quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Veja um editorial de quem sabe o que diz e o momento de não calar!


José Carlos Filho
A Presidente da República sancionou a lei que cria a Comissão da Verdade (sic) com o propósito declarado de investigar violações de direitos humanos ocorridas no período de 1946 a 1988, devendo, agora, nomear um grupo governamental composto de sete membros de sua livre escolha, para tratar do assunto. Trata-se de uma encenação surrealista cujo conhecimento não pode ser ignorado pela população brasileira e, para ajudar nesse desiderato, valer-me-ei do editorial do “O AVAIANO-Órgão Informativo da Turma Avaí”, do corrente mês, que reúne seleta oficialidade egressa da Academia Militar de Agulhas Negras, em face da clareza, objetividade e síntese com que o tema foi nele enfocado. Eis a transcrição parcial: “Ao serem nomeados, os integrantes da dita comissão terão seis meses para elaborar um plano de trabalho e então iniciarão suas atividades, que deverão ser finalizadas num período de dois anos, quando será divulgado um relatório sobre as violações encontradas. David Bardacci, em seu livro “Toda a Verdade”, cita um anônimo que afirmou “Por que perder tempo descobrindo a verdade, quando se pode facilmente criá-la”. Aí está. Para que tamanha pantomima, quando já se sabe a que verdade eles pretendem chegar. Não é necessário ter mais do que dois neurônios para perceber que se trata de “jogo com cartas marcadas”, para a vingança maligna e revanchista contra aqueles que, no estrito cumprimento do dever, expuseram suas vidas para livrar o país da sanha comunista. O período 46/48 é um embuste, pois sabemos que só serão focados os atos do período da contra-revolução de 64 e, assim mesmo só os da repressão, pois o que os terroristas fizeram não conta. Não atentaram contra os direitos humanos.
Para eles foi heroísmo o massacre do Tenente PM Mendes Júnior, o assassinato do Sargento Walder da Aeronáutica, o assassinato do capitão norte-americano, os seqüestros dos Embaixadores alemão, suíço e americano, o roubo do cofre da mansão de Santa Teresa, no Rio de Janeiro, a estúpida morte do soldado Mário Kosel Filho e tantos outros. Este lado a comissão não verá. O governo quer que o povo saiba a verdade, mas esquece que esse povo não é imbecil a ponto de acreditar que só um lado agiu. O povo sabe que “quem faz, leva”, versão popular da 3ª lei de Newton – “À toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade”. Partiram para a luta armada, receberam o troco. Os métodos adotados foram violentos? Creio que proporcionais e compatíveis com a situação. Mas, as alegadas torturas jamais poderão ser comparadas, por exemplo, ao covarde trucidamento a coronhadas de um indefeso prisioneiro. Esta comparação o povo sabe fazer e esta é a verdade que precisa saber. A comissão, lamentavelmente usará os seis meses, mais os dois anos, para bater papo, tomar cafezinho, ganhar boa remuneração, quem sabe até diárias e gratificações, para, no final, botar no papel a mendacidade que lhe será imposta no momento da nomeação. Um governo que mantém um ministro que mente pelos cotovelos – “não viajou no avião (mas viajou), não conheço o empresário (mas conhece)...” tem coragem de falar em “verdade”. Ora! Faça-me o favor.” Até quando, digo eu, o governo sentirá necessidade de mistificar em nome da verdade?
Texto: Gen Ex José Carlos Leite Filho
Título: Peter Wilm Rosenfeld

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-