terça-feira, 11 de maio de 2021

[Versos de través] Os deslimites da palavra

Manoel de Barros 


Ando muito completo de vazios.
Meu órgão de morrer me predomina.
Estou sem eternidades.
Não posso mais saber quando amanheço ontem.
Está rengo de mim o amanhecer.
Ouço o tamanho oblíquo de uma folha.
Atrás do ocaso fervem os insetos.
Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu destino. 
Essas coisas me mudam para cisco.
A minha independência tem algemas.


Título e Texto: Manoel de Barros 

Anteriores: 
Desencanto 
Motivo 
Tateio 
Mulher da vida 
Com licença poética 
O sonho 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-