domingo, 7 de junho de 2020

Não estou interessado

Henrique Pereira dos Santos

Não sei de onde apareceu esta quase unanimidade à volta da ideia de que a sociedade se deve organizar em torno de uma ideia única: defender-se de uma epidemia.

Eu não estou interessado em sociedades que se organizam em torno de ideias únicas, sejam elas a defesa em relação a uma epidemia, a gestão da alteração climática, a criação de um homem novo, o fim da pobreza, etc., etc., etc.


Eu gosto de sociedades diversas, "Um simples mundo, onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém de nada haver que não seja simples e natural.  Um mundo em que tudo seja permitido, conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer, o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós."

Não estou interessado em sociedades em que todos se olham de lado, procurando manter distância de dois metros, sociedades em que os avós, os tios e etc., não podem pegar nas crianças, sociedades em que sistematicamente se esconde a franqueza do sorriso, sociedades em se decide que as grávidas infectadas - e podem nem sequer estar doentes - não podem ter acompanhamento nos partos para não infectar os que lhe são próximos, etc., por aí fora (quem quiser ter uma visão mais profunda do terror autocrático que as boas intenções podem gerar devem consultar esta página).

Não estou interessado numa sociedade em que a imprensa se põe ao serviço da opressão, como nesta peça do Observador, em que o jornalista Edgar Caetano se limita a ir atrás da conferência de imprensa da OMS, sem se dar ao trabalho de ir às orientações realmente produzidas pela OMS, que não dizem nada do que o jornalista diz que dizem (tiro o chapéu ao facto de, ao contrário das versões iniciais da peça, agora já haver uma ligação para as recomendações da OMS, onde claramente se pode ler

"Results from cluster randomized controlled trials on the use of masks among young adults living in university residences in the United States of America indicate that face masks may reduce the rate of influenza-like illness, but showed no impact on risk of laboratory-confirmed influenza.(62, 63) At present, there is no direct evidence (from studies on COVID-19 and in healthy people in the community) on the effectiveness of universal masking of healthy people in the community to prevent infection with respiratory viruses, including COVID-19.",

para além de ser evidente que a OMS não recomenda o que o jornalista diz que recomenda, apenas altera a orientação anterior para dizer que se pode considerar essa hipótese, em circunstâncias muito restritas, e com base em ideias muito científicas como diminuir a estigmatização de que tem de usar máscara por estar doente.

A coisa é simples: eu não quero optar entre defender-me de uma epidemia ou perder liberdade, eu quero defender-me da epidemia em liberdade e usando o juízo de cada um em cada circunstância, sem prejuízo, evidentemente, de haver circunstâncias em que se definam limites à liberdade de cada indivíduo.

Só que essas circunstâncias e essa limitação não podem ser entendidas como sendo questões técnicas, essas circunstâncias e essas limitações são sociais e políticas, todos temos o direito de as questionar e decidir sobre elas.

Não estou mesmo nada interessado em sociedades em que se determina que os balneários de um ginásio, mesmo que tenham cabines individuais, não podem ser usados, sem que haja uma só alminha que explique qual é a razão para essa limitação.

Não estou interessado em sociedades em que o medo se combate a fazer dezenas de regras absurdas ou sensatas (infelizmente mais das primeiras que das segundas), mas sim naquelas em que o medo se combate com informação e transparência.

O facto de haver tanta gente disponível para apoiar o campo da limitação das liberdades por funcionários anónimos, sem questionar, e o facto de entre essa tanta gente haver tantos jornalistas, parece-me profundamente deprimente.
Título e Texto: Henrique Pereira dos Santos, Corta-fitas, 7-6-2020

2 comentários:

  1. Sou avesso à diversidades.
    Por exemplo não com nada verde, exceto abacate.
    Não como aves, apenas carnes e frutos do mar, adoro ovos fritos, omeletes e merengues.
    Pão francês crocante por fora e macio por dentro.
    Se existe algo mais perfeito que a natureza, não conheço.
    Não quero contaminar ninguém, então cumpro as regras porque posso.
    Muitas vezes na vida não é o querer o poder.
    A natureza deu apenas 2 gêneros eles natos de cada indivíduo.
    Enquanto homem não tiver útero e óvulos ou mulher não tiver escrotos e espermatozoides não acredito nessa diversidade.
    Nossas mentes podem pensar diferente do corpo que possuem que vivam felizes na realidade virtual deles.
    A natureza não produz fake news.
    Regras são feitas desde o ciclo tribal, o chefe manda, índio obedece.
    Reclamamos apenas quando nossos gostos, e necessidades são proibidos.
    Como sempre em outro tópico, somos todos niilistas.

    ResponderExcluir
  2. Assim ,assim...Mas tanto assim também não!
    Sem regras de comportamento social tudo vira um "furdunço",vira Putaria.

    "Eu gosto de sociedades diversas, "Um simples mundo, onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém de nada haver que não seja simples e natural.
    Um mundo em que tudo seja permitido, conforme o vosso gosto, o vosso anseio, o vosso prazer, o vosso respeito pelos outros, o respeito dos outros por vós."

    ResponderExcluir

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-