção, como nós, só pode fortalecer a Petrobrás, que tem sido danificada pelo PT”.

Debate da Record: o “esquenta” para o da Globo. Ou: O mudancista, a reacionária e a perseguida

Reinaldo Azevedo 
O debate deste domingo à noite na TV Record entre os presidenciáveis foi só um “esquenta” para o encontro final, daqui a quatro dias, quando a Globo realiza o último embate antes do primeiro turno. As estratégias estão delineadas. A presidente Dilma Rousseff, do PT, que lidera as pesquisas, não vai conseguir se livrar do tema Petrobras — nem se livrar nem responder coisa com coisa. A exemplo do que se viu ontem, quando confrontada com os escândalos na estatal, a petista tem como resposta o ataque, despropositado como sempre e ancorado numa falsidade: os adversários criticariam a roubalheira na empresa porque estariam querendo privatizá-la, e ela teria feito tudo o que estava a seu alcance para combater os malfeitores. Nem uma coisa nem outra são verdadeiras.

Contra Marina, Dilma encontrou uma arma que se sustenta em fatos, sim. A presidenciável do PSB, com efeito, quando parlamentar, votou contra a criação da CPMF no governo FHC, embora diga por aí ter votado a favor — uma inverdade tola, que só lhe custa desgaste. Dilma a cobrou no ar por isso. A peessebista poderia ter respondido que seguiu a orientação do PT — afinal, o partido votava sistematicamente contra todas as propostas do governo tucano. Mas tentou lá engrolar umas desculpas e acabou se dizendo perseguida pelo jogo bruto dos adversários. Ficou na defensiva. Foi a sua pior atuação. Parece que o jogo pesado alterou um tanto o seu equilíbrio.

O tucano Aécio Neves, como se viu, usou a Petrobras contra Dilma, levou como troco a pecha de privatista — o que é sabidamente falso — e voltou a questionar a coerência de Marina, como vem fazendo. De longe, foi o que teve o melhor desempenho no debate. Repetidas as performances da noite deste domingo na Globo, é possível que haja uma mudança no cenário? Vamos ver.

As estratégias estão estabelecidas. Aécio passou a falar em nome de uma real mudança do país, o que não aconteceria nem com Dilma — que seria o continuísmo com continuidade — nem com Marina, a continuidade sem continuísmo. Dilma abraçou definitivamente a perspectiva reacionária e agora fala em nome do medo: quer que os brasileiros temam um tucano privatista (que não existe; como lembrou o candidato, foi o PT quem privatizou a Petrobras) e alerta para o risco Marina, que estaria sempre mudando de posição. A candidata do PSB por sua vez evoca a sua retidão moral — diz ter mudado de partido para não mudar de lado — e tenta se colocar como a boa vítima dos maus. Neste domingo, essa personagem ficou meio sem lugar no embate. Será preciso voltar à prancheta. 
Título e Texto: Reinaldo Azevedo, 29-9-2014

Thomaz Raposo avalia setembro

Caros participantes, beneficiários, pensionistas do AERUS e associados da APRUS:

Desenho: Francisco Goulão
Setembro foi um mês de decisões tomadas pelo Diretor Presidente com a devida aprovação dos Conselhos Deliberativo e Fiscal da APRUS, pois que os recursos existentes não possibilitavam uma melhor gestão e viagens a Brasília para negociações futuras.

Assim, vendemos a antiga sede, só o condomínio mensal era de R$ 1.700,00 (um mil e setecentos reais) e com o resultado obtido compramos um conjunto de salas na Rua Senador Dantas, salas 1310 a 1312 (condomínio R$ 400,00) onde estaremos em funcionamento a partir da próxima terça-feira, 30 de setembro.

Devo informar que as nossas assembleias futuras continuarão a ocorrer no auditório da Praia do Flamengo, 66, por uma cortesia do atual dono da sala 1109.

Em continuidade aos nossos trabalhos, ações administrativas que já vinham sendo elaboradas com o AERUS, para uma atitude proativa junto ao SUPREMO e ao TRF1, sejam relativas a movimentação da Tarifária (acordão) ou junto ao desembargador Daniel Paes com relação ao processo da Terceira Fonte,  a primeira através de uma petição junto ao SUPREMO e a segunda via um pedido junto ao Desembargador lá no TRF1. Foram efetivadas; a primeira logrou êxito, visto o despacho processual.

