sábado, 25 de fevereiro de 2012

Dilma cogitou punir militares da reserva por 'crime de desrespeito a superiores'.

Carlos Newton
O governo estudou formas de punir os líderes dos clubes militares que assinaram a nota criticando a presidente Dilma Rousseff por não ter vindo a público desmentir declarações de duas ministras sobre a ditadura. Durante a conversa que os comandantes das Forças Armadas tiveram com os oficiais da reserva na última quarta-feira para fazê-los recuar do manifesto, um dos assuntos discutidos foi a possibilidade de punição pela crítica pública à comandante suprema das Forças Armadas.
Segundo a repórter Junia Gama, do Correio Braziliense, um funcionário da cúpula jurídica do governo disse ao Correio que a atitude dos integrantes da reserva era uma demonstração de desrespeito ao superior e que, portanto, merecia uma punição. “O que eles fizeram foi um crime. Houve uma quebra clara de hierarquia”, apontou.
O que se sabe é que a presidente Dilma Rousseff, irritada com os militares da reserva pelas críticas polêmicas publicadas em nota contra o governo, acionou o ministro da Defesa, Celso Amorim, para que enquadrasse o grupo.
Em plena quarta-feira de cinzas, Amorim convocou uma reunião com os comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica, mais o chefe do Estado Maior Conjunto das Forças Armadas, general José Carlos de Nardi, e expressou sua contrariedade com o manifesto do Clube dos Militares, divulgado na semana passada.
A forte reação da presidente Dilma, materializada no puxão de orelha que Amorim deu nos comandantes militares, surtiu efeitos rápidos e o site do Clube Militar publicou nota em que os presidentes da entidade “desautorizam” o texto anterior, que havia sido assinado por eles próprios.

Segundo um integrante da cúpula do Ministério da Defesa, durante a reunião, que levou à publicação da retratação, Amorim teria dito aos comandantes que o Clube Militar extrapolou no direito à manifestação ao fazer referência a uma atitude da presidente Dilma Rousseff, já que ela é a comandante suprema das Forças Armadas. “A crítica à presidente é inaceitável. Foi um erro grave do Clube Militar”, apontou o interlocutor do ministro.
Traduzindo tudo isso: 1) Os governos FHC, Lula e Dilma dobraram a espinha dos comandantes, que permitiram o sucateamento de seus equipamentos e a desmoralização das três Forças Armadas. 2) Divulgar um importante manifesto conjunto e depois voltar atrás, mostra que já não se fazem mais militares como antigamente. 3) Militar da reserva tem direito de se expressar politicamente. 4) Os três Clubes militares deveriam passar a se dedicar apenas a atividades como jogar sinuca, paciência e bocha, com incursões nas danças de salão…
Título e Texto: Carlos Newton, Tribuna da Imprensa, 25-02-2012
Enviado por Luciano Moura
Relacionado: 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-