terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Dentaduras retiradas de cadáveres eram vendidas como novas

Os donos do local foram presos em flagrante por crimes contra o consumidor e contra a saúde pública

Altair Alves

Uma situação no mínimo bizarra foi investigada e descoberta por agentes da Delegacia Especial de Crime contra o Consumidor (Decon). Um Laboratório clandestino em Ricardo de Albuquerque, na Zona Norte do Rio, revendia próteses dentárias roubadas de cemitérios também clandestinos para um consultório de odontologia. Os policiais fecharam o local e dois responsáveis pela fábrica foram presos.


Depois de adquirir as próteses de forma ilegal, o material era submetido a um processo químico para aparentar ser um produto novo. Os donos do local foram presos em flagrante por crimes contra o consumidor e contra a saúde pública.

Recebemos a denúncia de que haveria uma fábrica de dentaduras e próteses clandestina. Constatamos que boa parte da matéria-prima era reutilizada. Prosseguimos com as investigações e descobrimos um receptador que captava com alguns coveiros de forma clandestina, revendia para esse estabelecimento e tudo era vendido para diversos consultórios odontológicos do Rio. A investigação continua para identificar os outros envolvidos”, afirmou o delegado André Neves.

Título e Texto: Altair Alves, Diário do Rio, 2-2-2021

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-