Surpreendentemente o desembargador Daniel Paes despachou de forma favorável a sonhada antecipação de tutela referente ao processo da ação civil pública da Associação da TRANSBRASIL e do SINDICATO NACIONAL DOS AERONAUTAS passando a gerar uma enorme satisfação com a possibilidade de aumentarmos os recebimentos dos aposentados da VARIG Planos I e II e da TRANSBRASIL.

Os milhões, os bilhões e os trilhões

José Manuel
São tantos sufixos "lhões", que já nem mais conseguimos distinguir entre Mi, Bi,Tri e se a referência é em R$ reais ou em US$ dólares.

Provavelmente é em dólares, pois normalmente o dinheiro fruto da corrupção generalizada é seguramente depositado lá fora, naqueles paraísos fiscais que todo mundo já conhece.

O que acontece é que mais lá atrás, e ainda na fase dos Mi, a nós mortais e lesados por eles, restava apenas fazer as contas para ver o quanto eles tinham rapinado.

O problema é que quanto mais aparecem delações premiadas, as cifras vão subindo para os Bi, e aí perdemos a noção do que já foi rapinado nestes últimos doze anos.

Tudo começou com a casa dos três zeros, com as parcas, para eles, mas inimagináveis para nós, quantias roubadas, que viajavam nas cuecas e nas meias dos portadores pobres do esquema.

Como estava indo tudo muito fácil e engrenando para cima, o milagre se fez novamente mas agora com a multiplicação dos zeros e aí para a logística da  "viagem" dessas quantias tiveram que sofisticar, então foram criadas empresas com nomes  pomposos que ninguém da tropicália jamais viu nem tampouco sabe o que significam, pois dá muito trabalho: OFFSHORE

Vamos lá, porque, afinal, falar disso também é cultura:

Chamam-se popularmente de offshores as contas bancárias e empresas abertas em paraísos fiscais, geralmente com o intuito de pagar-se menos impostos do que no país de origem dos seus proprietários. Como a grande maioria dos países que permitem a criação desse tipo de empresa anônima — ou a abertura desse tipo de contas bancárias anônimas — fica em ilhas, (tais como as Bermuda, Jersey, Ilhas Cayman, etc.), por extensão de sentido, esse tipo de empresa anônima ou de conta bancária anônima passou a ser chamado de offshore, embora alguns países continentais, como o Grão-Ducado do Luxemburgo  ou o Principado de Mônaco também as permitam, usando esquemas legais diferentes, porém de resultados equivalentes. O termo vem dos tempos dos corsários que saqueavam os mares e depositavam a pilhagem off-shore  (fora da costa).

Sir Francis Drake em 1591, o maior corsário da história. National Maritime Museum, Londres

Minuto do dia – 240

NÃO ponha limites à sua vida!
Procure ouvir as notas harmoniosas e sublimes do canto maravilhoso que se evola da natureza.
Viva sorridente e alegre, para espantar as preocupações, para aliviar as lutas.
Mergulhe sua alma na alma da natureza: absorva a luz do sol, goze a suavidade da lua, contemple o esplendor das estrelas, aspire o perfume das flores.
A vida é bela, apesar das dores e dos contratempos.

Em Hong Kong eles lutam pelo sufrágio universal

Their goal is to pressure China into giving the former British colony full universal suffrage.

Thousands of people kick off Occupy Central by taking over Connaught Road, one of the major highways in Hong Kong, on September 28. Photo: Anthony Kwan/Getty Images


domingo, 28 de setembro de 2014

Frente Nacional chega ao senado francês com a eleição de dois senadores

Ana Castanho
Marine Le Pen considerou uma "vitória histórica" a eleição de dois senadores para a câmara alta francesa. Os grandes derrotados destas eleições parciais são os socialistas.

Foto: AFP/Getty Images

Pela primeira vez, a Frente Nacional conseguiu entrar no Senado francês. Nas eleições parciais para a câmara alta, Marine Le Pen, [foto] líder do partido nacionalista, conseguiu eleger dois senadores, algo que considerou uma “vitória histórica”.

Nestas eleições parciais a grande derrota foi para o Partido Socialista do Presidente François Hollande, que perdeu para a UMP o controlo que tinha desde 2011 sobre a câmara alta francesa. Apesar da derrota das eleições municipais em março e das europeias em maio, Jean-Christophe Cambadélis desvalorizou os resultados. O primeiro secretário do PS francês considerou que esta foi “uma eleição mecânica e não histórica”.

