quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Onde está Chávez?

Obrigado, Londoño, por dizer aquilo que a maioria dos outros não diz. 

Fernando Londoño Hoyos *
Se Chávez não estivesse agonizante, teria dito mil coisas sobre a crise recente na Síria, onde se cambaleia seu amigo Bashar Al Assad, e sem dúvida, estaria se ufanando de novas remessas de combustível do povo venezuelano para alimentar os seus equipamentos de guerra fratricida.
Se Chávez estivesse vivo – pelo que se chama ‘estar vivo’ – não deixaria passar a ocasião para lançar impropérios contra os judeus e para apoiar seus ‘irmãos’ do Hamas e do Jihad Islâmico Palestino nesta dura crise na Faixa de Gaza.
Se Chávez estivesse vivo, mandaria mensagens de amor e solidariedade ao déspota do Irã, defendendo o direito inalienável que Teerã tem de fabricar sua bomba atômica com a finalidade anunciada de “varrer Israel do mapa”.
Se Chávez estivesse vivo – insistimos que vivo aqui é a maneira como um homem como ele age por seus ímpetos – já teria visitado Daniel Ortega em Manágua para celebrar seu triunfo sobre Colômbia por sua conquista em águas colombianas próximas ao arquipélago de San Andrés, no Caribe. E teria feito chover suas ofertas para explorar o petróleo nas águas de sua nova propriedade e para lhe facilitar algum de seus joguetes bélicos de recente aquisição da Rússia e da China, com o franco propósito de patrulhar essa conquista no Tribunal Internacional de Haia.
Se Chávez estivesse vivo, andaria à frente de suas tropas vermelhas para alimentar a votação importantíssima que recebe da estrutura viciada que montou no país. O camarada não estaria correndo o risco de governar um país cheio de estados inimigos.
Se Chávez estivesse vivo, continuaria vomitando aquelas intermináveis lorotas semanais que batizou de "Alô, Presidente", e manteria a interrupção contínua dos canais de TV para refrescá-los com sua deliciosa imagem e seu verbo aceso.
Se Chávez estivesse vivo, não faltaria à nomeação das FARC em Havana (pode ser que participe), personagem fundamental como é daquela farsa, e estaria encabeçando a exigência para o indulto de Simón Trinidad, sem cujas luzes os diálogos parecem uma manjedoura escura.
Se Chávez estivesse vivo, nos lembraríamos dele todos os dias. O coronel não compreende o panorama de sua própria pátria, nem o do universo, sem sua presença esclarecedora, palpitante, decisiva.
Depois de tudo o que foi dito acima, chega-se a uma conclusão inapelável: Chávez não está vivo. E não importa se o têm guardado em estado vegetativo em algum hospital daqui ou de lá. O que importa é que a Venezuela é uma nave a deriva, um estado fantasma, uma estrutura vazia. Porque no mundo do caudilhismo totalitário, as coisas são assim. Sem o ‘reizuelano’, não resta nada.
Ninguém se atreve a perguntar por Chávez. Os seus, porque não querem levantar uma onda de perguntas sem respostas; e os opositores, porque temem Chávez como os mouros temiam El Cid, o Campeador, mesmo depois de morto. A Venezuela é um país tão distorcido, tão desorientado, tão desfeito, que não se sente capaz de enfrentar seu destino sem a imagem do tirano. Não é a primeira vez que isso ocorre, e desgraçadamente tampouco será a última.
O tempo, como em tudo, deslindou o enigma que se tinha formado em torno da saúde de Chávez. Tudo indicava que suas piruetas nos andaimes, seus discursos à meia voz, suas aparições caóticas, seriam as últimas. Seguramente com seu consentimento, e na melhor das circunstâncias, os médicos submeteram esse cansado organismo a um estresse final insuportável. A cortisona, os analgésicos, os estimulantes, cumpriram seu papel e culminaram sua tarefa com o “discurso do triunfo”, que melhor seria chamado de “discurso de despedida”. E a seguir veio o inevitável, o colapso que se segue a tais esforços descomunais.
Deus se apiede de quem fez sofrer tanto e causou tanto dano a uma das nações mais ricas da América. Como cristãos, não nos resta outro desejo para essa vida que se perde no vazio do nada. Mas, como estudiosos da vida dos homens e dos povos, não nos podemos poupar do sofrimento de lamentar este problema, com sua brutal crueza. Porque ao que parece a Venezuela não poderia viver com Chávez, mas não está preparada para viver sem ele. De outro modo, estas reflexões elementares teriam sido lamentadas mil vezes, com dramática insistência. E não faltam por inadvertência ou capacidade de análise. Simplesmente faltam porque todos o temem e essa é a única resposta possível.
PS - Hoje é um dia crucial, caso ele não reapareça ficará comprovado que seu estado de saúde é muito delicado (em tempo, não reapareceu; ao invés disso foi para Cuba). Que estão esperando os venezuelanos para exigir um verdadeiro INFORME sobre a saúde de seu presidente reeleito uma vez mais? Estarão os venezuelanos preparados para enfrentar e lidar com o problemão que vem adiante?
Título e Texto: Fernando Londoño Hoyos
Tradução: Francisco Vianna, 28-11-2012

* Fernando Londoño Hoyos (nascido em Manizales, Caldas, em 27 de dezembro de 1944) é um advogado, economista e político colombiano, membro do Partido Conservador Colombiano. Foi Ministro do Interior e Justiça de 2002 a 2004 durante o primeiro mandato do presidente Álvaro Uribe (2002-2006). Trabalha como diretor do programa de rádio A Hora da Verdade na Cadeia Súper da Colômbia e como colunista dos jornais diários ‘El Tiempo’ e ‘El Colombiano’.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-