sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Redes sociais e as eleições para prefeito do Rio

Cesar Maia
      
1. Quando a nova lei eleitoral foi aprovada em 2015, o deputado Freixo e sua equipe não se preocuparam com o pouco tempo de TV. Tinham a convicção que a propagação de sua candidatura pelas redes sociais teria um efeito virótico e que o pouco tempo de TV não o afetaria. Confundiram eleição para deputado em seu próprio universo, com uma eleição majoritária, espalhada.
      
2. Este Ex-Blog, há bastante tempo, vem chamando a atenção para as características gerais e em especial de corte político das redes sociais. As redes sociais são horizontais e desierarquizadas e empoderam o indivíduo e não partidos políticos. São muito mais contundentes e viróticas na crítica, na defesa do não, na denúncia.
     
3. Na esfera política isso produz dois efeitos. O primeiro é que as redes são eleitoralmente fechadas em seus próprios grupos, em suas próprias tribos. As opiniões circulam dentro de um mesmo globo e geram um entusiasmo centrípeto.
     
4. O segundo é que a horizontalidade das redes e o empoderamento dos indivíduos funcionam como micropartidos fechados e com baixo poder de contaminação.
     
5. Aqueles grupos ou tribos - o PSOL como exemplo - prescindem da TV numa campanha eleitoral apenas entre seus membros. Servem nas campanhas de deputados, por exemplo.  E assim não têm força de expansão. O PSOL descobriu isso nessa eleição de 2016. Em 2012, os votos que atraiu dobrando sua força eleitoral vieram dos que não queriam votar na reeleição do prefeito e que fizeram o voto útil.

6. Com isso, na eleição para Prefeito do Rio, em 2016, Freixo e sua equipe, mantendo a mesma lógica de antes, usando as redes sociais, estacionaram nesse patamar de mais ou menos 10%. Agora, lutam com todas as forças, próprias de uma campanha tradicional, e contam com os debates na TV para ultrapassar o bloco de todos os candidatos "empatados" em segundo lugar.
      
7. E se Freixo for para o segundo turno, entrará numa eleição completamente diferente da que contava e contou no primeiro turno: passará a ter 10 minutos de TV. E terá aprendido que será através da TV que poderá sair de seu nicho e se encontrar com eleitores dispersos e espalhados ideológica, política e socialmente.
Título e Texto: Cesar Maia, 23-9-2016

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-