Stéphane Ravier, autarca do sétimo bairro de Marselha, e David Rachline, presidente da câmara de Fréjus, são os dois senadores que a Frente Nacional conseguiu eleger. Nestas eleições estavam em jogo 174 lugares, metade dos 348 que compõem o Senado, num sufrágio realizado através de um colégio eleitoral composto particularmente por eleitos locais e regionais. 
Título e Texto: Ana Castanho, Observador 28-9-2014

Democracia frágil: leis sem sentido e falência das instituições...

Valdemar Habitzreuter
Desde 1889, com a proclamação da República, o Brasil ainda não conseguiu se firmar como uma democracia forte. É difícil estabelecer a causa desse infortúnio, se é a índole do povo com o conformismo do status quo da desordem e bagunça, ou se é a sociedade, como um todo, que não consegue produzir lideranças à altura para promover e concretizar, de uma vez por todas, a democracia no sentido próprio e forte da palavra.

Ao longo da História Republicana brasileira tateou-se entre tentativasde instaurar um regime democrático e experiências de regimes totalitários. Tanto os frágeis períodos democráticos como os períodos de ditaduras foram marcos de desmandos políticos que impediram a que o povo vivesse numa sociedade justa, segura e igualitária.

No dia 5 de outubro, mais uma vez, vamos às urnas para eleger o mandatário-mor da República. Você, caro leitor, consegue identificar alguma liderança forte entre os vários candidatos e possa dizer que vamos entrar numa fase verdadeiramente democrática? Você consegue vislumbrar alguém com forte propensão para defender aquela democracia que respeita as leis e fortalece as instituições sociais? Eu,infelizmente, não vi nenhum candidato com este propósito firme. Seus programas de governo inconsistentes – a maioria ainda não os tem publicados e firmados com convicção – me inspiram ceticismo e desânimo quanto a dias melhores. Continuaremos, pois, na mesmice de sempre, seja quem for o próximo presidente.

O petismo, há 12 anos no poder, demonstrou a que veio: desestruturar de vez os ideais democráticos ao perseguir um regime semi castrista, chavista, querendo com ele estabelecer uma sonhado e ilusório socialismo tupiniquim, com o anúncio da erradicação da pobreza, às custas de pesados impostos ao capital, sem dar a este os incentivos necessários para se sustentar como a força econômica de crescimento do país. A Dilma, nestes 4 anos de governo, desestruturou nossa economia.

"Aécio, mande um recado para os que recebem o bolsa-família"

Antônio Carlos Corrêa
Aécio, hoje é o último debate da campanha, as pesquisas mentirosas e compradas indicam que Dilma ganha de qualquer maneira.

Pois bem, continue falando sobre o seu plano de governo que é muito importante, mas já está passando da hora de tomar uma medida de impacto para tentar dar uma chacoalhada nesta campanha.

Aproveite uma réplica ou uma tréplica, e mande um recado para os quatorze milhões que recebem o bolsa-família.

Diga para eles o seguinte:

Os senhores e senhoras que recebem o bolsa-família não devem se preocupar. Pois nenhum presidente irá mexer no bolsa-família.
O que me assusta é que os senhores e senhoras estão sendo enganados há doze anos, e estão dando os seus votos para quem vos engana por apenas uma bolsa-família mensal?
Vocês não precisam de hospitais?
Vocês não precisam de escolas para seus filhos?
Vocês não precisam de creches para seus filhos?
Vocês não precisam de transporte público?
Vocês não precisam de moradia?
Vocês não precisam de saneamento básico?
Vocês não precisam de remédios?
Vocês não precisam de segurança pública?
E o que os senhores recebem em troca de seus votos? Somente uma bolsa-família? E só isto lhes satisfaz?
Eles dão a vocês somente uma bolsa-família e enriquecem todos que estão à volta deles com esta corrupção que precisamos acabar.
Eu preciso do voto de vocês para devolver para suas famílias muito mais que uma simples bolsa-família por mês.

Do seu eleitor: Antônio Carlos Corrêa, Administrador de empresas e Jornalista, 28-9-2014

PS: Conte com todo o nosso grupo, hoje descobri mais um detalhe a seu respeito, você tem a data de nascimento igual à minha, só que sou um pouco mais velho, 10 de março de 1937.
Um grande abraço e lute sem esmorecer.

