sábado, 9 de abril de 2022

Tudo sobre a minha heterossexualidade

O problema não é a presunção, discutível, de que certas “correntes educativas” querem produzir gays. O maior risco é o de produzirem idiotas.


Alberto Gonçalves

Um destes dias, circulou por aí um questionário que anda a ser feito aos alunos das escolas públicas. As perguntas incluem: “Quando é que decidiste que eras heterossexual?”. E: “Se a heterossexualidade é normal porque é que existem tantos doentes mentais heterossexuais?”. E mais meia dúzia de calibre idêntico. Num instante, as “redes sociais” indignaram-se. No instante seguinte, alguém divulgou o verso da página, que continha o “contexto” do inquérito. Afinal, o objetivo passava por ridicularizar o tipo de perguntas que se fazem “com frequência” (cito) a homossexuais e a bissexuais. A indignação moderou-se.

Não devia. O problema nem é o inquérito, apenas tonto e um pouco alucinado: onde é que questões daquelas são feitas, e “com frequência”, a homossexuais? Decerto na Palestina e no Irão. O problema é o inquérito ser português, e estar incluído num longo Caderno de educação sexual produzido pela ARS Norte e adoptado pelo ministério da Educação para o 7º, o 8º e o 9º anos. O problema é o Caderno, as dezenas de páginas dele, ser um monumento à indigência mental. O problema é um país em que a indigência mental merece cargos de decisão e influência. Muitos queixam-se de que o ensino da sexualidade perverte as criancinhas, mas poucos falam do ensino da imbecilidade que as retarda. O problema, em suma, não é a presunção – discutível – de que certas “correntes educativas” querem produzir gays. O maior risco é o de produzirem idiotas.

Há aqui graves chatices de princípio, de forma e de conteúdo. Comece-se pelo princípio. Sob que pretexto a escola deve educar sexual ou até socialmente os petizes? Não me ocorre nenhum, exceto a presunção beata de que as salas de aula são espaços de catequismo para os fervores do momento. Durante o Salazarismo, os manuais escolares estavam repletos de exaltações “patrióticas”. Agora é a tralha da “tolerância” e do “género”. Mudou a tralha, não mudou a tendência evangelizadora de uma instituição em teoria destinada a habilitar fedelhos no português e na matemática. Na prática, habilitam-se os pais, os que têm menos meios de corrigir o desastre, a levar com os filhos em situação de analfabetismo radical e permanente.

Em abono da democratização do ensino, analfabetismo também não falta aos autores do Caderno da ARS Norte. Aquilo é dirigido a alunos de 12, 13, 14, 15 anos. Parece pensado para “utentes” do infantário. E parece produzido por “utentes” do infantário, com a agravante de a linguagem utilizada descer aos abismos de um “eduquês” temperado por adaptações livres do léxico e da gramática.

O Caderno tem três temas (eles dizem “áreas temáticas”): O conhecimento e valorização do corpo; Saúde sexual e reprodutiva; Expressões de sexualidade e diversidade. Pelo meio, há desenhos infantis, textos infantis, “atividades” infantis (jogos promissores, como o “Corta e cola na minha autoestima” e o “E mais??? Outras coisas que tais...”) e toda a sorte de expedientes capazes de dispensar a rapaziada de aprender equações de 2º grau, mas ficar esclarecida acerca de anéis vaginais e gonorreia.

A título de exemplo, uma das “atividades” intitula-se “As mulheres percebem de futebol??” (e logo demonstra que os autores do Caderno não percebem de pontuação). Consiste em dividir a turma em grupos de rapazes e raparigas e pô-los a discutir um texto sobre dois comentadores da Sky Sports demitidos por afirmarem, em “off”, que as mulheres não entendem o fora-de-jogo. O objetivo da “atividade” é “promover a diminuição de estereótipos de género”, leia-se aplaudir a demissão dos comentadores. Não admira que inúmeros alunos cheguem ao secundário unicamente especializados em fazer caretas no Tik Tok. E aposto que no fim da rábula as raparigas continuaram sem entender o fora-de-jogo!!!

