quarta-feira, 24 de setembro de 2014

Siria e Iraque - vácuos de poder elicitaram surgimento do ISIS

Fugitivos do ISIS na Turquia já chegam a 139 mil

Francisco Vianna

Com tamanho fluxo de fugitivos tendo crescido exponencialmente nos últimos quatro dias, as autoridades turcas dizem que o governo de Ancara está pronto para “o pior cenário”...

Várias centenas de refugiados da Síria aguardavam para atravessar a fronteira turca em Suruc, domingo, 21 de setembro de 2014. Foto: AP 

A agência de notícias AP (Associated Press) relatou, no domingo, em Ancara, que o número de refugiados sírios chegados à Turquia nos últimos quatro dias já chegou a cento e trinta mil, depois de fugirem, deixando tudo para trás, dos milicianos do ISIS, segundo afirmou o vice-primeiro ministro turco nesta segunda-feira. Numan Kurtulmus disse que a Turquia está preparada para "um cenário pior ainda", na medida em que o fluxo de refugiados vier a aumentar.

O grupo de terroristas franqueado da Al-Qaeda, que se autoproclama como “Estado Islâmico, ou califado, do Levante, um território que capturou abrangendo a fronteira sírio-iraquiana e indo até próximo à fronteira do Irã, nos últimos dias, avançou para regiões curdas AP norte da Síria que fazem fronteira com a Turquia, para onde rumam milhares de refugiados”, informaram as atrocidades acrescentando que o grupo vem matando por apedrejamento, decapitações e incêndio de casas.

Embora os números sejam altos, a Turquia diz que está pronta para reagir: o conflito na Síria levou mais de um milhão de pessoas a cruzarem a sua fronteira sul nos últimos três anos e meio.

O ISIS AFIRMA QUE DESTRUIU O MEMORIAL DO GENOCÍDIO ARMÊNIO

O Complexo de Deir ez-Zor foi frequentemente comparado ao campo de extermínio alemão de Auschwitz na Polônia

Os guerrilheiros do Estado Islâmico alegadamente violaram e destruíram o complexo memorial do Genocídio Armênio na cidade do leste sírio de Deir ez-Zor, próxima ao local onde um grande número de refugiados armênios foi forçado a marchar para a morte nos anos iniciais do século XX, conforme relataram fontes da mídia libanesa. O memorial contém os restos mortais das vítimas do Genocídio Armênio e é frequentemente comparado ao campo de extermínio nacional-socialista de Auschwitz, na Polônia, onde a Alemanha nazista de Hitler punha em ação sua “solução final” para o genocídio dos judeus na 2ª Guerra Mundial.

Neste local, centenas de milhares de armênios foram declarados mortos durante a marcha para Deir ez-Zor, ordenada pelos soldados turcos otomanos. O Ministro das Relações Exteriores da Armênia condenou a destruição da igreja e apelo para a comunidade internacional para combater o Estado Islâmico (ISIS ou ISIL), organização terrorista radical que “combate e ameaça a humanidade civilizada”, disse uma publicação armênia.

A igreja que servia de Memorial do Genocídio Armênio era um local de peregrinação para os armênios que vivem na Síria e, a cada ano, e, 24 de abril, cerimônias especiais de comemoração são frequentadas por milhares de pessoas que para lá se dirigem. O complexo abriga, além da igreja, um museu, um monumento e instalações de arquivo.

O ISIS ALEGA TER TOMADO MILHÕES DE DÓLARES DO VICE-PRESIDENTE DO IRAQUE

Um vídeo mostra muito dinheiro e ouro supostamente saqueado da casa do político iraquiano Osama al-Nujayfi [foto]“para ser redistribuído entre os pobres”... 

O vídeo mostra maços de dólares americanos bem como diversas barras de ouro supostamente capturadas em 11 de agosto de um palácio pertencente a Osama al-Nujayfi, um ex-porta-voz do Parlamento iraquiano e atual vice-presidente do país. No vídeo uma voz diz: “Vejam, oh Muçulmanos, todo este dinheiro...Vejam estes dólares, há centenas de milhares deles aqui, talvez milhões, Alá seja louvado por ter capacitado os muhajedins [militantes] do Estado Islâmico na Nona Província em capturar este dinheiro”, em árabe, segundo uma tradução feita pelo MEMRI. "Este dinheiro retornará aos seus proprietários de direito — os pobres. Este dinheiro pertence aos pobres. Aqueles porcos costumam relevar a si mesmos com este dinheiro à custa dos pobres. Alá seja louvado, por ter-nos dado a capacidade de restituir este dinheiro para o tesouro do ISIS”, diz a voz.

