domingo, 11 de setembro de 2016

[Minha Pátria é a Língua Portuguesa] 'Sempre li bastante', diz autora de redação incluída no Guia do Enem

Larissa Comazzetto aponta leitura e dedicação como fatores diferenciais.
Texto da gaúcha foi um dos cinco apontados como modelo pelo MEC.

Felipe Truda

No dia em que recebeu o trote do curso de Medicina da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), na Região Central do Rio Grande do Sul, a estudante Larissa Reghelin Comazzetto, [foto], de 17 anos, descobriu que a redação que fez durante o Enem do ano passado foi apontada como modelo no guia do participante do exame, lançado pelo Ministério da Educação. Empolgada com a novidade, a caloura disse que a paixão pela leitura e a dedicação nos estudos foram os principais fatores que a levaram a ser uma entre cinco estudantes do país a terem os textos usados como exemplo.

“Sempre li bastante, desde pequena. Tive uma professora particular de redação, porque sabia que era muito importante e queria investir nisso. Minhas professoras sempre me disseram que para escrever bem temos de ler muito”, conta a menina em entrevista por telefone ao G1 na quinta-feira (5), após ser pintada no trote.

Orgulhoso, o pai de Larissa, o contador Paulo Comazzetto, de 49 anos, destaca o apego da filha aos livros. “Em termos de educação no país, só se consegue uma boa formação com o incentivo à leitura, e ela gosta muito de ler”, diz. “Quando ela faz aniversário, se você perguntar que presente ela quer, ela vai dizer 'um livro'. É o que ela sempre carrega junto”, acrescentou.

Foi em um livro que Larissa encontrou conforto em um dos momentos mais difíceis que enfrentou: a doença que levou a mãe, a pedagoga Lúcia Maria Reghelin Comazzetto, à morte, há cerca de quatro anos. A obra era Eu Sou o Mensageiro, de Markus Zusak. “Não sei se era o momento que eu estava passando, mas foi muito importante, me ensinou muitas coisas”, lembrou.

O tema proposto para a redação era o "Movimento imigratório para o Brasil no século XXI". De acordo com o comentário no próprio guia do MEC, Larissa demonstrou “domínio da modalidade escrita formal”. Ela cita o crescimento econômico do país como fator que atrai estrangeiros, e sugere que sejam tomadas iniciativas pelo governo para regularizar as situações dos imigrantes. Para isso, de acordo com o manual, ela usa corretamente vários recursos da Língua Portuguesa.

“O treino foi fundamental”, destaca a estudante. “No início do ano passado, quando eu estava começando o terceiro ano, eu escrevia bem, mas tinha dificuldade para montar e fazer as ligações e deixar meu texto coerente. Mas eu fazia cinco ou seis redações por semana, e treinando a gente vai pegando o jeito”, explica.

Além do pai, Larissa aponta a mãe como uma das maiores incentivadoras da leitura. “Ela era formada em pedagogia, então tinha muito a parte do conhecimento. E como pessoa, não tenho nem como mensurar a participação dela nisso”, conta.

Também surpreendeu Larissa que a redação de Caroline Lopes dos Santos, com quem estudou no Colégio Militar de Santa Maria, também foi apontada entre os cinco exemplos. “Fomos colegas por sete anos na escola, e agora continuamos colegas porque ela também entrou na Medicina da UFSM”, contou.

Reescrita foi diferencial, diz ex-professora

A tenente Claudete Linhares Sachett, de 40 anos, foi professora de redação de Larissa e Caroline no Colégio Militar. Ela conta que ambas eram alunas muito dedicadas, e acredita que o que ajudou muito elas foi o hábito de reescrever os textos após a correção.

“A gente lançava o tema e elas escreviam. Eu fazia a correção, as anotações, o que poderia modificar e entregava. Elas reescreviam adequando com as correções. Esse foi o diferencial”, afirma a professora. Para ela, a “sede de conhecimento” da dupla também foi fundamental para o bom resultado.

Calma é o principal, diz a estudante

Larissa acabou ingressando na UFSM, após ser aprovada no Vestibular. A nota do Enem rendeu uma chamada para estudar medicina na Universidade Federal do Rio Grande (Furg), em Rio Grande, no Sul do estado. “Era chamada oral e eu não estava presente, pois já tinha passado na UFSM”, conta.

Além da dedicação nos estudos e o gosto pela leitura, ela recomenda aos candidatos do Enem 2013 que tenham calma na hora da prova. Ela lembra que, quando fez o exame em 2011, ainda antes de passar para o terceiro ano na escola, teve um desempenho semelhante ao de 2012. Na segunda vez ela sabia mais, mas estava mais nervosa.

“O que vale é ali na hora. Tem de estar calmo, se concentrar, ler e não pensar no tempo”, diz a universitária, que destaca, também, a importância do estudo. “A dedicação desde sempre foi fundamental. Sempre gostei de estudar e me dedicar”, conta.

Além das redações de Larissa e Caroline, de Santa Maria (RS), o Guia do Participante do Enem destaca os textos de Gabriela Araújo Attie, de Uberlândia (MG); Pedro Igor da Silva Farias, de Teresina (PI); e Danilo Marinho Pereira, de Belém (PA).


Título e Texto: Felipe Truda, G1 RS, 7-9-2016

Anteriores:

Um comentário:

  1. Prezados, belíssima Redação e a meu ver completo domínio da Língua Portuguesa, apenas percebi um "senão": Larissa não gosta muito de Alemães. Apesar de estar em uma cidade que foi colônia alemã, ela não os cita em sua Redação, tendo estes imigrado desde o século XVIII.
    Eu por exemplo tenho descendentes que imigraram para o Brasil em 1812.
    Parabéns à Larissa!
    Heitor Volkart

    ResponderExcluir

Por favor, evite o anonimato! Mesmo que opte pelo botãozinho "Anônimo", escreva o seu nome no final do seu comentário.
Não use CAIXA ALTA, (Não grite!) isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente.
Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-