domingo, 28 de setembro de 2014

Achando-se prestes a ausentar-se da sua amada

Praias de Sacavém, que Lemnoria
Orna cos pés nevados e mimosos,
Gotejantes penedos cavernosos,
Que do Tejo cobris a margem fria:

De vós me desarreiga a tirania
Dos ásperos Destinos poderosos;
Que não querem que eu logre os amorosos
Olhos, aonde jaz minha alegria:

Oh funesto, oh penoso apartamento!
Objeto encantador de meus sentidos,
A sorte o manda assim, de ti me ausento:

Mas inda lá de longe os meus gemidos
Guiados por Amor, cortando o vento,
Virão, ninfa querida, a teus ouvidos.

Bocage

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-