A voz do narrador então afirma que o dinheiro foi saqueado de “uma das residências do apóstata Osama al-Nujayfi. Deixemos que este porco observe este dinheiro. Oh al-Nujayfi, querendo Alá, assim como nós lhe tiramos seu dinheiro, tiraremos também a sua cabeça”. Al-Nujayfi originalmente provém de Mosul, na Nona Província, uma área ocupada pelo ISIS em junho último. Após ter servido como ministro da Indústria e porta-voz do Parlamento, foi eleito como um dos dois vice-presidentes do Iraque em 2014.

Síria critica coalisão contra o ISIS

Autoridade síria diz que “os EUA devem trabalhar diretamente com o regime de Damasco para combater os jihadistas e não com os estados que apoiam os terroristas”.

Uma imagem que supostamente mostra militantes do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIS ou ISIL) dirigindo-se a um local desconhecido na província Salaheddin, no Iraque, de 2014. Foto: AFP

O presidente do Parlamento da Síria disse neste domingo que os EUA devem trabalhar com Damasco para lutar contra o grupo extremista Estado Islâmico, em vez de aliar-se com as nações que são acusadas ​​de apoiar o terrorismo. O porta-voz Jihad Laham, aparentemente referindo-se à Arábia Saudita e outros países que apoiam os rebeldes sírios que tentam derrubar o presidente sírio, Bashar al-Assad.

Washington trabalha para formar uma coalizão global contra o grupo ISIS ou ISIL que controla grande parte da Síria e do Iraque, mas, no entanto, os EUA estão realizando ataques aéreos contra combatentes o ISIS no Iraque desde agosto, com o presidente Obama tendo autorizado, na semana passada, ataques contra o grupo dentro da Síria. 

As autoridades norte-americanas, não obstante, descartaram a possibilidade de coordenação direta com o governo de Assad, uma decisão que enfureceu as autoridades sírias que dizem que, qualquer ataque aéreo sem o seu consentimento seria uma violação da soberania do país. Damasco também parece estar preocupada com o fato de uma coalizão contra o ISIS pode, em última análise, mudar suas metas para ajudar os rebeldes a derrubar o regime alauíta de Assad.

Laham disse, numa sessão do Parlamento, que "aqueles que realmente querem combater o terrorismo, devem cooperar com a Síria, de acordo com planos de longo prazo e não através do apoio a organizações terroristas com falsos títulos". O governo Assad tem colocado repetidamente o conflito no país como uma batalha contra o terrorismo.

A rebelião armada contra Assad tem tornado a Síria caótica e começou depois que as forças de segurança reprimiram violentamente os manifestantes durante uma rebelião que teve início em março de 2011. Os grupos rebeldes da Síria vão desde os extremistas ligados à al-Qaeda, até os muçulmanos ultraconservadores em grupos relativamente moderados. Os comentários de Laham vieram em concomitância à advertência do Ministério das Relações Exteriores da Síria que, num comunicado, afirma que os combatentes da oposição poderiam usar armas químicas, a fim de culpar as forças do governo e criar um pretexto para pedir o envolvimento internacional.

No ano passado, o presidente Barack Obama fez um discurso no qual se esperava o anúncio de ataques aéreos americanos contra as forças de Assad como forma de punição pelo uso de armas químicas por Assad num subúrbio de Damasco, que matou centenas de pessoas. O anúncio americano não veio e Damasco culpou combatentes da oposição pelo ataque químico.

O ministro das relações exteriores da Síria, disse que "a República Árabe da Síria confirmou repetidamente (...) que nunca vai usar armas químicas em qualquer circunstância e adverte ao mesmo tempo a possibilidade de que alguns partidos regionais e internacionais (...) podem fornecer a grupos terroristas essas armas químicas".

Título e Texto: Francisco Vianna, 24-9-2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-