A higiene da casa

Alberto Gonçalves
À semelhança do que acontece no futebol, em que todos roubam o que podem e só os adversários o fazem com acinte, a moralidade, no país dos partidos e dos fanáticos dos partidos, é questão de perspectiva. Mesmo que se desconfie, ou até se prove, que Fulano desvia fundos comunitários, aceita subornos e nas horas vagas atropela velhinhas por gozo, os seus fiéis estarão sempre prontos a ignorar os deslizes do chefe na medida em que Sicrano, o chefe dos rivais, também escapou a umas multas por estacionamento em 1982 (ou ao atropelamento de velhinhas em 2005).

Vem isto a propósito do "caso" Tecnoforma. A título de esclarecimento, noto que votei nos senhores que nos governam, por exclusão de partes e talvez por incúria. Informo ainda que acho o Governo em funções uma coisa deprimente, se bem que menos nocivo do que os antecessores e os candidatos a sucessores. Se, contas feitas, PSD e CDS não mudaram quase nada do que se impunha e preservaram quase tudo o que se evitava, acredito que Portugal estaria bastante pior se o Eng. Sócrates tivesse continuado a sua senda de "momentos históricos" e voltará a piorar imenso se o Dr. Costa (em princípio) pegar um dia nisto.

As referências ao PS, porém, terminam aqui. Não pretendo evocar o Freeport, a Universidade Independente, os projectos na Guarda, as escutas do Face Oculta, os apartamentos de Lisboa e Paris e, lá está, as violações do regime de exclusividade parlamentar a fim de relativizar o que apenas os ceguinhos, ou os portugueses, se me permitem a redundância, relativizariam. As alhadas de Pedro Passos Coelho não se desculpam através da culpa alheia.

E a alhada em questão, revelada pela revista Sábado e entretanto assaz popular, resume-se aos 150 mil euros que o Dr. Passos Coelho terá recebido indevidamente entre 1995 e 1999 (por causa da exclusividade do deputado que então ele era) e omitido ao exacto fisco que agora nos consome com sofreguidão. Embora a certeza do crime esteja por apurar, não confortam as garantias de honestidade fornecidas pelo próprio, além dos pedidos ao Parlamento e à Procuradoria-Geral da República para que o ajudem a recordar se recebeu ou não uma quantia que, com sorte, o cidadão médio demora dez anos a ganhar. Por incrível que pareça, residir em Massamá e voar em turística não asseguram a honra de um homem.

Se a história se provasse, não importaria a palavra dada à AR, a baixeza da denúncia anónima, a estabilidade, o futuro, o passado de trapalhadas que outros cometeram: o Dr. Passos Coelho deveria demitir-se. Mas não se demitirá, visto que os obstáculos do costume impedem que se saiba a verdade e a verdade não preocupa o eleitorado, que já condenou ou absolveu o primeiro-ministro de acordo com antipatias ou simpatias prévias. Quem hoje exige a queda do Dr. Passos Coelho defendia ontem o radioso currículo do Eng. Sócrates contra a "cabala". E quem ontem atacava o descaramento do Eng. Sócrates apoia hoje a firmeza do Dr. Passos Coelho. A política é suja porque o País não é muito limpo. 
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Diário de Notícias, 28-9-2014

Testemunhas do vácuo

Alberto Gonçalves
De vez em quando, regressa a ofensiva. Agora foi o físico britânico Stephen Hawking a proclamar, com vasta repercussão, que Deus não existe. Mesmo para um ateu como eu, ou sobretudo para um ateu, estas batalhas de certo ateísmo para aborrecer os crentes são um nadinha tontas.

Pelos vistos, há por aí imensa gente a quem não basta não acreditar numa entidade divina: dá-se a uma trabalheira para converter os outros à sua falta de fé. Um ateu a sério não perde um minuto a pensar na existência ou na inexistência de Deus. Aparentemente, os ateus militantes perdem boa parte da vida a pensar nisso. O fervor deles é religioso.

Deixando a discussão teológica a cargo de especialistas de ambos os lados da trincheira, o facto é que a formulação do senhor Hawking tende para o pueril. De que maneira é que o homem chegou à conclusão acima? Há um teorema demonstrativo, passe a redundância? Viu a Luz? Ou apenas se levantou de manhã (sem brincadeiras com a doença do senhor) e decidiu assim?

E depois temos a arrogância implícita da coisa: o senhor Hawking leva-se em tão alta conta a ponto de supor que a sua afirmação influenciaria um único devoto que fosse?

