sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Pagar a dívida

Paulo Malo
 
Ultimamente em Portugal há quem sugira que não devemos pagar a dívida. Não pagar, além de ser errado do ponto de vista financeiro, é, do ponto de vista das relações humanas, uma vigarice, logo não é aceitável para quem é honrado e honesto. Também sugerir usar este argumento para tentar chantagear quem nos emprestou, não só mostra falta de maturidade e experiência negocial, como é desonesto. Não pagar é o mesmo que legitimar quem rouba para melhorar o seu nível de vida, o que não pode ser aceite por uma sociedade civilizada e democrática. As sociedades civilizadas e democráticas têm como um dos pilares fundamentais da sua estabilidade social os seus valores morais.
É curioso que estas sugestões venham essencialmente de políticos. Isto mostra o grau de decadência moral ou desespero a que alguns chegaram, talvez sem se aperceberem disso. Não pagar nunca pode ser a solução, a não ser em caso de falência.
Os nossos credores não estão interessados na nossa falência. Preferem negociar de maneira a garantir que vão receber o que emprestaram. Devemos também negociar com humildade porque somos nós que estamos em falta e a eles pedimos o “favor” de nos ajudarem.
A arrogância, o ego e o orgulho despropositado ou mesmo patológico destas pessoas não tem lugar a este nível de negociações nem no mundo civilizado e democrático a que felizmente pertencemos.
Título e Texto: Paulo Malo, Presidente da Malo Clinic Health & Wellness, i, 30-12-2011

Relacionados:
Leia que é muito engraçado: "PS acusa Governo de fazer nomeações..."
Outra do bobo da corte do PS. Já sabem quem é, né?...
António Barreto “O PS está em mau estado político,..."
É a União Orçamental, estúpidos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-