sexta-feira, 22 de outubro de 2021

Pequim utiliza vacinas como arma de conquista

ABIM


A
 Mongólia esperou “um verão sem Covid”, o Bahrein contava “voltar à vida normal” e as ilhas Seychelles almejavam retomar a economia, confiando nas vacinas chinesas. Mas estas não foram eficazes e agora está em curso uma escalada de contágios e óbitos nesses países.

“diplomacia das vacinas” comunista está ávida de conquistar nações debilitadas pela pandemia. Muitas delas pedem indenizações multibilionárias pela irresponsabilidade da China na origem e proliferação do maldito vírus.

Mas isso pouco importa aos chefes marxistas de Pequim, insensíveis à vida das vítimas de suas falaciosas promessas. Batbayar Ochirbat, do Ministério da Saúde da Mongólia, lamenta: “Cantamos vitória com antecedência. Meu conselho é não confiar antes do tempo”.

Título, Imagem e Texto: ABIM, 22-10-2021 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-