sexta-feira, 8 de novembro de 2019

Peter Handke, Prêmio Nobel de Literatura 2019, não fala mais com a imprensa

Se ele se diz “espantado” e “emocionado” por receber o prêmio Nobel de literatura 2019, Peter Handke [foto] rapidamente se desencantou em face às reações sectárias suscitadas por esta distinção que não foi do agrado de alguns censores.


Incapazes de imaginar que se possa ter uma outra leitura diferente da deles sobre as guerras que ensanguentaram a ex-Jugoslávia, Olivier Py e Sylvie Matton assinaram uma matéria no Le Monde, na qual se insurgem contra o “Nobel da desonra” atribuído a um escritor que teria relativizado os crimes de Milosevic.

Um ministro albanês confessou a “sua vontade de vomitar”, enquanto um universitário de Saravejo não hesitou em qualificar o escritor de “negacionista de primeiro plano”.

A consequência foi a que os jornalistas só o interrogaram sobre este ponto, e não sobre a sua obra, que foi o motivo por que obteve este Nobel.

De saco cheio dessa ‘caça à raposa’, o escritor austríaco que vive na região parisiense anunciou, alguns dias depois de receber o prêmio, que renunciava doravante a falar aos jornalistas.
Fonte: Valeurs Actuelles, nº 4326, de 24 a 30-10-2019
Tradução: JP

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos comentários "anônimos".

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-