Qualquer dia, no frenesim de espalhar a palavra contra o Senhor, os evangélicos da descrença batem-me à porta de casa. E eu não abro.
Título e Texto: Alberto Gonçalves, Diário de Notícias, 28-9-2014

Relacionados:

Primeiro estranha-se. Depois entranha-se

Helena Matos

Vivemos numa sociedade em que só o que é judicialmente investigado tem relevância moral, em que se exige condenações a torto e a direito para compensar o vazio deixado pelo relativismo dos valores

“Uma professora do ensino básico foi agredida esta quarta-feira dentro da sala de aulas da Escola Básica n.º 2 em Rossio ao Sul do Tejo, pelos pais de um aluno, tendo sido transportada ao Hospital de Abrantes. Fonte do estabelecimento de ensino disse à agência Lusa que a professora em questão chamou os pais devido a situações de alegados maus comportamento do aluno. A mesma fonte disse que a professora ficou ferida nas mãos e num braço, a par de uma crise de ansiedade emocional.

“Os pais do aluno em questão entraram na sala de aulas, no início da primeira aula da manhã, culparam a professora pelo alegado mau desempenho comportamental do filho e agrediram-na nas mãos e num braço”, acrescentou. A maioria dos alunos, de uma turma do 4.º ano da escola básica do Rossio, que assistiram às agressões, “foram para casa por questões emocionais”, disse. Os restantes alunos “foram divididos” pelas outras turmas do estabelecimento de ensino.

Fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém confirmou a ocorrência à Lusa. O alerta foi dado às 9h21. Ao local ocorreram os bombeiros de Abrantes, com um veículo de socorro e a PSP. Jorge Soares, porta-voz da PSP de Santarém, disse à Lusa que “a agressora foi identificada e o caso, por configurar um caso de crime público, vai ser remetido para o Ministério Público”.
Jornal de Notícias, 24 de Setembro de 2014.

Alguém encontrou uma declaração do Ministério da Educação sobre este caso? E dos sindicatos? Não sei se existiu alguma tomada de posição por parte dessas entidades, mas a ter existido foi totalmente ofuscada pela agenda do camarada Mário Nogueira: colocações, listas e outros assuntos administrativos a que há anos se convencionou em Portugal chamar ensino. Na prática quando em Portugal se fala de ensino fala-se daquilo que Mário Nogueira quer. E a Mário Nogueira o Ministério da Educação só interessa enquanto maior empregador de Portugal, logo o melhor caldo de cultura para a sua actividade de funcionário público profissionalizado na contestação em serviço próprio e do partido a que é afecto.

Há anos que isto é assim e só o estado de profunda anomia em que nos encontramos leva a que não percebamos que nesta notícia cada parágrafo é um problema, esse sim do ensino e da escola, e sobre os quais ninguém se pronuncia porque andamos todos a discutir o problema de umas listas de colocação cujas fórmulas são o que de mais aproximado com o centralismo soviético se fez em Portugal.

O Brasil prestes a entrar em guerra civil, conforme declaração do Coronel Moézia

Luciano Ayan
É com satisfação que vejo que o canal do YouTube Ficha Social voltou a um bom ritmo. Depois de uns quatro ou cinco dias parado, agora estão lançando um vídeo atrás do outro.

Neste aqui, vemos Marcos Coimbra tratando a declaração do Coronel Pedro Ivo Moézia na Comissão da Verdade.

Como todos os leitores sabem, sou contra qualquer forma de intervenção militar e contra qualquer discurso trazendo esse tipo de proposta, mas o que vemos é bem diferente: o Coronel Moézia mostra que os militares andam calmos até demais, e, enquanto isso, o PT parte para esmagamento de instituições a todo momento.

A própria Comissão da Verdade já é uma provocação por si só. Há vários anos, os militares estão aturando afronta atrás de afronta, o que inclui a nomeação de uma escola com o nome do terrorista Carlos Marighela e do cuspe de um militante marxista sobre um general octogenário.

Esses fatos, assim como os fatores apontados pelo Coronel Moézia, mostram que o PT está fazendo de tudo para criar um caos social, a ponto de levar-nos a uma guerra civil de forma deliberada. E aí, no caso de uma guerra civil, tudo pode acontecer, o que é uma pena.
Enfim, veja o vídeo:



Título e Texto: Luciano Ayan, Ceticismo Político, 29-9-2014

Depoimento completo do coronel reformado Pedro Ivo Moézia de Lima: clique aqui.