segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

Corrupção e feudalismo na República Popular


Castelo de Lichtenstein, construído originalmente no século XII e reconstruído no XIX.
Os castelos são um dos ícones da Idade Média no imaginário das pessoas.

Valfrido M. Chaves
Sabe-se que na Idade Média, onde o Feudo era a unidade econômica, social e política de uma região, o poder era conquistado e garantido a ferro e fogo. Alcançado o poder, os senhores feudais adquiriam a riqueza através do saque, taxas e impostos, riqueza essa representada por posses e pelo dito “vil metal”, o ouro. No contexto feudal surgiu o “Burgos”, a vila, a cidade, o “burguês”, daí se chegando a um universo econômico que chamamos de “Capitalista”, onde os meios de produção são propriedade particular, ou privada.
Ao contrário do mundo feudal, no mundo capitalista o poder é conquistado após o acesso à riqueza. Mas tudo é verdade até certo ponto, pois, em todo mundo, a riqueza de muitas famílias é construída “à sombra do poder estatal”, o que poderíamos ver como uma herança do feudalismo no sistema capitalista. Os comunistas brasileiros, há décadas passadas, teorizavam sobre “o feudalismo” no campo e que a economia urbana, portanto capitalista, faria da economia rural a sua “colônia” que alimentaria a economia das cidades.
Tais idéias se baseavam num dogma (e comunista só é menos dogmático que o Papa), o de que uma economia capitalista só funciona se tem uma colônia para sugar. Mas o campo brasileiro prosperou, não só negando o chiquérrimo besteirol marxista da época, como se transformou no carro chefe de uma economia sustentável voltada para mercados externo e interno.
Girando o mundo, num Brasil onde a economia privada mostra serviços e fôlego para muito futuro, partidos políticos impregnados daquela ideologia marxista fracassada como profetiza, promotora de justiça, prosperidade e liberdade, chega ao poder central da República. Tal meta foi atingida após uma pertinaz, massiva e eficiente campanha através da qual a maioria da população acreditou que pouco prestava na condução dos destinos da nação, sobretudo na economia.

Na república popular, entretanto, a “herança maldita FHC” revelou-se um “céu de brigadeiro”, até agora não modificada e onde a prosperidade do agro-negócio contrasta com o abandono e corrupção que envolve assentamentos e a dita reforma agrária. Valeria até dizer aquele ditado: “Boca falou, c… pagou”, sim senhor! Mas fato é leitor, que grande parte dos quadros de liderança dos Partidos ditos socialistas e comunistas no poder, participou da luta armada contra o regime militar, mas, até hoje, nunca mostraram um documento sequer em que tivessem definido como objetivo o restabelecimento democrático da Nação.
O objetivo era ideológico, ou seja, substituição do regime militar por um regime totalitário, coisa da qual fui testemunha nos anos 60, e do que falarei futuramente. Mas o que até aqui está posto, leitor, é para apontar para a grande ironia do que se passa em nosso momento político, que é alto grau de reacionarismo dos socialistas no poder quando, com todas as letras, praticam uma ação essencial do feudalismo: instalar-se no poder para saquear o dinheiro público e, portanto, a sociedade.
Para bolsos particulares, de ONGs ou caixa dos Partidos: o mecanismo é feudal, pois é o uso do poder para meter a mão. Por isso tá caindo o quinto Ministro, graças às denúncias da Imprensa, que parece mais competente que os órgãos de informação do Estado. Por essa e por outras, reinstalou-se o poder feudal no Brasil ou, como já se diz, o sistema das capitanias hereditárias, onde o Capitão a tudo pode, menos ser pego com a mão na cumbuca, é claro. Aí dança. Por isso querem tanto criar o tal “controle social da Imprensa”. Já imaginaram?
Título e Texto: Walfrido M. Chaves, Psicanalista, Pós Graduado em Política e Estratégia Adesg-UCDB

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-