Às vezes, o Caderno tem graça. Ri-me com a referência repetida a “Eva e Adão”, uma inversão da convenção que, em cabeças cheias de vento, passa por espetacular afirmação de feminismo. A maioria das vezes, porém, o Caderno deprime. Nele, o sexo é só uma via para falar obsessivamente de dois assuntos: o corpo e a “autoestima” (amor-próprio, em língua de gente).

Ou seja, o Caderno derrama nas crianças o tipo de patetices abundantes no Disney Channel e no Instagram de pategos: a ilusão de que todos somos especiais e dignos de intensa admiração. Somos lindos mesmo que pesemos 10 arrobas. Somos esclarecidos mesmo que nos apeteça trocar de sexo dez minutos após entrar na puberdade. Somos espertíssimos mesmo que o nosso QI se aproxime do QI dos criadores de material educativo para a ARS Norte. Somos princesas e príncipes, guerreiras e guerreiros, campeãs e campeões. E ai do mundo que não reconheça semelhantes atributos em criaturas reduzidas à superfície, e convencidas a “identificar-se” e “afirmar-se” em cima de nada. O grande objetivo do Caderno, e de boa parte da contemporaneidade, é formar choninhas amadores e vítimas profissionais.

Embora falar de sexo com professores seja de um bom gosto equivalente a debater uma gastroenterite com a porteira dos multiusos, e embora a educação sexual precise tanto do ministério quanto um idoso de uma anca deslocada, tenciono provar a minha abertura nesses domínios. Ainda que já tenha concluído o ensino básico há um par de anitos, passo a responder ao questionário referido no início da crónica:

1) O que é que achas que causou a tua heterossexualidade?
A Agnetha dos Abba, por alturas do álbum Voulez-Vous.

2) Quando é que decidiste que eras heterossexual?
Quando, para aí com 9 anos, os meus pais me deram dinheiro para comprar o Voulez-Vous. E ainda dizem que os Abba são música efeminada!

3) É possível que a heterossexualidade seja apenas uma fase que passe quando cresceres mais um pouco?
É possível, sim (mal atinja 1,88m pensarei nisso). Em miúdo também pensava que ia ser benfiquista e depois viu-se.

4) É possível que sejas heterossexual por sentires medo de pessoas do mesmo sexo que o teu?
Claro que é. Na infância, joguei à bola contra um vizinho que tinha o dobro do meu tamanho e a misteriosa alcunha de “Grua”. Sentia pavor dele, a ponto de nunca me passar pela cabeça pedi-lo em namoro.

5) Se a heterossexualidade é normal porque é que existem tantos doentes mentais heterossexuais?
Não sei se a heterossexualidade é normal. Anormal seria existirem poucos doentes mentais nos “workshops” de economia do dr. Louçã e de uma das Mortáguas.

6) Porque é que tens de “anunciar a todos” a tua heterossexualidade? Não podes apenas ser quem és sem falares muito sobre isso?
Nunca “anunciei” a minha heterossexualidade a ninguém. Até hoje, aliás, acho que nunca falara em público a respeito. Ao contrário da crendice estabelecida, é ridículo desabafar.

7) A maioria dos abusadores de menores é heterossexual. Achas que é seguro expor as crianças a educadores heterossexuais?
Acho altamente inseguro é expor educadores, heterossexuais ou não, a crianças.

8) O número de divórcios entre pessoas heterossexuais é muito elevado. Porque é que as relações amorosas entre pessoas heterossexuais são tão instáveis?
Porque há muitas Agnethas na Terra. E muitos Gruas, suponho.

Título e Texto: Alberto Gonçalves, Observador, 9-4-2022 

Relacionado: 
Executiva da Disney promete mais personagens LGBT+ (O que é uma CRIANÇA trans, queer?!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não aceitamos/não publicamos comentários anônimos.

Se optar por "Anônimo", escreva o seu nome no final do comentário.

Não use CAIXA ALTA, (Não grite!), isto é, não escreva tudo em maiúsculas, escreva normalmente. Obrigado pela sua participação!
Volte sempre!
Abraços./-