quarta-feira, 7 de outubro de 2020

Lava-Jato do Rio pede suspeição de Gilmar Mendes em investigação sobre desvios da Fecomércio

Ministro do STF seria próximo de alguns dos investigados

Artur Piva 

A força-tarefa do Rio pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) que o ministro Gilmar Mendes [foto] seja impedido de atuar na investigação sobre o desvio de R$ 151 milhões da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Rio (Fecomércio-RJ) por meio de escritórios de advocacia, sob o argumento de que o ministro tem relação de proximidade com alguns dos investigados. Caberá ao presidente da Corte, Luiz Fux, resolver o impasse. 

Foto: Nelson Júnior/STF

O pedido de suspeição foi feito após o ministro Gilmar pedir explicações à força-tarefa, sugerindo que os procuradores estivessem investigando autoridades com foro privilegiado. Em resposta, a Lava-Jato do Rio alegou que não houve irregularidades na investigação e apontou para a suspeição do ministro para atuar como relator do caso. 

As justificativas para o pedido de suspeição de Gilmar Mendes não foram divulgadas. Mas especula-se que um cunhado do ministro teve bens bloqueados pela operação em curso e que a Fecomércio-RJ realizou doações para o Instituto Brasiliense de Direito Público, fundado por Gilmar Mendes. 

Título e Texto: Artur Piva, revista Oeste, 6-10-2020, 21h

Relacionados:
Por decisão de Gilmar Mendes, 30 advogados estão livres da Justiça
Gilmar Mendes suspende ação contra advogado de Lula

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-