sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Os cinco erros crassos do PS

Foto: António Pedro Santos
Adolfo Mesquita Nunes
Os cinco erros apontados pelo PS são, afinal, cinco provas de que os socialistas continuam a não perceber as consequências de tanto bem-intencionado socialismo
Esta semana, o PS apresentou aqueles que considera ser os cinco erros crassos do governo, no que constituiu um bom espelho da incapacidade socialista para apreender a crise que atravessamos e oferecer uma política alternativa.
O primeiro erro apresentado consiste na ausência de políticas de promoção e manutenção do emprego. É claro que, de seguida, os socialistas não esclarecem quais são as políticas que deveriam ser prosseguidas. O que só quer dizer uma de duas: ou os socialistas não têm política de emprego ou continuam a considerar que o emprego se cria por decreto. Qualquer uma das hipóteses é má e de ambas conhecemos os resultados. Quinze anos de socialismo deram no que deram e não há sinal dos prometidos 150 mil postos de trabalho.
O segundo erro apontado é a recusa do governo em apostar no crescimento como alavanca de combate ao desemprego. É claro que, também aqui, os socialistas não explicam de onde vem o crescimento ou como podemos fazê-lo surgir. O que só quer dizer uma de duas: ou os socialistas não têm políticas de crescimento ou continuam a considerar que o crescimento depende de muita força de vontade e muita palavra amiga. Qualquer uma das hipóteses foi testada durante os seus governos e, ao que se sabe, o crescimento foi menos que medíocre (o segundo pior de toda a OCDE).
O terceiro erro identificado é a defesa ideológica da austeridade. Não vale a pena dizer que a austeridade não é uma política, é uma consequência do desvario despesista do passado. E claro que os socialistas se escusam a explicar que despesas cortariam, e que receitas arrecadariam, para cumprir com as obrigações assumidas, pelo seu próprio punho, pelo Estado português.
O que, neste caso, só quer dizer uma coisa: os socialistas continuam a acreditar que o excesso de despesa, que o excesso de endividamento e que o excesso de intervenção estatal não constituem qualquer problema. Para os socialistas, a ressaca cura-se se nunca pararmos de beber, o que é sempre bom de saber num momento em que nos confrontamos com dificuldades orçamentais (continuar a gastar parece ser o lema socialista).
O penúltimo erro é a destruição da qualidade dos serviços públicos. É curioso que, nas mãos socialistas, qualquer política de reorganização (um exemplo: o fecho de maternidades pelo país) é uma boa política apostada na necessidade de preservar os serviços essenciais, ao passo que, nas mãos deste governo, políticas com o mesmo objectivo são diabolizadas…
E, por fim, o mais delicioso dos erros apontados, o seguidismo da política da senhora Merkel. Suponho que a senhora Merkel a que se referem seja a mesma que os socialistas, por alturas do PEC IV, asseveravam apoiar as políticas lá contidas, e que os socialistas, por alturas do descalabro da sua gestão da crise, tanto citavam para demonstrar a bondade das suas políticas.
O que perturba, afinal, os socialistas? Que a senhora Merkel já não apareça a sancionar as suas políticas ou que a nova Europa de Hollande, trazida e prometida e chorada pelos socialistas, se traduza, ao fim e ao cabo, na manutenção de uma política de básicos pressupostos: não é possível continuar a alimentar políticas assentes no excesso de despesa e endividamento?
Os cinco erros apontados pelo PS são, afinal de contas, cinco provas de que os socialistas continuam a não perceber as consequências de tanto bem-intencionado socialismo. E é bom ter isto bem presente na hora de analisar a execução orçamental: é que aqueles que em nada querem cortar e em nada querem mexer não só pouco têm contribuído para o seu sucesso como igualmente pouco parecem estar apostados na superação da crise que atravessamos.
Título e Texto: Adolfo Mesquita Nunes, Jurista e deputado do CDS, jornal “i”, 24-8-2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-