terça-feira, 2 de junho de 2020

‘Câmaras de estrela’ à brasileira

STF vai além do que realmente é função da Corte julgar e acaba assumindo papéis perigosos na vida política do país

Roberta Ramos

“Um tribunal opressivo que dita as próprias leis, muitas vezes sendo a vítima, o acusador, o investigador e o julgador ao mesmo tempo.” É assim que Ana Paula Henkel descreve as câmaras de estrela, invenção do rei britânico Henrique VII, mas que acabou desvirtuada pela ambição do Judiciário durante a Idade Média. E é com elas que a colunista de Oeste compara o Supremo Tribunal Federal, que a cada dia exacerba mais e mais sua função no país.

Câmara estrela inglesa: inspiração para o STF? Foto: John Cassel

Leia o texto completo: “O gabinete da censura” 

Título e Texto: Roberta Ramos, revista Oeste, 2-6-2020, 4h30

Relacionados:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-