domingo, 24 de outubro de 2021

[As danações de Carina] Simplesmente ‘Lo Schiavo’

Carina Bratt

MINHAS AMIGAS, vocês sabiam que a Ópera ‘Lo Schiavo’, de Carlos Gomes, foi levada à cena, no Rio de Janeiro, a 27 de setembro de 1889, no Imperial Teatro D. Pedro II? Pois é. Desde então, se passaram cento e trinta e dois anos. E quem foi Carlos Gomes?  Segundo dados colhidos da Internet, ‘Carlos Gomes, ou Antônio Carlos Gomes se tornou o mais importante maestro e compositor de ópera brasileiro. Cedo, ainda, se embrenhou pelo estilo lírico-romântico, com o qual fez nome não só aqui no Brasil, como, igualmente, na Europa’.

Também se deu ao luxo de ser ‘o primeiro compositor brasileiro a ter as suas obras apresentadas no renomado Teatro Alla Scala em Milão, na Itália’. Natural de Campinas, interior de São Paulo, nasceu aos 11 de julho de 1836 e faleceu, aos sessenta anos, em 16 de setembro de 1896, em Belém, no Pará. Segundo alguns de seus biógrafos, sua primeira grande ópera foi ‘O Guarani’, inspirado no romance do escritor José de Alencar.

Voltando à ‘Lo Schiavo’, o ‘Jornal do Comércio’, no Rio de Janeiro, ao fazer a crítica dessa joia rara, dizia: ‘Representadas no Rio de Janeiro, conhecemos apenas, três óperas de Carlos Gomes: ‘Guarani’, ‘Fosca’ e ‘Salvador Rosa’. Estas três partituras são, para nós, o marco miliário de onde se começa a medir o caminho percorrido pelo ilustre maestro até chegar à sua última ópera, o ‘Schiavo’. Saindo de nosso hábito constante, podemos, desta vez, asseverar, depois de detida reflexão, que Carlos Gomes caminhou e caminhou muitíssimo”.

Carlos Gomes dedicou o seu valioso trabalho à princesa Isabel. Da sua carta à Redentora, destacamos este trecho: ‘Hoje, 29 de julho, dia em que o Brasil saúda o aniversário da Augusta Regente, levo aos pés de Vossa Alteza este ‘Escravo’ — talvez tão nobre como os milhares de outros que abençoam a Vossa Alteza, na mesma efusão de reconhecimento com que sou etc.’. Essa carta é citada numa passagem do folhetim de Thereza Falcão e Alessando Marson, na novela ‘Nos tempos do Imperador’, das seis horas, da Rede Globo. Voltando à essência do texto, no dia 2 de outubro, ‘Lo Schiavo’ subiu à cena pela segunda vez, em benefício do autor.   

Devemos destacar que, nessa ocasião, o Imperador agraciou o compositor com a grande e dignitária ‘Ordem da Rosa’. Apregoaram, outros periódicos, que o evento se tornou numa noite elegantemente triunfal. Carlos Gomes recebeu estrondosa ovação da plateia, talvez a sua maior consagração pública desde que se fizera conhecido (reconhecido e respeitado) como um dos mais renomados e destacados compositores brasileiros.  Carlos Gomes não parou por aí.

Seguiu para voos mais altos. Se viu agraciado, tempos depois, como o ‘Maestro da Abolição’, pelo muito que fez em defesa da causa dos escravos. Inúmeros espetáculos promoveram, com óperas suas, em benefício dessa campanha libertadora. A bem da verdade, o ‘Lo Schiavo’ veio a ser a gota que transbordou o copo, e o levou, definitivamente, à apoteose da sua luta ferrenha em prol de uma causa sagrada e humana, ao mesmo tempo.

Tantos anos passados, e acreditem, amigas, me corta o coração saber que, em dias atuais, não temos um homem de peito —, não digo uma criatura  igual ao Carlos Gomes —, outro, ou outros, de seguimentos diversos,  por exemplo, um escritor  renomado, como Paulo Coelho, um Luiz Fernando Veríssimo,  um cantor como Roberto Carlos, uma dupla nos moldes de  Zezé Di Camargo e Luciano,  ou apresentadores como Marcos Mion e Rodrigo Faro, e, obviamente, tantos mais, enfim, em resumo da ópera, com a  coragem e a capacidade  dignificativa de colocar as mãos na massa e  fazer, agir, se mostrar presente pondo em prática,  alguma coisa de útil e de aproveitável, em prol de seus —, melhor dito —, de nossos semelhantes mais necessitados e carentes.   

Título e Texto: Carina Bratt, do Sítio Shangri-lá - divisa do Espírito Santo com Minas Gerais. 24-10-2021

Anteriores: 
As flores nossas de cada dia 
Minha homenagem a Nossa Senhora 
Diferença entre escrever e orar 
Pequenas dicas para sermos felizes 
Um pouco da história do tango 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-