quinta-feira, 15 de outubro de 2020

[Foco no fosso] Trinta dias de cidadania

Haroldo Barboza 

A trinta dias das eleições, mesmo quem reside em bairros mais nobres, vai ver (ou ouvir de dezenas de pessoas) relatos de “benfeitorias” que deixaram de ser aplicadas nos últimos 4 anos. Isto vale para os 5 770 municípios do Brasil. 

Eis algumas ações que serão adotadas pelos que desejam a reeleição ou ascensão de algum herdeiro: 

- colocação de brita com gordura e rapadura em crateras encontradas nas vias urbanas; mais de mil ruas serão remendadas e o “asfalto” voltará a se soltar em dois ou três meses; 

- segurança pública será “reforçada” com viaturas estacionadas (*) em cruzamentos próximos aos principais pontos de “cracudos”; 
(*) no final da Rua Leopoldo (RJ) existem 4 ou 5 viaturas paradas há mais de 6 meses. Na verdade, os esqueletos delas apodrecem pois nem pneus possuem mais;

- coleta de lixo semanal (até final do Natal) será duplicada perto dos pontos onde nem caçambas existem para atender aos moradores; 

- muros e portões de escolas serão pintados (só pelo lado de fora) para dar o tom da preocupação dos governantes com a Educação; 

- dezenas de rios serão “dragados” (só nas margens - talvez até empurrem os detritos para o fundo do leito); 

- placas de sinalização de trânsito serão trocadas - só as que estiverem enferrujadas e com marcas de tiros; 

- iluminação pública sofrerá mutirão para que a cidade exiba todo seu esplendor noturno (lâmpadas de 20W no máximo); 

- cracudos serão removidos (enxotados) para perto dos tradicionais lixões urbanos até depois do Natal. 

Além destas práticas, outras dezenas de artimanhas serão colocadas em prática em busca dos votos daqueles que não tiveram chances de adquirir ensinamentos que permitem abrir as mentes hipnotizadas desde a “proclamação da república”. 

E todas estas “benfeitorias” terão faixas de “agradecimentos” das comunidades “beneficiadas”. 

Nossa sociedade é um colosso. Sobrevive no fundo do poço. 

Título e Texto: Haroldo Barboza, 15-10-2020

Anteriores:
Mudar para onde?
A vacina “mágica”
Não querendo PIXar o produto
O menu secular
Evitar caos nos dedos
A fábula do chaveiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-